Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

O presidente da Google faz visita surpresa à Cuba para promover a liberdade na Internet

Eric Schmidt at the Google Big Tent meeting in Rome in October 2013. Photo by Simona Granati. Copyright Demotix.

Eric Schmidt no encontro da Google Big Tent em Roma em outubro do ano passado. Foto: Simona Granati. Copyright Demotix.

O presidente-executivo da Google, Eric Schmidt, e outros três funcionários da empresa viajaram para Havana nesse final de semana para utilizar o poderio deles em busca de uma “Internet livre e aberta“[en].

Lá, eles se encontraram com estudantes da Universidade da Ciência da Informação, a blogueira Yoani Sánchez e com os autores da sua revista  online magazine 14ymedio[es].

Schmidt,que detalhou sua viagem no Twitter e no Google Plus, descreveu a sua chegada:

Landing at Havana airport, the first airplane you see is a jet from Angola Airlines. The Cuban people, modern and very well educated define the experience with a warmth that only Latin cultures express: tremendous music, food and entertainment […]

Ao aterrisarmos no aeroporto de Havana, o primeiro avião que vemos é um jato da Angola Airlines. O povo cubano, moderno e muito bem educado, define a experiência com um entusiasmo que somente as culturas latinas expressam: muita música, comida e diversão[…]

Ele completou, dizendo: “se Cuba está estagnada nos anos 50, a sua Internet está nos anos 90″.

About 20-25% of Cubans have phone lines but mostly subsidized land lines, and the cell phone infrastructure is very thin. Approximately 3-4% of Cubans have access to the Internet in internet cafes and in certain universities. The Internet is heavily censored and the infrastructure, which we toured, is made out of Chinese components. The “blockade” makes absolutely no sense to US interests: if you wish the country to modernize the best way to do this is to empower the citizens with smart phones (there are almost none today) and encourage freedom of expression and put information tools into the hands of Cubans directly. The result of the “blockade” is that Asian infrastructure will become much harder to displace.

Cerca de 20 a 25% dos cubanos têm linhas de telefone, sendo a maior parte delas linhas fixas subsidiadas, e a infraestrutura de telefonia celular é muito pouca. Aproximadamente,entre 3 a 4% dos cubanos acessam a Internet nos cibercafés ou em determinadas universidades. A Internet é pesadamente censurada e a infraestrutura que vimos é composta por produtos chineses. O “bloqueio” não faz absolutamente nenhum sentido para os interesses dos EUA: se você deseja que o país se modernize, a melhor maneira de fazê-lo é fornecer fones inteligentes para os cidadãos (há muito poucos hoje em dia), incentivar a liberdade de expressão e colocar as ferramentas de informação diretamente nas mãos dos cubanos. O resultado do “bloqueio” é que a infraestrutura asiática se tornará muito mais difícil de ser substituída.

As duas grandes conquistas da Revolução são “o acesso gratuito e universal à saúde e a maioria das mulheres do país ocupando cargos executivos e de gerenciamento”, Schmidt escreveu.

Almost all the leaders we met with were female, and one joked with us that the Revolution promised equality, the macho men didn’t like it but “they got used to it”, with a broad smile. The least successful part of the Revolution has been economic development (not surprisingly) and it appeared to us a drop off in tourism and recent farm issues have made things somewhat worse in Cuba. The broad topic of conversation in the country is the constant speculation of what the government will do next and what the course and path of liberalization will be.

Quase todos os líderes com quem nós nos encontramos era mulheres, e uma delas fez um gracejo ao nos dizer que a Revolução prometeu a igualdade. Os homens machistas não gostaram “mas tiveram que se acostumar”, disse ela com um largo sorriso. O que teve menor sucesso na Revolução foi o desenvolvimento econômico (não é de se surpreender) e pareceu-nos que a queda no turismo e as recentes questões agrícolas tornaram as coisas um tanto piores em Cuba. O vasto tema das conversas no país é a especulação constante sobre o que o governo fará a seguir e qual será o curso do caminho da liberalização.

Com respeito aos detalhes da viagem, Schmidt completou:

Travel to the country is controlled by an US office called [Office of Foreign Assets Control] and under our license we were not permitted to do anything except business meetings where our hotel room had to be less than $100 per night and total expenses per diem of $188.00. Not surprisingly there are many $99 hotel rooms in Havana. These policies defy reason: there are dozens of countries we call our allies and we are free to travel to that present much worse threats and concerns to the US than Cuba does in this decade.

As viagens ao país são controladas por um escritório dos EUA chamado [Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros] e sob nossa licença nós não tínhamos permissão para fazer nada, exceto as reuniões de negócios. Nossa hospedagem tinha que custar menos de U$ 100 dólares por noite e o total das despesas diárias não podia exceder U$ 188 dólares. Não é de se estranhar que existam muitos quartos de hotéis custando U$ 99 dólares em Havana. Essas políticas desafiam a razão: há dezenas de países que chamamos nossos aliados e para onde estamos livres para viajar. Esses países apresentam ameaças e preocupações muito piores para os EUA do que Cuba.

Em novembro do ano passado, Schmidt tinha declarado numa entrevista ao Wall Street Journal [en] que Cuba era prioridade na sua agenda de viagens internacionais.

Schmidt chegou em Havana num momento que o debate público sobre o acesso à Internet na ilha havia crescido notoriamente. Há apenas algumas semanas atrás[es], Norges Rodríguez publicou uma  petição no Change.org [es] exigindo “o fácil acesso à Internet para a população cubana”. A petição recebeu mais de 400 assinaturas dos residentes cubanos, dentro e fora do país. Anteriormente, as autoridades cubanas   haviam desmantelado pelo menos quatro redes informais de WiFi  [en] situadas em diferentes vizinhanças de Havana e Cienfuegos.

Um dos pontos mais controversos no relacionamento entre a Google e Cuba reside nos serviços que a companhia impede os usuários cubanos de terem acesso.  Tour Builder, um novo serviço da Google ainda na sua fase beta, não está atualmente disponível aos cubanos  [es] como parte do bloqueio econômico dos Estados Unidos contra esse país.  Previamente, a Google tinha obstruído o acesso ao Google Earth, Google Desktop Search, Google Toolbar, Google Analytics, e ao Google Code Search.

Schmidt resumiu porque o bloqueio não é uma boa ideia:

The information restrictions make even less sense when you find out that Cuba imports a great deal of food from the US as compassionate trade. The food imports to Cuba are important but so is importation of tools to Cuba for the development of a knowledge economy.

As restrições das informações fazem menos sentido ainda quando você descobre que Cuba importa muitos alimentos dos EUA, num comércio compassivo. As importações de alimento à Cuba são tão importantes quanto as importações das ferramentas para o desenvolvimento de uma economia do conhecimento.