Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Decisão judicial muda termo, mas continua favorecendo a intolerância às religiões afro-brasileiras

O juiz federal Eugênio Rosa de Araújo mudou o fundamento da sua decisão de indeferir o pedido feito à justiça pelo Ministério Público Federal para que o Google Brasil retire do YouTube os vídeos postados por membros da Igreja Universal que discriminam as religiões afro-brasileiras. Mas, ele manteve a decisão.

A princípio, o motivo para o indeferimento era que “os cultos afro-brasileiros não constituem religião”. Agora, em nota emitida dia 20 de março no site da Justiça Federal do Rio de Janeiro, onde o processo está tramitando, o juiz afirmou que “o forte apoio dado pela mídia e pela sociedade civil, demonstra, por si só, e de forma inquestionável, a crença no culto de tais religiões”. No entanto, a seu ver, esses vídeos refletem o exercício da liberdade de expressão da Igreja Universal:

Cumpre esclarecer que a liminar indeferida para a retirada dos vídeos no Google teve como fundamento a liberdade de expressão de uma parte (Igreja Universal) e de reunião e expressão de outra (religiões representadas pelo MPF), tendo sido afirmado que tais vídeos são de mau gosto, como ficou expressamente assentado na decisão recorrida, porém refletem exercício regular da referida liberdade. Fica visto que tais liberdades fundamentais (expressão e reunião) estão sendo plenamente exercidas como manifestação coletiva dos fiéis dos cultos afro-brasileiros.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.