Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

FOTOS: Humanos de Portugal

Acompanhando a tendência mundial de partilhar retratos e histórias de humanos de todos os cantos do mundo, inspirada pelo projecto Humans of New York [en] (HONY) começado por Brandon Stanton em 2010, Portugal tem também pessoas de várias cidades de todo o país representadas em diferentes colecções no Facebook.

Pelo terceiro ano consecutivo, este país de cerca de 10,5 milhões de habitantes (de acordo com dados de 2012) viu a sua população diminuir. Em 2012 não só houve mais mortes que nascimentos mas também o número de emigrantes atingiu um pico que não era visto desde a década de 1960. Estimativas de 2010 apontam para quase 5 milhões de portugueses a viver fora do país.

Vamos conhecer alguns dos rostos destes humanos que ficaram ou que estão de passagem por Portugal.

 Fotografia de uma manifestação anti-austeridade (Março de 2013) partilhada por Humans of Lisbon. © Jsl Photography

Fotografia de uma manifestação anti-austeridade (Março de 2013) partilhada por Humans of Lisbon. © Jsl Photography

“A revolução não acontece quando a sociedade adopta novas tecnologias, acontece quando a sociedade adopta novos comportamentos”. A citação, de Clay Shirky, surge na revista Bastart, numa entrevista [en] com João Sá Leão que criou a página Humans of Lisbon [en] no Facebook em Maio de 2012. João descreve o cenário que o inspirou a cartografar as histórias de Lisboa:

Just imagine. One day, we might have a brand new world map. When clicked on any city, we would see its people: the ones that live there as well as those that are just passing by. A totally different way of ‘surfing’ a city…

Imagina. Um dia podíamos ter um mapa-mundo completamente novo. Quando clicássemos numa cidade qualquer, veríamos as suas gentes: os que vivem lá e os que estão só de passagem. Uma maneira completamente diferente de “navegar” numa cidade…

"Hoje apresento-vos a Maria Isabel.Costumo vê-la [Maria Isabel] de manhã no café 'Floresta de Madrid' na Av. de Madrid, a ler o jornal ou a fumar um cigarro... antes de começar outra jornada." © Jsl Photography

“Costumo vê-la [Maria Isabel] de manhã no café ‘Floresta de Madrid’ na Av. de Madrid, a ler o jornal ou a fumar um cigarro… antes de começar outra jornada.” © Jsl Photography

Uma das histórias mais tocantes da página Humans of Lisbon (que já tem mais de 3.200 ‘likes’) é a de Maria Isabel, uma mulher com quem o fotógrafo se cruza todos os dias a caminho e no regresso do trabalho. Por vezes conversam um pouco quando João pára o carro no semáforo:

… after many meetings in the traffic lights, she no longer speaks of charity or church but about the government, the weather, asks for my children, complaining that a tooth it´s hurting her… etc … until the light turned green and someone honk, and I have to leave … but tomorrow we meet again.

Today I finally parked the car and offer her breakfast and a little conversation, with no rush.
She remembers the name of my children as often greets from my car window … although sometimes she switch them … in the end I got to know her name and she mine.

Still had time to talk about the crisis and the political … “even the New York Times speaks against Portugal …”, “…This crisis doesn´t help… people offer less or nothing, but some days are better then others…”, she said.

Some days the sun is so hot but she still stays there waiting for some charity…. but from my car I see others closing their windows as she approaches, as if she would harm them…. sad to reach this age and people still close-in the “door”!

If you see her…. do not close your window….. just be nice!

…depois de muitos encontros nos semáforos, ela já não fala de caridade nem da igreja mas sobre o governo, o estado do tempo, pergunta pelos meus filhos, queixa-se de um dente que lhe dói… etc… até que o sinal fica verde e alguém buzina e eu tenho que ir embora… mas amanhã encontramo-nos outra vez.

Hoje finalmente estacionei o carro e ofereci-lhe o pequeno-almoço e alguma conversa, sem pressa. Ela lembra-se dos nomes dos meus filhos porque costuma dizer-lhes olá pela janela do carro… embora às vezes os troque… acabei por saber o nome dela e ela o meu.

Ainda tivemos tempo de falar da crise e de política… “até o New York Times fala contra Portugal…”, “…Esta crise não ajuda… as pessoas dão menos ou nada, mas uns dias são melhores que outros…”, disse ela.

Às vezes o sol ferve, mas ela fica na mesma por lá, à espera de alguma caridade… mas do meu carro vejo que outros fecham as janelas quando ela se aproxima, como se lhes fosse fazer mal… é triste chegar a esta idade e as pessoas ainda fecham a “porta”!

Se a virem… não fechem a janela… sejam simpáticos!

