Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Assim são escritos os novos compassos da música latino-americana (parte I)

Imagem da série “LiveYourMusic”, feita pelo site chileno Pousta em colaboração com a Heineken. Na cena, a música e produtora Valesuchi mostra seu local de trabalho. Disponível no Youtube.

A internet se tornou uma maneira de explorar e vivenciar novas músicas de diferentes partes do mundo. Na América Latina, uma série on-line dá espaço para músicos que estão propondo novas maneiras de olhar para a cena musical local.

Esses novos músicos são o foco da série “Live Your Music” feita pelo site chileno Pousta em colaboração com a Heineken. Cada episódio mostra diferentes músicos e suas reflexões sobre as dificuldades de fazer música eletrônica no Chile, a explosão da mídia on-line e visões sobre o gênero que precisam mudar.

O primeiro episódio, chamado “Internet”, reúne depoimentos e apresenta o espaço colorido onde acontece a nova cena da música eletrônica chilena. Ele também nos mostra as dificuldades que existem no mundo da música, como limitações econômicas e mudanças rápidas que ocorrem nessa cena emergente.

Segundo Leo Prieto:

No es que la tecnología creó un nuevo tipo de artista o de músico, sino que ellos siempre habían estado. La tecnología simplemente era lo que hacía falta para que pudieran llegar a la audiencia que hace rato los estaba esperando.

A tecnologia não criou esse novo tipo de artista ou de músico, eles sempre existiram. Essas tecnologias eram só o que faltava para que pudessem atingir uma audiência que esperava por eles há muito tempo.

“Qualquer um com um computador e boas ideias pode fazer isso”

Máquinas” explora as diferentes maneiras com que os músicos buscam seu próprio som. Aprendemos sobre as complexidades que podem ser encontradas em diferentes sistemas de som e descobrimos que sons podem ser garimpados em várias fontes, inclusive Game Boys.

De acordo com Vicente Sanfuentes:

Falta reescribir un poco la imagen de lo que es el músico electrónico. Estamos acostumbrados a que el músico electrónico sea hombre, lampiño, tecnológico, medio gringo, con tufo alemán […] No estamos interesados en que la música siempre sea creada por una parte de la sociedad, creemos que la voz artística le pertenece a todos. Creemos que cualquiera en su casa que tenga un computador y que tenga buenas ideas puede hacer esto. […] Es importante que se abra la imagen [de la música electrónica] que se cambie un poco de lugares, también, y que deje de tener ese tufo mecánico clase alta que tiene y que pase a ser vehículo de otras ideas.

Ainda precisamos recriar a imagem do músico eletrônico. Estamos acostumados com músicos brancos, carecas, tecnológicos, um tipo gringo, com cheiro de alemão […] Não estamos interessados em música criada por apenas uma parte da sociedade, acreditamos que a voz artística pertence a todos. Achamos que qualquer um com um computador e boas ideias pode fazer isso […] é importante expandir a imagem (da música eletrônica) e mudar de ambiente também, assim ela não terá mais aquele cheiro de classe alta e começará a transmitir outros tipos de ideias.

Cenários” explora a dimensão compartilhada da música. Ele mostra as experiências que acontecem em festivais, bares ou até em festas ilegais. Pia Sotomayor ressalta a magia especial das festas eletrônicas chilenas:

Nosotros antes de ser productores de música somos fanáticos de la música en un 100%. Lo he dicho mil veces y lo digo muy honestamente, las fiestas en Chile logran un nivel de éxtasis demasiado importante.

Antes de sermos produtores, somos 100% fãs de música. Já disse isso mil vezes e é a mais pura verdade, as festas [eletrônicas] no Chile alcançam um nível muito importante de êxtase.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.