Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Caos: o transporte público de Lima

Combi and Coaster minibuses in Lima. Photo by Flickr user Solangel Giannopoulou. CC BY-NC-ND 2.0

Combi e mini-ônibus Coaster em Lima. Foto  Flickr do usuário Solangel Giannopoulou. CC BY-NC-ND 2.0

Em janeiro de 2014, viviam 8.693.387 pessoas na cidade de Lima, de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas do Peru [es] (INEI do nome original, em espanhol). No próximo mês de junho, o total da população, em todos os 43 distritos da capital, deve chegar a 8.755.262, representando 28.4% dos 30.8 milhões de pessoas que vivem no país. Em uma cidade tão populosa o transporte público é uma obrigação, mas em Lima ele é ineficiente e desorganizado. O atual, é uma mistura do velho e do moderno, gerido pelo governo através do serviço rápido de ônibus Metropolitano [en] da cidade, rodando há alguns anos, e ainda mais velhos, os oferecidos pelo sistema privado, os micro-ônibus, como os Coasters da Toyota e as conhecidas “Combis”, veículos pequenos e brutos. O governo encara o enorme desafio da reforma do transporte. O estudante de doutorado em planejamento urbano, da Universidade de Columbia, Matteo Stiglich, explicou em seu blog Lugares comunes [es] em outubro de 2012:

La reforma del sistema de transporte público que está implementando la Municipalidad de Lima es necesaria y, si es que logra ser ejecutada como está siendo planeada, puede convertirse en uno de los mayores logros de la presente gestión. En primer lugar, la reforma corre el riesgo de convertirse en una mayor regulación del transporte no-privado (transporte público y taxis) sin tocar a los principales generadores de congestión vehicular: los autos privados. […] La reforma del transporte, tanto en el discurso como en la práctica, no considera el hecho de que el tráfico privado sea el principal causante per cápita de la congestión. Si menos gente viajara en auto privado y más en transporte público (incluyendo colectivos), los tiempos de viaje de todos, en promedio, se reducirían.

A reforma do Sistema de Transporte Público que está sendo implementada pelo governo de Lima é de todo jeito necessária e se eles a executarem conforme planejado, será uma das principais conquistas da atual administração. Em primeiro lugar, a reforma corre o risco de se regular mais o transporte não privado (transporte público e táxis), sem atingir a grande causa dos congestionamentos: veículos particulares. […] A reforma, tanto em discurso quanto em prática, não considera o fato que o tráfico de veículos privados é a principal causa dos congestionamentos. Se mais pessoas usassem o transporte público ao invés de seus carros, o tempo médio de viagem seria reduzido para todos. 

O blog Munay descreveu como é uma corrida [es] em uma das Coasters de Lima:

Nos encontramos en un espacio reducido y la única situación que deseamos controlar es la de encontrar un asiento. Estamos alertas ante cualquier movimiento y todos se abalanzan ante la inesperada desocupación de un espacio, que lamentablemente no será para ti si es que no estás alerta. Es una lucha constante.

Nós nos encontramos em um espaço reduzido e a única situação que queremos controlar é de encontrar um lugar para sentar. Nós prestamos atenção em qualquer movimento e todo mundo salta depois que um espaço é desocupado inesperadamente. Ele infelizmente não será para você, se estiver distraído. É uma luta constante.

Em uma pesquisa realizada [es] entre 4 e 8 de abril de 2014, 47% dos moradores de Lima [es] considerara o transporte público ruim e outros 36% acham que é apenas satisfatório. Setenta e cinco por cento acha que o governo da cidade não fez nada [es] para melhorar o serviço. No Twitter, as opiniões variam:

O próximo cobrador de combi que me perguntar, Você vem?, eu corto a língua com alicate enferrujado.

Combis geralmente são ocupadas por suas pessoas: o motorista e o cobrador, que recebe o pagamentos dos passageiros e anuncia a rota gritando. Outros tweets mencionam a alta taxa de acidentes causadas por esses veículos:

Aos 40, é como um milagre eu ainda estar vivo com tantas combis assassinas à solta. :/

O transporte público de Combi foi responsável por um novo acidente nas ruas da região metropolitana de Lima.

Uma combi devendo S/.38.000 (US$13,600) em multas bateu em um caminhão, deixando 13 passageiros feridos.

O conhecido jornalista Beto Ortiz tuítou:

Em Lima, dá no mesmo usar uma combi ou se próprio carro. Você estará preso no trânsito de qualquer jeito. Você dirige a 10km/h. 50 minutos de  J.Prado a Larcomar!

Talvez o cartunista Andrés Edery [es] foi quem melhor descreveu a situação:

- Onde você enxerga uma “descuidada corrida para pegar um passageiro”, nós vemos “competição livre”. – Essas são as regras do mercado.

Tradução editada por Débora Medeiros como parte do projeto Global Voices Lingua