Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

México: Machismo e homofobia nos partidos políticos

[Este artigo contém links que levam a outras páginas, inclusive noutros idiomas, caso queira aprofundar o assunto].

Arely Torres-Miranda, blogueira do Mujeres construyendo, questiona a misoginia e o machismo que existem em todos os partidos políticos mexicanos, independente da orientação política: ex-representantes do Partido Revolucionário Institucional (PRI) contratam serviços sexuais, há vídeos envolvendo membros do Partido da Ação Nacional (PAN) em festas privadas com mulheres, que foram vítimas de violência de gênero, além de demonstrações de homofobia por membros do Partido da Revolução Democrática (PRD).

Torres-Miranda explica que, com todo esse machismo e homofobia, há dias em que ela gostaria de parar de lutar pelo direito das mulheres:

[…] en serio, hay días que quiero rendirme. ¿De qué van todas estas declaraciones? ¿Cómo llegan estas personas a puestos públicos dónde deberían de garantizar y cuidar los Derechos Humanos? Hace unos meses platicaba con un asesor del congreso del estado y le decía que me encantaría poder hacer una iniciativa de ley donde se cuidara que cualquier persona, hombre o mujer, que llegase a ocupar un puesto dentro del servicio público debería demostrar estudios certificados de género y Derechos Humanos…me dijo que no era posible, que eso sería discriminar y entonces, inmediatamente me convertiría en eso que tanto me quejo… ¿entonces, cómo nos cuidamos de esto?

[…] de verdade, há dias em que eu quero desistir. O que são todas aquelas declarações? Como é que essas pessoas ocupam cargos públicos que deveriam cuidar e garantir os direitos humanos? Há alguns meses, eu estava conversando com um assessor do congresso e disse que gostaria de iniciar um projeto onde qualquer pessoa que assumisse um cargo público deveria investir em estudos sobre gêneros e direitos humanos. Ele me disse ser impossível, isso seria discriminação e imediatamente eu me tornaria e pessoa da qual eu tanto reclamo. Então, como nós nos protegeremos disto? 

E ela expressa suas dúvidas da melhor maneira: escrevendo.

Você pode segui-la no Twitter.

Este post foi parte do 27o #LunesDeBlogsGV (Segunda de Blogs do GV), do dia 3 de novembro de 2014.
Tradução editada por Débora Medeiros como parte do projeto Global Voices Lingua