Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

#WithSyria quer acabar com o bombardeio indiscriminado da população síria

How can one feel safe here? Act now to end the bombing of schools, hospitals and homes. Source: withSyria.com

Como alguém pode se sentir seguro aqui? Agir agora para acabar com o bombardeio de escolas, hospitais e casas. Fonte: withSyria.com

“In Syria there are daily attacks, from groups on all sides, hitting schools, hospitals and other residential areas. In February, the UN Security Council demanded that indiscriminate attacks in Syria stop. It promised to take further steps if these attacks continued. As the violence gets worse, please use your power to hold the UN Security Council to its word.”

“Na Síria há ataques diários, vindo de grupos de todos os lados, atingindo escolas, hospitais e outras áreas residenciais. Em fevereiro, o Conselho de Segurança da ONU exigiu que os ataques indiscriminados na Síria cessassem. E prometeu tomar outras medidas, se esses ataques continuassem. Como a violência está se agravando, por favor use o seu poder para manter que o Conselho de Segurança da ONU mantenha a sua palavra.”

Esta é a mensagem do movimento withSyria, que reúne mais de 130 organizações, entre as quais estão grupos da diáspora síria e gente ao redor do mundo que não tem partido no conflito, mas são solidárias com quem que está preso nele, agora já em seu quarto ano.

#WithSyria quer que os líderes mundiais ouçam e ajam pelo público durante a 69a Assembleia Geral da ONU, que foi inaugurada em Nova York hoje (24 de setembro de 2014). Esta é a mesma organização na qual o Representante Especial do Secretário-Geral para Crianças e Conflitos Armados, Leila Zerrougui, definiu a Síria como “um dos lugares mais perigosos para ser uma criança”. Ela também classificou a Síria como um dos lugares mais perigosos para viver hoje, onde nos bairros sírios os ataques com foguetes tornaram-se comuns:

The most dangerous places in Syria for civilians are the markets, hospitals and schools that continue to operate in desperate conditions and amid constant threat of attack.

Os lugares mais perigosos na Síria para os civis são os mercados, hospitais e escolas que continuam a operar em condições desesperadoras e em meio a constante ameaça de ataque.

Para não esquecer

Apesar da exigência do Conselho de Segurança da ONU em fevereiro de 2014, na Síria, bombas de barris continuam a matar diariamente sírios inocentes de todos os lados do conflito. A Campanha #withSyria postou um filme chamado “In Reverse” no Youtube mostrando uma história de crianças sírios que estavam jogando futebol quando foram atingidas por um bombardeio aleatório. [Atenção: Vídeo com imagens fortes]

O vídeo termina com um link para uma petição que estimula os líderes mundiais na Assembleia Geral da ONU em Nova York a pedirem ao Conselho de Segurança que tome medidas concretas para acabar com esses bombardeios indiscriminados na Síria. A meta é 100K. No entanto, os organizadores da campanha dizem que quanto mais assinaturas, maior será pressão sobre os líderes mundiais e, por conseguinte, sobre o Conselho de Segurança da ONU.

A hashtag #WithSyria foi trending topic no Twitter e no Facebook na mesma semana em que foi lançada para que os líderes mundiais não percam a oportunidade cumprir sua promessa.

O que fazer a seguir?

Cristiano Ronaldo supports #withSyria

Se você leu este artigo até aqui, OBRIGADO em nome de todos os sírios, em nome de um sírio que foi forçado a se refugiar fora de sua casa, vendo o seu país ser destruído, seu povo ser assassinado, enquanto as futuras gerações são perdidas entre campos, escolas bombardeadas e famílias deslocadas. Só porque não está acontecendo perto de você, não significa que não está acontecendo.

Ao agir, você não está apenas mostrando suas preocupações, você está se juntando a milhares de ativistas em todo o mundo para salvar as vidas da população síria. Você pode ajudar:

  1. Aderindo à campanha com outras 130 ONGs twittando a hashtag #WithSyria
  2. Assistindo ao vídeo e assine a petição.
  3. Compartilhando o vídeo.
  4. Enviando e-mails aos seus seguidores, apoiadores e fãs compartilhando a petição o mais amplamente possível.
  5. Você pode usar uma das imagens daqui para enriquecer seus tweets. Eles foram especialmente criadas para esta fase da campanha.