Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Policia angolana dispersa protesto das mães dos activistas com violência

Marcha das Mães e familiares dos activistas presos. Foto: MakaAngola. Reprodução autorizada

Marcha das Mães e familiares dos activistas presos. Foto: MakaAngola. Reprodução autorizada

Apesar de proibida pelo Governo de Luanda, as mães e os familiares dos 15 activistas presos há cerca de 50 dias cumpriram com a promessa e saíram à rua, para pedir a libertação dos seus filhos.

Mas a policia acabaria por dispersar o protesto com “violência” e inúmeras “detenções”. Um jovem, que participava na marcha, está no hospital num “estado delicado” depois de “pontapeado” pela policia, informa o MakaAngola.

A Radio Angola, que está online a partir de Washington, nos Estados Unidos da América, entrevistou Nelito da Costa Eukiki activista que participou na marcha das mães e que também foi atacado pela policia. Eukiki descreve, a partir de Luanda, a violência policial:

O portal Central Angola 7311 foi dando conta, no Facebook, dos acontecimentos durante o decorrer da marcha:

Há relatos de agressão e detenções na manifestação dos familiares dos presos políticos.
Estamos a envidar esforços para sabermos quantas pessoas foram detidas. Em actualização. ‘Massilon preso, mãe de Benedito mordida por um cão policia, Raúl Mandela foi espancado e está ferido, mãe de Nito Alves está desmaiada.’ Relatos recebidos a partir do largo da independência. Últimas da manifestação da mães: – Coque Mukuta já em liberdade
-Mandela esta ferido na cabeça e necessita assistência urgente.-Irmã de Nicola foi mordida por cães policias. -Esposa de Nicola foi espancada. -Massilon continua em parte incertaMassilom (Ndombe Ia Kuvangu) já esta em liberdade e juntou-se aos outros activistas.

Os jornalistas Rafael Marques do MakaAngola e Coque Mukuta, da Voz da América, chegaram a ser levados pela policia mas acabariam libertados posteriormente, relata o “Friends of Angola” no Facebook:

 LUANDA/ANGOLA: Manifestação dispersa (nas imediações do Zé Pirão )com máxima brutalidade policial. Muitas senhoras sofreram sevícias e uma mãe foi seriamente agredida, ficando estatelada na rua. Rafael Marques de Morais foi levado pelos policias juntamente com outros jornalistas mas já está solto. EM ACTUALIZAÇÃO…

“Espanquem, comecem a bater”, foi a ordem policial para dispersar a marcha das mães, refere o portal de noticias Rede Angola:

Os 15 jovens activistas estão presos desde 20 de Junho por alegada tentativa de golpe de Estado. Os “presos políticos” estão em solitárias e privados do “banho de sol” – sair das celas. Dois dos jovens chegaram a iniciar greves de fome e há relatos de tentativa de suicídio.