Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Parlamento russo proíbe anonimato em aplicativos de mensagens

Foto: Pixabay

O Comitê de Tecnologia e Informação da Duma aprovou um projeto de lei polêmico que proibe o anonimato em mensagens online. O Comitê recomenda que o projeto de lei seja apreciado na sua primeira leitura para então retornar ao Comitê caso precise passar por mais alterações.

O Parlamento ainda não marcou uma data para a votação na primeira leitura da lei. Se aprovado e assinado pelo presidente Putin, entrará em vigor no início de 2018.

Os representantes da Duma apresentaram a lei em 24 de maio, que requer que os usuários de aplicativos de mensagem verifiquem suas identidades usando seus números de telefone, exigindo que as operadoras de telefonia móvel auxiliem o governo nesse empenho.

A lei também propõe multa contra qualquer aplicativo de mensagem que continue permitindo a comunicação entre usuários anônimos, além de serviços que ignorem solicitações de autoridade policial para restringir o acesso de contas anônimas específicas que podem ser bloqueadas pela censura estatal russa.

Se adotada, a lei só se aplicará a aplicativos de mensagens registrados formalmente com o governo como “distribuidores de informações”. Aplicativos mais conhecidos como o WhatsApp e o Telegram não estão atualmente no registro estatal, mas as autoridades indicaram que isso poderia mudar em breve. Se formalmente registrado na Rússia, a nova proibição do anonimato desses aplicativos poderá prejudicar comentários políticos de pessoas comuns, onde dezenas de contas anônimas em aplicativos de mensagens ganharam popularidade recentemente.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.