Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

“Com vandalismo”: documentário mostra lado das ruas nos protestos do Brasil

Este post faz parte da nossa cobertura especial Revolta do Vinagre

Entre os manifestantes de todas as idades e classes sociais que saíram para as ruas de Fortaleza, no Ceará, durante os protestos que tomaram o Brasil de assalto nos últimos meses, estavam quatro jornalistas documentando tudo com suas câmeras na mão. O resultado se tornou o documentário independente “Com vandalismo”, com assinatura do Coletivo Nigéria.

A crise de credibilidade da mídia tradicional junto aos manifestantes, fez com que a narrativa da mídia de massa fosse obrigada a abrir espaço para a “massa de mídias”. Junto com as transmissões ao vivo da Mídia Ninja, os vídeos que documentaram ações ao vivo, se tornaram a linguagem oficial das ruas de norte a sul. Porém, poucos foram capazes de sintetizar o espírito diverso dos protestos como “Com vandalismo”.

Cartaz do documentário Com Vandalismo na página de Facebook do Coletivo Nigéria.

Cartaz do documentário Com Vandalismo na página de Facebook do Coletivo Nigéria.

Através de imagens pouco editadas e com grandes sequências, o filme aborda o discurso da mídia tradicional, que dividiu os manifestantes entre pacifistas e vândalos, e vai na contramão, retratando as causas das ações mais do que as consequências. O desafio lançado logo de início é “qual a motivação para a desobediência civil?”.

Apesar de ilustrar somente fatos ocorridos em Fortaleza entre os meses de junho e julho, o documentário serve como retrato do panorama geral sobre os protestos em todo o Brasil. O filme acompanha a evolução das manifestações, que começaram em protesto pelo atraso na entrega das carteiras estudantis, e logo evoluíram para reivindicações maiores ligadas a educação, saúde pública e política. Assim como em outros lugares, quanto mais adesão ganhavam, mais confusas e divididas as manifestações se tornavam.

Enquanto a imprensa e a polícia apontam vândalos, os cineastas contrapõe um dos gritos comuns dos manifestantes, de que “vândalo é o Estado”, levantando questões como as desapropriações em prol de obras para a copa do mundo, violência por parte da polícia militar, entre outras.

Para a Agência Pública, que já produziu trabalhos em parceria com o grupo, o filme é:

Um relato/reflexão realizado no calor da hora, em que a cronologia dos fatos, a variedade de ângulos e de entrevistados, e a sobriedade dos jornalistas, contribuem para criar um panorama completo das manifestações em Fortaleza, revelador para os que buscam compreender quem é e o que deseja essa juventude que está nas ruas das capitais brasileiras.

Assista, “Com Vandalismo”, aqui: