Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Presidente boliviano Evo Morales versus a CNN: Uma entrevista polémica

O presidente boliviano Evo Morales gosta de manter a sua distância da rede televisiva internacional CNN. O presidente Morales, um líder esquerdista camponês que governa o país desde 2006, acusou a CNN de ser “a portavoz do imperialismo” na região.

No entanto, Ismael Cala [es], um popular apresentador de TV do canal de língua espanhola da rede CNN en Español [es], conseguiu de alguma forma arranjar uma entrevista com o presidente Morales.

A opinião pública ficou dividida depois da entrevista que foi transmitida a 13 de Agosto de 2013.

Inicialmente marcada para 8 de Agosto de 2013, a entrevista foi inesperadamente cancelada em cima da hora. Cala havia já chegado ao Palácio Presidencial em La Paz, capital da Bolívia:

Há cerca de três meses a minha equipa organisou uma entrevista exclusiva com o presidente Morales para o dia 8 de Agosto. Foi confirmada. Viajámos até lá e no Palácio [a entrevista] foi cancelada.

Mais tarde nesse mesmo dia, Cala afirmou aos meios de comunicação social locais que “na [sua] carreira, [ele jamais arranjaria] de novo uma reunião com o presidente Evo Morales”.

A sua declaração provocou uma reacção pública [es] do presidente Morales:

“A veces usan nuestro nombre para figurar en los medios de comunicación como ese señor Cala, habría que averiguar de dónde viene y porque se escapó de Cuba […] que actitud tan cobarde la de ese periodista”.

Por vezes usam o nosso nome para aparecer nos  meios de comunicação social, como fez o Sr. Cala. Teremos de averiguar de onde ele vem e por que fugiu de Cuba. […] Que atitude tão cobarde tem esse jornalista!

O presidente Morales explicou também porque a entrevista foi inicialmente cancelada:

“Porque yo he suspendido una entrevista quejándose publicamente, a mi no me pueden obligar a hablar en cualquier medio de comunicación, quiero que sepan compañeros porque suspendí la entrevista, cuando nos entrevistan ese periodista quería editar, entonces cuando editan, direccionan a su antojo”

Queixar-se publicamente por eu ter cancelado uma entrevista… Não me podem obrigar a falar com quaisquer meios de comunicação. Quero que saibam porque cancelei a entrevista: no final da entrevista, esse jornalista queria editá-la. Quando eles editam, eles alteram o sentido como querem.

Apesar das muitas voltas e reviravoltas, a entrevista teve eventualmente lugar a 10 de Agosto e foi transmitida a 13 de Agosto, durante o programa do horário nobre Cala na CNN en Español (o programa pode ser visto na íntegra por via deste link [es]).

Foto do presidente Evo Morales e do apresentador da CNN Ismael Cala, partilhada no Twitter por @CNNEPrensa

Os meios de comunicação social nacionais seguiram a entrevista de perto e partilharam fragmentos durante os programas da noite. A CNN só está disponível aos clientes de televisão por cabo, que alcança cerca de 25% dos lares bolivianos, segundo uma sondagem recente. Não obstante, os internautas bolivianos estiveram muito activos e fizeram comentários nas redes sociais durante e após o programa televisivo.

A primeira parte da entrevista decorreu de forma bastante tensa, com o presidente Morales visivelmente irritatado e o Sr. Cala tentando defender-se. Com o decorrer do programa, a tensão diminuiu e as questões fluíram mais suavemente no sentido de tópicos de interesse nacional e temas não polémicos.

Os internautas da América Latina dividiram-se nas suas opiniões a seguir ao programa.

Para uns, como o blogger Esteban Morales, a entrevista foi uma oportunidade perdida pelo presidente Morales para mostrar uma imagem diferente na região. Ele afirma no seu blog [es]:

Más allá del libreto repetitivo del discurso oficial, por el que no nos hemos enterado de absolutamente nada nuevo, hubo algo que me ha llamado poderosamente la atención. Evo estuvo, desde el principio hasta el final de la entrevista, a la defensiva. Pasivo agresivo a ratos, quiso quince minutos después de iniciada la entrevista ganar la posición dominante – demasiado tarde, una entrevista no es como el fútbol, o se gana la mano superior desde el arranque o se está condenado – y, aunque Cala fue muy respetuoso incluso cuando fue insultado por su entrevistado, el Presidente dio la sensación permanente de comportarse como un niño caprichoso, fatigado, impaciente y dispuesto a patear el tablero en cualquier momento. Su lenguaje corporal fue especialmente elocuente: incómodo, cambiando de postura en una silla que parecía muy dura, con señales claras de agotamiento.

Para além do guião repetitivo do discurso oficial, a partir do qual não ficámos a saber nada de novo, houve algo que prendeu a minha atenção. Do ínicio ao fim da entrevista, Evo tomou uma posição defensiva. Por vezes passivo-agressivo, ele quis ganhar a posição dominante quinze  minutos depois do início da entrevista – demasiado tarde, uma entrevista não é como um jogo de futebol, ou se sai na frente desde o começo ou se está condenado – e, ainda que Cala tenha sido muito cortês mesmo quando foi insultado, o presidente passou constantemente a sensação de estar a comportar-se como uma criança impertinente: cansado, impaciente e pronto a desistir a qualquer momento. A sua linguagem corporal foi particularmente eloquente: desconfortável, mudando de posição numa cadeira aparentemente incómoda, com sinais claros de exaustão.

Por outro lado, muitos blogs tais como La Voz de San Joaquin vêem a entrevista a partir de um ângulo diferente [es]:

La televisora norteamericana CNN en español, bautizada como Cadena Más Mentirosa (CMM), quedó en ridículo en entrevista que le realizó al presidente de Bolivia, Evo Morales, quien obligó a su interlocutor Ismael Cala a no poder manipularlo, como acostumbra a hacer ese medio de prensa. […]
[Evo Morales] expresó además claramente que la citada televisora siempre ha representado los intereses imperialistas de Washington, no solo en Latinoamérica, sino internacionalmente.

A estação americana CNN en Español, baptizada como “O Canal Mais Mentiroso”, foi ridicularizada na entrevista com o presidente da Bolívia, Evo Morales, que não permitiu ao seu interlocutor Ismael Cala a manipulação do programa, como essa rede de comunicação tende a fazer. […]
[Evo Morales] afirmou também claramente que o canal de televisão tem sempre representado os interesses imperialistas de Washington, não apenas na América Latina mas também internacionalmente.

Numa posição bastante menos militante, o usuário do Twitter Andrei Millán (@AndreiMillan) [es] apoia o presidente Morales:

Entrevista interessante do Cala ao Evo Morales, que age com grande suspeita contra os meios de comunicação social americanos, e com razão.

Alguns elogiam a paciência e moderação de Cala, enquanto outros celebram a determinação e autoridade de Morales contra os meios de comunicação social “imperialistas”.

No entanto, a jornalista boliviana Mery Vaca (@meryvaca) [es] defende o que poderá reflectir a percepção geral após o programa:

Evo e Cala: Dois egos desse tamanho não cabem num ecrã tão pequeno como o da TV.

A revisão deste post em Inglês foi feita por Georgi McCarthy.

Tradução editada por Débora Medeiros como parte do projeto Global Voices Lingua