Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Caribe: A Escrita e Política de Gabriel García Márquez

A fraternidade literária está apenas começando a se adaptar à idéia de vida sem “Gabo” – o inimitável escritor nascido na Colômbia que era amado pelo mundo – Gabriel García Márquez, que faleceu quinta-feira passada na Cidade do México.

Prêmio Nobel da Literatura em 1982, García Márquez deixou uma profunda impressão em leitores e aspirantes a escritores, com romances como Cem Anos de Solidão e O Amor nos Tempos do Cólera. Desde que sua morte foi anunciada, muitos internautas caribenhos têm expressado sua tristeza no Facebook, enquanto outros – principalmente com laços com Cuba – levaram a blogosfera para discutir a passagem de García Márquez.

Havana Times publicou um post em profundidade sobre a vida do autor, inclusive sobre sua polêmica amizade com Fidel Castro:

The death of García Marquez, the father of the literary genre known as ‘magical realism’ leaves a huge void. ‘Gabo’ was one of last great survivors of the 1960s and 70s “boom” of Latin American literature.

García Marquez was born on March 6, 1927 in Aracataca, a city in the northern Colombian department of Magdalena. His childhood experiences in this banana plantation town were inspiration for his work. [He] is survived by his wife of a lifetime, Mercedes Barcha…and his sons.

Gabo, as he was also called, was a journalist, screenwriter, short story writer and novelist, socialist sympathizer and close friend of Cuban revolutionary leader Fidel Castro.

His relationship with the Cuban leader earned him criticism in the literary and political world.

A morte de García Márquez, o pai do gênero literário conhecido como “realismo fantástico” deixa um enorme vazio. “Gabo” era um dos últimos grandes sobreviventes do “boom” da literatura latino-americana dos anos 1960 e 1970.

García Márquez nasceu em 6 de março de 1927 em Aracataca, uma cidade do departamento colombiano nortista de Magdalena. Suas experiências de infância nessa cidade bananeira foram inspiração para seu trabalho. [Ele] deixa sua esposa de toda a vida, Mercedes Barcha … e seus filhos.

Gabo, como também era chamado, era jornalista, roteirista, contista e romancista, simpatizante do socialismo e amigo próximo do líder revolucionário cubano Fidel Castro.

Seu relacionamento com o líder cubano lhe rendeu críticas no mundo literário e político.

Em um post subsequente, o blog se concentrou no alegado papel do autor na história dos Cinco Cubanos. O blog da diáspora cubana Babalu foi impiedoso em sua crítica da aliança Gabo-Castro:

The Colombian novelist…lambasted Latin American dictators constantly, especially those who ruled through military juntas, yet he praised the one tyrant who raised oppression and the art of military dictatorship to new heights.

O escritor colombiano… achincalhou ditadores latino-americanos constantemente, especialmente aqueles que governavam através de juntas militares, e ainda assim aplaudiu o tirano que ergueu a opressão e a arte da ditadura militar a novos patamares.

The late Gabriel García Márquez, image by Ver en vivo En Directo, used under a CC license.

O falecido Gabriel García Márquez, imagem de Ver en vivo En Directo, sobThe late Gabriel García Márquez, image by Ver en vivo En Directo, sob licença CC.

 

Capitol Hill Cubans foi mais comedido, elogiando o talento e as realizações, mas ecoando o mesmo argumento quando se trata de sua política:

Nobel laureate Gabriel Garcia Marquez, 87, died last night at his home in Mexico City.

Known as ‘Gabo’, he was one of the most popular and talented Latin American novelists of our time. His writings include…Chronicle of a Death Foretold and Autumn of the Patriarch, both with strong political undertones and stinging critiques of Latin American dictators.

Unfortunately, Gabo's criticism spared dictators of the left.

His intimate friendship with Latin America's longest-serving, deadliest and only totalitarian dictator, Cuba's Fidel Castro, was legendary.

Throughout his life, Gabo's condemnation of dictators always stopped short of Havana, where he was provided a home with all of the privileges and luxuries denied to ordinary Cubans.

