Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Vídeo de Serj Tankian assinala os 100 anos do genocídio arménio

Serj Tankian performing in "100 years". Source: Screenshot of the music video.

Actuação de Serj Tankian em “100 years”. Fonte: Screenshot do vídeo.

Serj Tankian é mais conhecido por ser o vocalista da banda de metal alternativo/hard rock System of a Down, da qual faz parte desde 1994. A relação da banda com o genocídio arménio é bastante directa, pois todos eles são arménio-americanos e descendentes dos sobreviventes do genocídio. O próprio Tankian tem-se distinguido como activista empenhado em diversas causas, nomeadamente críticas ao sistema prisional norte-americano e até mesmo questões ambientais.

Escusado será dizer que a luta pelo reconhecimento internacional do genocídio arménio é particularmente importante para ele. Como disse recentemente à revista Rolling Stones, ao falar de justiça:

I think for us it's important for Turkey to know its own history in a truthful manner. It's not just about the genocide of the Armenians, Greeks and Assyrians, but what's going on now. There are no executable international agreements that have to do with stopping the genocide. Irrespective of a number of great U.N. bodies and even U.S.-based bodies in terms of genocide prevention, there's no binding resolution on any genocide or holocaust occurring. We still see them happening. I read in today's press that they discovered a mass grave in Deir Ezzor in Syria of ISIS massacres of this one tribe there, and it reminded me of all the bones that are under those sands in Deir Ezzor from the first genocide of the 20th century in the exact same place. If that's not symbolism, I don't know what is.

Penso que para nós é importante que a Turquia conheça a sua própria História de forma fidedigna. Não se trata apenas do genocídio de arménios, gregos e assírios, mas sim o que está a acontecer neste momento. Não estão a ser postos em prática acordos internacionais que visem pôr fim ao genocídio. Independentemente do grande número de organismos das Nações Unidas e até de órgãos com base nos Estados Unidos, em matéria de prevenção do genocídio não há nenhuma resolução vinculativa que ponha fim a qualquer genocídio ou holocausto em curso. Continuamos a ver que acontecem. Li hoje na imprensa que foi descoberta uma vala comum em Deir Ezzor, na Síria, resultante dos massacres do Estado Islâmico (ISIS) contra uma tribo local, e isso fez-me lembrar todas as ossadas que estão sob essas areias em Deir Ezzor, desde o primeiro genocídio no século XX, exactamente no mesmo lugar. Se isto não é simbólico, não sei o que é.

O Global Voices esteve no último concerto de System of a Down, parte da digressão da banda “Wake Up The Souls” em memória do genocídio arménio. A banda deu um concerto gratuito a 23 de Abril (na noite da véspera do centenário oficial) na Praça da República de Erevan, que contou com a presença de milhares de arménios, bem como georgianos, iranianos, ucranianos, entre outros.

Serj Tankian playing in Yerevan's Republic Square on the 23rd of April 2015. Photo by Joey Ayoub.

Actuação de Serj Tankian na Praça da República de Erevan, 23 de Abril de 2015. Foto de Joey Ayoub. Mais Fotos.

Mas se o metal não faz o seu género, não desespere. Tankian é um artista prolífico. O vídeo ‘100 years’ inclui músicos de Duduk (flauta arménia), Daouli (tambor regional), Lyra (instrumento regional de cordas com arco) e Kanun (instrumento regional de cordas), bem como guitarra, piano e violino, com Tankian como vocalista. Esta bela performance faz eco da pesada história sofrida por arménios, gregos e assírios.

Conforme a sua descrição: “o vídeo é uma comemoração sombria para honrar as vítimas arménias, gregas e assírias do primeiro genocídio do século XX.”