Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Portugal: Uma narrativa digital entre comidas, crise e território

Captura de tela do website mundomouraria.com - "Devolvendo a arquitetura ao estar no mundo"

“Devolvendo a arquitetura ao estar no mundo” — Captura de tela do website MundoMouraria.com (também no Facebook).

O histórico bairro da Mouraria, em Lisboa, Portugal, agora pode ser explorado através do inovador web-documentário Mundo Mouraria. Seguindo uma narrativa verdadeiramente digital, o documentário apresenta um mapa para que visitantes derivem pelas ruas, pelos sons e pelos sabores da Mouraria, ao mesmo tempo em que podem conhecer as histórias de seis moradores do local. No resumo, lê-se:

Eis um palmo de interrogações: O que significa habitar? Como dialogam espaço e soluções para a vida do aqui e do agora (a “crise”)?

Miloca, Joaquim e Nina são a geografia humana do sonho. Ou melhor, são evidência: a geografia é (também) sonho e o espaço de hoje é já alimentado – sentido literal – pelas aspirações de um futuro. Uma Guiné clandestina, uma América Latina para salmos, um Portugal com autoemprego.

Lição preciosa nos ensinam Rita e Leader: Preservar é reinventar. A linguagem, o trabalho, os saberes, os saberes transformados em sabores.

Salvino é geografia-memória. Todos os galegos da sua geração já partiram ou morreram. Ele aqui está para nos olhar de frente no pretérito presentificado do “havia”, do “vinha”, do “tinha” que são uma prova histórica de existência.

E a vida sempre surpreende o roteiro: Mundo Mouraria, leia-se mundos, mourarias. A mundialização a cada esquina, nas respostas locais a desafios que estão para lá, algures no indefinido global.

Mundo Mouraria foi lançado em 15 de outubro de 2013 na Trienal de Arquitectura de Lisboa e marca a estreia da produtora cooperativa Bagabaga Studios. Paulo Querido, figura de destaque do jornalismo online de Portugal, descreveu esta narrativa multimídia como “pioneira na história do jornalismo português”.