His double-standard became emblematic. It is practiced today by some of Latin America's leaders, including Brazilian President Dilma Rousseff, Chilean President Michelle Bachelet and Uruguayan President Jose Mujica — all of whom were once themselves victims of military dictatorships and scorned those who coddled their repressors.

Yet inconceivably, these Latin American leaders now coddle the sole remaining military dictatorship of the Americas.

Goodbye Gabo.

May your literary legacy live forever.

But close an unfortunate chapter in Latin America's ideological double-standard.

O Prêmio Nobel Gabriel García Márquez, 87, morreu ontem à noite em sua casa na Cidade do México.

Conhecido como ‘Gabo’, ele foi um dos romancistas latino-americanos mais populares e talentosos de nosso tempo. Seus escritos incluem… “Crônica de uma Morte Anunciada” e “O Outono do Patriarca”, ambos com fortes conotações políticas e duras críticas a ditadores latino-americanos.

Infelizmente, a crítica de Gabo poupou ditadores à esquerda.

Sua amizade íntima com o ditador mais duradouro, mais letal e o único totalitário da América Latina, o Fidel Castro de Cuba, foi legendária.

Ao longo de sua vida, a condenação aos ditadores de Gabo sempre parou perto de Havana, onde lhe foi fornecido um lar com todos os privilégios e luxos negados aos cubanos comuns.

Seu duplo padrão se tornou emblemático. É praticada hoje por alguns líderes da América Latina, incluindo a presidenta brasileira Dilma Rousseff, a presidenta chilena Michelle Bachelet e o presidente uruguaio José Mujica – todos eles que foram um dia vítimas de ditaduras militares e desprezavam aqueles que protegiam seus repressores.

Contudo, inconcebivelmente, esses líderes latino-americanos agora protegem a única ditadura militar restante das Américas.

Adeus Gabo.

Que o seu legado literário viva para sempre.

Mas encerre um infeliz capítulo do duplo padrão ideológico da América Latina.

Blogando de Trinidad e Tobago, Kris Rampersad falou sobre o legado literário de García Márquez:

Gabriel Garcia Marquez influenced us in more ways than we cared to know. His literary genre of magic realism became a medium for writers and artists of the post colonial world trying to grapple with and articulate the experiences of becoming independent in the post colonial world … trying to seize the magic of the moment full with hope and longing in being architects of our own destiny yet fighting off the realism of potential failure from inherited weaknesses of colonial mentality and frailty of humans especially in the face of new found power; the failure of the dream of independence that ranged from corruption of the American dream as well as the still birth of our dreaming into being our ideal post colonial societies.

Gabriel García Márquez nos influenciou de mais maneiras do que podemos perceber. Seu gênero literário de realismo mágico tornou-se uma linguagem comum para escritores e artistas do mundo pós-colonial tentando lidar e articular as experiências de se tornar independente no mundo pós-colonial… tentando aproveitar a magia do momento cheios de esperança e ansiedade, sendo arquitetos do próprio destino, mas lutando contra o realismo do potencial fracasso devido a fraquezas herdadas da mentalidade colonial e da fragilidade humana, especialmente diante de poder recém adquirido; o fracasso do sonho de independência que variou da corrupção do sonho americano como do nosso sonho natimorto de sermos nossos ideais de sociedades pós-coloniais.

Ela mesmo inverteu a discussão sobre a política do autor, dizendo:

If only the political world read more they probably have worked harder to shape a better world driven by the conscience of the likes of Marquez. RIP.

Se apenas o mundo político lesse mais, eles provavelmente trabalhariam mais para criar um mundo melhor, dirigido pela consciência daqueles como Márquez. Descanse em paz.

A imagem usada neste post é de Ver en vivo En Directo, usada sob a licença Attribution-ShareAlike 2.0 Generic Creative Commons. Visite Ver en vivo En Directo's flickr photostream.

O thumbnail é de Ross Angus, usado sob uma  licença Attribution 2.0 Generic Creative Commons. Visite Ross Angus’ flickr photostream.