Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Primeiro-ministro do Marrocos pede “calma” após confrontos entre populares e forças de segurança

Foto de um vídeo em que El Othmani pede calma à população de Rif, tirada em 28 de junho de uma página do YouTube do usuário akhbar feakhbar. Fonte: YouTube.

O primeiro-ministro do Marrocos, Saadeddine El Othmani, foi a público pedir calma na cidade de Hoceima, nordeste do país, depois que forças de segurança repreenderam violentamente manifestantes durante o feriado de Eid al-Fitr [celebração muçulmana que marca o fim do jejum do Ramadã], na última segunda-feira (26).

Uma série de confrontos ocorreu depois que a polícia tentou proibir um protesto exigindo a soltura de ativistas do Hirak, movimento popular criado em Hoceima que reivindica mais justiça e investimentos sociais na região.

As manifestações persistem desde a morte do pescador Mouhcine Fikri, que foi triturado por um caminhão de lixo em outubro de 2016.

O incidente suscitou uma série de manifestações por parte da população contra denúncias de corrupção de autoridades locais e abusos de poder cometidos por forças de segurança. A onda de indignação aumentou, dando origem a um movimento popular, motivado pela insatisfação com a marginalização econômica e social vivida na montanhosa região de Rif.

No protesto da última segunda-feira de junho, forças policiais atiraram gás de pimenta e usaram cassetetes contra os manifestantes, além de agredir com socos a multidão para dispersá-la. Relatos iniciais sugeriram que 132 pessoas foram presas na manifestação, mas não há consenso sobre esses números.

Dias depois, o jornal local no idioma árabe Rif Akhbar reportou 97 prisões, com base nas informações oficiais do governo.

Essa foi a primeira vez que El Othmani falou à imprensa marroquina desde os confrontos de segunda-feira. Ele acrescentou que o rei do Marrocos, Mohammed VI, idealizou um plano de ações para atender as demandas econômicas e sociais dos manifestantes, mas ressaltou a necessidade de “se criar uma atmosfera de tranquilidade para possibilitar os trabalhos de campo e convencer investidores a operarem na região”. 

No jornal em árabe Hespress, o cientista político marroquino Bilal Allada criticou o apelo por trégua do primeiro-ministro, que classificou de inadequado, além de recriminar El Othmani por não ter mencionado em seu discurso a questão dos presos políticos.

Não se sabe se as palavras do primeiro-ministro impactarão o movimento popular, que até o momento se recusou a enviar representantes para um encontro com políticos eleitos e ministros do governo a fim de discutir o problema.

Para o jornalista marroquino Souhail Karam, dificilmente o pedido de El Othmani mudará a realidade:

Que diferença as palavras do primeiro-ministro marroquino [#morocco] farão? Provavelmente nenhuma. Os próprios membros de seu partido sabem que ele não está atacando a raiz do problema.

Muitos manifestantes insistem que apenas uma intervenção direta do rei Mohamed VI poderá aplacar o recrudescimento da crise, mas o palácio real ainda não se manifestou diretamente.

Ao longo do fim de semana, Mohamed VI expressou “desgosto, consternação e preocupação” com as demoras nos projetos de desenvolvimento econômico planejados para a cidade de Hoceima. Ele exigiu que se investigue os motivos para tal lentidão após reunião com os principais ministros do governo.

Entretanto, à medida que o número de prisões aumenta em Hoceima, a liberdade dos detidos tornou-se uma das principais demandas do movimento Hirak.

Manifestações estão cada vez mais frequentes desde que as autoridades prenderam Nasser Zefzafi, ativista e um dos líderes do movimento Hirak, em 29 de maio. Apoiadores de Zefzafi pedem sua liberdade e a de mais de 100 ativistas.

El Othmani não comentou sobre uma possível liberação dos detidos, mas contestou alegações de ativistas e jornalistas que afirmaram terem sido torturados sob custódia da polícia, ao afirmar ter confiança no sistema judiciário marroquino em relação às investigações, que, segundo ele, garantirá o devido e justo processo legal.

Enquanto isso, a página do Facebook “Rif Original” anunciou em um post para mais de 200 mil seguidores que líderes de cinco câmaras locais na região renunciaram em protesto contra a conduta das forças de segurança do estado.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.