“O amolador, que antigamente também reparava guarda-chuvas, é um comerciante ambulante que se desloca numa bicibleta ou motocicleta para oferecer os seus serviços de amolar facas, tesouras e outros instrumentos de corte.“ © Jsl - Photography

“O amolador, que antigamente também reparava guarda-chuvas, é um comerciante ambulante que se desloca numa bicicleta ou motocicleta para oferecer os seus serviços de amolar facas, tesouras e outros instrumentos de corte.” No Inatel / Alvalade. Foto: © Jsl – Photography

"O meu nome é José Reis e sou de Cabo Verde. Trago sempre comigo este crucifixo para me proteger."

“O meu nome é José Reis e sou de Cabo Verde. Trago sempre comigo este crucifixo para me proteger.” A imagem foi publicada numa outra página de Facebook “Humans of Lisbon”, criada em Dezembro de 2013 e com 657 ‘likes’ no momento da publicação deste artigo em português.

Criada a 1 de Novembro de 2013, a página de Facebook Humans of Porto já tem mais de 2.000 ‘likes’. A primeira fotografia, tirada nas ruas da segunda maior cidade de Portugal, é a de “uma mulher muito especial na Ribeira” que “vende castanhas, pipocas, tremoços, azeitonas… o que for preciso, quando for preciso”.

Há uma mulher muito especial que passa a sua vida na Ribeira. Lá, ela vende castanhas, pipocas, tremoços, azeitonas... o que for preciso, quando for preciso. “Se sabia que ia ser fotografada tinha trazido os meus brincos. Mas não há problema porque a verdadeira beleza está no interior”, diz. De qualquer forma, não deixa de nos mostrar o seu chapéu, igualmente especial. “Este chapéu foi-me dado pela Rainha Beatriz da Holanda!”, diz ela, orgulhosa.

“Se sabia que ia ser fotografada tinha trazido os meus brincos. Mas não há problema porque a verdadeira beleza está no interior”, diz. De qualquer forma, não deixa de nos mostrar o seu chapéu, igualmente especial. “Este chapéu foi-me dado pela Rainha Beatriz da Holanda!”, diz ela, orgulhosa. Foto: Erge Sonn

A página “Humanos do Porto” é gerida por uma equipa feminina composta por uma videógrafa, uma jornalista e uma fotógrafa, que afirmam a sua missão de:

captar a essência do Porto e das almas que compõem o caleidoscópio deste maravilhoso lugar. 

“A arte é uma maneira honesta de ganhar a vida”. É este o lema de Sérgio, um artista que conhecemos em Santa Catarina e que decidiu abrir uma excepção (ele nunca aceitou entrevistas) e falar um pouco connosco. Durante a conversa ele confessou que também expõe o seu trabalho em galerias, mas é nas ruas que prefere estar.

“A arte é uma maneira honesta de ganhar a vida”. É este o lema de Sérgio, um artista que conhecemos em Santa Catarina e que decidiu abrir uma excepção (ele nunca aceitou entrevistas) e falar um pouco connosco. Durante a conversa ele confessou que também expõe o seu trabalho em galerias, mas é nas ruas que prefere estar. Foto: Erge Sonn

Elas procuram sempre captar as histórias de vida por trás dos retratos como o de Sérgio, que se apresentou assim:

Sou auto-didacta. O meu pai queria que eu fosse para Belas Artes mas eu nunca quis. Decidi aprender sozinho e nas ruas porque aqui podes aprender coisas novas todos os dias e aprendes com todas as pessoas que conheces.

“Filmem-me e metam na Internet. Quero ser uma estrela do Youtube

“Filmem-me e metam na Internet. Quero ser uma estrela do Youtube”. Este ucraniano já foi um conhecido pugilista na União Soviética, mas agora toca para sobreviver, entretendo os turistas perto da Sé. Foto: Erge Sonn

Também há fotografias dos Humanos dos Açores, uma das duas regiões autónomas de Portugal, composta por nove ilhas vulcânicas situadas no Atlântico Norte.

Um humano do arquipélago dos Açores conduz uma motocicleta peculiar. Foto: Cristian Rodríguez

Um humano do arquipélago dos Açores conduz uma motocicleta peculiar. Foto: Cristian Rodríguez

Um passeio açoriano. Foto tirada em Roncha de Relva por Paula Rodilla.

Um passeio açoriano. Foto tirada em Roncha de Relva por Paula Rodilla.

A página Humans of Coimbra tem muitas fotografias que mostram a vida de estudante e as tradições académicas na cidade, e o projecto Humans of Setúbal também mostra as pessoas pela cidade, mas ambos partilham as suas fotos sem quaisquer histórias. O mesmo acontece com a página Humans of Almada, composta principalmente por fotografias de paisagens. O projecto Humans of Cascais foi criado no passado mês de Outubro mas até agora apenas partilhou algumas fotos.

Conheces outros projectos “Humanos de…/Humans of…” em Portugal? Partilha-os connosco na secção de comentários abaixo!