Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Apresentando nossa mais nova seção: “The Bridge”

Some of the people whose work you'll be reading on "The Bridge", starting October 10.

Algumas das pessoas cujos textos você lerá na seção “The Bridge”, a partir de outubro.

Em julho do ano passado, durante a Cúpula de Mídia Cidadã do Global Voices [en] em Nairóbi, Aparna Ray [en] e Nwachukwu Egbunike [en] postaram-se diante do público na sala longa e estreita do prédio que havíamos batizado de Casa Girafa e perguntaram o seguinte: “e se nós expandíssemos os artigos no Global Voices para incluir conteúdo ‘original'?”

Bem no estilo Global Voices de ser, de suas casas em Calcutá, na Índia, e Ibadan, na Nigéria, Aparna e Nwach já co-lideravam um grupo de trabalho virtual pré-Cúpula, explorando a ideia de ir além do nosso tradicional estilo de reportagem “neutra”. Para uma sala cheia de colaboradores do Global Voices, provenientes de 60 países, a pergunta feita pelos dois era uma provocação. 

Ao longo dos quase nove anos de existência do Global Voices, temos o orgulho de ser curadores e facilitadores da mídia cidadã global, tomando cuidado para cobrir da maneira mais fiel possível as atividades de cidadãos online. Nosso compromisso com a neutralidade trouxe-nos o respeito de jornalistas e pesquisadores, bem como a reputação de ser uma fonte confiável. Não era claro que isto deveria ser preservado? 

“Neutralidade— o que é isso?”, brincaram alguns dos indivíduos que se encontravam na sala. Outros achavam que um elemento mais pessoal poderia enriquecer nossa cobertura. Em sua apresentação, Nwach e Aparna apontaram para a dificuldade em escrever artigos em torno da mídia cidadã ou da repercussão nas redes sociais, quando os eventos se desenrolavam a uma velocidade desnorteadora. Talvez este novo estilo de escrita pudesse nos ajudar a reagir com mais rapidez aos acontecimentos. Outros se preocupavam com os blogueiros em todo o mundo: ao fazer uma mudança como esta, nós não os estaríamos abandonando?

Ao fim do longo debate, começavam a surgir os contornos de uma decisão, a ser confirmada semanas mais tarde através de uma pesquisa que circulou por toda a comunidade do Global Voices. Poderíamos criar um novo tipo de artigo no Global Voices, marcado de maneira clara, que o distinguisse dos outros conteúdos no site, em uma seção própria. 

No dia 10 de outubro, finalmente lançamos esta nova seção [en]. Nós a batizamos de “The Bridge” [en] (A Ponte). 

Por que “A Ponte”? Como qualquer pessoa querendo criar algo novo—um gadget, uma startup, um bebê Kardashian [NT: Kim Kardashian batizou sua filha de North West]—sabe, encontrar um bom nome é algo difícil, apesar de às vezes a melhor alternativa estar bem debaixo do seu nariz. Quando “The Bridge” surgiu na torrente de nomes sugeridos pela nossa comunidade, aqueles que estão com o Global Voices já há algum tempo deram um tapa na própria testa e disseram: “Bom—é lógico.”

Pontes conectam lugares, é claro, tornando possível a comunicação e a passagem de pessoas e ideias, mas a palavra “bridge” também possui um eco profundo na história do Global Voices. Durante o primeiro encontro do Global Voices em Cambridge, Massachusetts, no ano de 2004, o blogueiro iraniano Hossein “Hoder” Derakhshan cunhou o termo “bridge blogger” para descrever um tipo de pessoa que estava surgindo no interior da então nascente blogosfera internacional. Um bridge blogger [en] escreve para um público global, ajudando os leitores a entender seu lugar de origem em toda a sua caótica complexidade.

Não há nenhuma escassez de ensaios pessoais, opiniões e comentários na web e nós não acrescentaríamos ainda mais textos a esse estoque, se não sentíssemos que podemos oferecer algo valioso. Uma das características únicas do Global Voices é a quantidade impressionante de países representados na nossa comunidade [en]— países onde a maioria dos nossos colaboradores nasceu e onde eles continuam a viver e a trabalhar. Acreditamos que, mais do que nunca, há uma necessidade de histórias bem contadas sobre localidades e comunidades que não são representadas adequadamente pela mídia tradicional. Através de “The Bridge”, buscamos trazer para você ideias e conversações de pessoas com um papel genuíno nas histórias que elas estão contando —histórias que esperamos irão lhe surpreender e agradar.

Com isto, nós lhe damos as boas-vindas à seção “The Bridge”, do Global Voices.