Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Movimentos sociais reúnem-se em debate sobre as grandes manifestações em Portugal

Para que servem as grandes manifestações?” Uma pergunta que muitos portugueses repetem no actual contexto de “crise” e “austeridade”, e que o Laboratório da Democracia da Academia Cidadã lança como repto para um “debate informal sobre a ocupação do espaço público com manifestações de larga escala” em Portugal:

O que muda no país quando centenas de milhares de pessoas se manifestam? Serve de alguma coisa dizer apenas que o caminho “não é por aí”? Se os políticos não ouvem de que serve perder um dia a gritar? E que alternativas e propostas têm os protestantes? Quem organiza as manifestações deve ser responsabilizado pela situações de violência? Ou a violência é a resposta possível ao estado a que chegámos? A polícia tem agentes infiltrados a criar agitação? 

Com o objectivo de “ajudar a criar alternativas políticas, económicas e sociais à austeridade”, o debate, moderado pela jornalista São José Almeida, contará com a participação de membros dos principais colectivos que têm mobilizado protestos massivos nos últimos anos em Portugal. Desde o Protesto da Geração à Rasca que iniciou o Movimento 12 de Março em 2011, à Plataforma 15 Outubro, e ao Que se Lixe a Troika!, e contando também com a presença da Intersindical Nacional CGTP, na mesa estarão as “derrotas, conquistas e desafios para as formas de contestação da actualidade”.

evento vai tomar lugar no dia 14 de Novembro de 2013, pelas 21h locais, na Sala da Nação – Embaixada de Terra Nenhuma da Trienal de Arquitectura de Lisboa. Haverá transmissão em directo via internet. Várias actividades estão programadas até ao dia 16 de Novembro.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.