- Global Voices em Português - https://pt.globalvoices.org -

Essas skatistas estão arrasando na Índia

Categorias: Sul da Ásia, Índia, Arte e Cultura, Ativismo Digital, Boas Notícias, Desenvolvimento, Direitos Humanos, Esportes, Filme, Ideias, Mídia Cidadã
[1]

Girl Skate Tour 2016. Captura de tela de vídeo Vimeo.

Uma comunidade de mulheres em Kovalam, uma pequena cidade costeira no estado indiano do sul de Kerala, está mudando os limites que a sociedade indiana estabelece para mulheres e meninas. Dirigido pela primeira skatista do país, Atita Verghese, a Girl Skate India está em missão de se destacar, conectar e aumentar o número de skatistas femininas e, até agora, tem conseguido um grande reconhecimento internacional.

Em uma conferência TEDxPESITBSC [2], Atita Verghese explica como ela foi atraída por este esporte. Ela se apaixonou por andar de skate aos 19 anos, quando ainda não tinha o seu próprio. Ela se juntou a um coletivo em Bangalore chamado Holystoked [3]e decidiu que queria levar mais meninas para praticar o esporte. Na sua opinião [4], andar de skate não só leva as meninas a praticar uma atividade física, mas também ensina perseverança, trabalho em equipe, confiança, equilíbrio, coordenação e resistência, “coisas que podem ajudar as mulheres a fortalecer a mente e o corpo”.

Em 2013, Atita e seus amigos construíram um parque de skate [5] em Bengaluru com a ajuda do coletivo HolyStoked e começaram a ensinar crianças carentes a andarem de skate. Ela lançou, posteriormente, a Girl Skate India [6] — uma iniciativa para ensinar meninas a patinar, promover a igualdade de gênero na patinação e destacar novas patinadoras na Índia. A Girl Skate India trabalha com o coletivo Holystoked nas aulas para jovens e visa construir parques de skate abertos para patinadores de todos os gêneros.

Em uma entrevista à plataforma Girls Are Awesome, Atita comentou [7]sobre seus esforços para levar mais meninas ao esporte:

I wanted to make it visible that there were girls skateboarding in India, even though the numbers could be counted on one hand at the time. I started talking parents into getting their girls into skateboarding and taking the movement online.

Eu queria mostrar para as pessoas que existiam meninas skatistas na Índia, mesmo que os números pudessem ser contados em uma só mão na época. Comecei a falar com os pais pra levar as meninas pra andar de skate e apoiar o movimento online.

O trabalho da equipe da Atita é importante, já que a Índia está em 136º lugar dos 186 países figurando no índice de desigualdade de gênero da ONU [8] (2014).

This is one of our favourite photos by far from the little village that's home to one of the best skate parks in india-  [9]@janwaarcastle [10]. Happy little girls supporting each other on boards and off . ❤🌞 #girlgang #thankyouskateboarding [9]

Una publicación compartida de Girl Skate India (@girlskateindia) el

Essa é de longe uma de nossas fotos favoritas da pequena aldeia que abriga um dos melhores parques de Skate da Índia- @janwaarcastle. Meninas felizes apoiando-se mutuamente no Skate ou fora dele. ❤🌞 [9]

O time da Girl Skate India completou [5] com sucesso a primeira turnê de skate para meninas na Índia, em 15 de dezembro de 2015, visitando quatro locais — Bengalore, Goa, Kovalam (Tamil Nadu) e Hampi (Karnataka) — e contou com 12 skatistas femininas [11] de nove países diferentes.

Em dezembro de 2016, inspiradas pelo sucesso do projeto, Atita e a equipe da Girl Skate India embarcaram em uma jornada de 15 dias [12] com 13 skatistas femininas de nove países diferentes em Bengalore, Kovalam, Goa e Hampi. Atita liderou a equipe e ensinou as garotas locais a andar de skate e construir rampas para o futuro. Aqui está o curta-metragem da turnê.

A equipe da Girl Skate India também apareceu em um video [13]para “Alpha Female” da banda britânica Wild Beasts:

O diretor do vídeo, Sasha Rainbow, explicou [14]:

In places like Afghanistan, Cambodia, and India, skating has not been solidified as a male sport and, therefore, has had a massive cultural impact, teaching values about self-empowerment through skateboarding.

Em lugares como Afeganistão, Camboja e Índia, o skate não se solidificou como esporte masculino e, portanto, teve um enorme impacto cultural, ensinando valores sobre a autocapacitação através do esporte.

Você pode seguir as skatistas da Índia no Facebook [6] e no Instagram [15].