Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Como a fotografia influenciou nossa visão sobre a Guerra do Vietnã

A foto que rendeu o Prêmio Pulitzer a Nick Ut sendo apresentada em uma palestra aberta ao público. Fonte: Flickr / foto da LBJ Library de Gabriel Cristóver Pérez (Domínio Público)

Este artigo foi escrito por Quyên Ngô do Loa, um site de notícias e projeto de rádio on-line do Partido Viet Tan que divulga histórias sobre o Vietnã. Esta matéria está sendo reproduzida pela Global Voices como parte de um acordo de compartilhamento de conteúdo.

Conheça Nick Út, um dos fotógrafos mais respeitados internacionalmente pelo seu trabalho na Guerra do Vietnã. O fotojornalista vencedor do Pulitzer se aposentou no último mês de março após 51 anos de trabalho para a agência de notícias Associated Press.

Nick tornou-se célebre por ter tirado a foto de uma menina (Kim Phúc) após ela ter quase morrido queimada quando um avião das forças sul-vietnamitas lançou uma bomba de napalm durante um confronto com as forças do Vietnã do Norte. A foto em preto e branco gera controvérsias até hoje, mas muitos acreditam que ela foi decisiva para os rumos da Guerra do VIetnã por retratar de forma impactante e trágica o conflito. A primeira visão que temos é de uma jovem nua e chorando, com a pele queimada, no centro da imagem, enquanto a fumaça do bombardeio de napalm pode ser vista ao fundo. Dá quase para ouvir o choro das crianças que aparecem correndo na foto.

Nick tirou essa foto em 8 de janeiro de 1972, quando aviões sul-vietnamitas atiraram uma bomba napalm por engano na aldeia de Trảng Bàng, então invadida e sob domínio das forças do Norte.

Essa história já teve ampla divulgação na imprensa do mundo todo, com a foto retratando de forma clara os horrores da guerra, talvez tão clara a ponto de ser usada como propaganda. Segundo Nick:

Both the North and the South used the photo of Kim Phúc as propaganda. The North would say, ‘This is a photo of America dropping a bomb to murder the innocent.’ And in the South, “This is a photo of the communists shooting missiles.’ To me, I am telling the truth. And the propagandists, well, they’ll say what they say.

Tanto as forças do Norte como as do Sul usaram a foto de Kim Phúc como propaganda. Os norte-vietnamitas diziam: ‘Esta é uma foto da América jogando uma bomba para matar inocentes.’ Enquanto que no Sul diziam: ‘Esta é uma foto dos comunistas lançando mísseis.’ A meu ver, estou mostrando a verdade. Já os propagandistas, bem, nós sabemos o que eles dizem.

Muitos reverenciam Nick pela importância dessa imagem para a retirada das forças norte-americanas do Vietnã e para o fim da guerra. Há também muitos que lamentam pela divulgação da imagem, pois para estes, ela foi crucial para a vitória das forças norte-vietnamitas, em uma divergência natural contra as forças do Sul.

Nick Ut com uma cópia da foto que lhe rendeu o Pulitzer. Fonte: Flickr / foto da LBJ Library de David Hume Kennerly (Domínio Público)

Com fotos perturbadoras ou que representem momentos de triunfo, Nick também afirma que fotografias conceituais eram algo comum durante a guerra. Exemplo disso é outra foto famosa, de um tanque avançando pelos portões do palácio presidencial em Saigon. A imagem pode iludir quem a vir nos livros de história do mundo todo, uma vez que diversos fotógrafos capturaram por vários ângulos a imagem de soldados adentrando os portões do palácio em um tanque, no que marcou a vitória das forças norte-vietnamitas. Nick conta que os fotógrafos do Vietnã do Norte, a quem ele chama de colaboradores do Partido Comunista, colocavam-se em posições diferentes para documentar esses tipos de situações.

That photo is the result of multiple re-staging — that’s how they were able to get that photo. In truth, they did not just capture the tank as it rolls into the gate. They had to back up, go out, come back in multiple times so that they could take a beautiful photo.

Aquela foto é resultado de várias remontagens — foi assim que conseguiram aquela imagem. Na verdade, eles não capturaram só o tanque passando pelo portão. Eles tiveram de se mover para trás, sair e voltar várias vezes para conseguir uma boa imagem.

Prosseguindo, esse tanque avançou pelos portões do Palácio Presidencial em Saigon, marcando a derrota das forças sul-vietnamitas.

As imagens têm um papel marcante para nos ajudar a compreender a história, fazendo-nos lembrar de que as narrativas de guerra são apresentadas por diversos ângulos. Nick diz que as narrativas tendem a ser impostas e reforçadas quando as pessoas não estão cientes do fato de que não conhecem a realidade. É assim que impressões e interpretações tornam-se consolidadas.

Diante de uma memória de guerra extremamente complexa, talvez a conclusão seja simples: é bem possível que aquilo que vemos não seja ou tenha sido verdade. Ele complementa que, independentemente do segmento de uma pessoa, é essencial que cada um faça seu papel e busque conhecer suas fontes.

Ele nos contou como aprendeu a arte de fotografar beisebol para enfatizar o quão importante é o conhecimento de um assunto para que um fotógrafo registre boas imagens:

Journalists should read a lot of news, watch a lot of news. Just like filmmakers need to watch a lot of films. That’s how you get good. You know in 1977, AP told me to go shoot a baseball game. I was stumped, I thought, what’s baseball? I went to my first baseball game and I thought, what is this? Why does it look like the Viet Cong running after American soldiers? Why’s everyone running? So I watched all the photographers snapping away, but I came away with nothing. I was frustrated. The next way, I opened a bunch of newspapers and looked at the photos: second base, home plate, home run. This is easy! Then, I was able to shoot just like that.

Jornalistas devem ler muitas notícias e assistir a muitos noticiários, assim como cineastas também devem assistir a muitos filmes. É assim que nos aperfeiçoamos. Em 1977, a Associated Press me mandou cobrir um jogo de beisebol. Fiquei perdido, pensando, o que é beisebol? Fui ao primeiro jogo e pensei, o que é isso? Por que parece que os Viet Congs estão correndo atrás dos soldados americanos? Por que todos estão correndo? Eu fiquei vendo todos os fotógrafos tirando várias fotos, enquanto que eu voltei do jogo sem uma sequer. Foi frustrante. Depois disso, eu vi algumas daquelas fotos nos jornais: segunda base, home basehome run. É fácil! Foi assim que eu aprendi a tirar minhas fotos.

É seguro afirmar que a guerra é mais difícil de entender do que um jogo de beisebol. Com as guerras e a violência ainda presentes no nosso mundo, nunca foi tão importante enxergar criticamente como as histórias são contadas.

Se você quiser saber mais sobre fotografia e propaganda durante a Guerra do Vietnã, ouça o nosso podcast On the Record:

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.