Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Embargo dos Estados Unidos invade as vidas íntimas dos cubanos

Bloggers cubanos, residentes na ilha e no exterior, realizaram esta semana uma forma de protesto através de posts nos quais relatam as suas experiências sobre o embargo económico imposto a Cuba pelos E.U.A., que já dura há cerca de meio século.

O embargo extende-se “ao interior ou exterior de Cuba, para além do Mediterrâneo e também às Caraíbas”. Com estas palavras, a blogger cubana Sandra Álvarez, autora do blog Negra cubana tenía que ser [es], termina o post [es] dedicado à sua vizinha Mayra, residente cubana, para quem o embargo imposto a Cuba pelo governo dos Estados Unidos é “uma tremenda mentira, um exagero.”

Álvarez, que vive presentemente em Hanover, Alemanha, recorda a sua experiência em Outubro de 2011 na Costa Rica, quando uma bancária a impediu de receber um pagamento devido ao seu passaporte não estar listado “entre as possíveis opções de selecção”.

Segundo a autora, a funcionária confirmou, após ter feito várias chamadas telefónicas, que apenas poderia proceder com o pagamento se o dinheiro estivesse no nome de alguém que não fosse de nacionalidade cubana. “A Western Union é uma companhia Americana e devido ao embargo, o seu país não consta da lista, o seu passaporte não pode ser usado para levantar o dinheiro ainda que esteja no seu nome”.

Foto de Panel Rock, no Flickr, com licença do Creative Commons (CC BY-NC-ND 2.0).

Foto de Panel Rock, no Flickr, com licença do Creative Commons (CC BY-NC-ND 2.0).

La isla rebelde [A Ilha Rebelde, es] confirma o carácter extraterritorial das sanções económicas e alude à recente multa [en] imposta ao banco italiano Intensa Sanpaolo por ter transferido 1.643.326 dólares em 53 transacções processadas para Cuba entre 2004 e 2008.

Arthur González, autor do blog, salienta que este desenvolvimento traz à luz a proposta de Abril de 1960, do então subsecretário de Estado Lester Mallory, publicada pelo Departamento de Estado dos E.U.A. no livro “Foreign Relations USA” (“Relações Estrangeiras dos E.U.A., em tradução livre), estabelecendo que “todo e qualquer método concebível deve ser prontamente utilizado no enfraquecimento da vida económica de Cuba. Negando a Cuba dinheiro e abastecimentos para redução de salários reais e monetários, de forma a causar fome, desespero, e a derrocada do governo”.

No entanto, outros bloggers, como Harold Cárdenas, um dos autores do blog La Joven Cuba [es], afirmam que existe também um “embargo interno” que “é expresso através de proíbições e pontos de vista obsoletos, que nos anos mais recentes parecem estar a desmoronar-se, mas que continuam a ser apoiados por uma burocracia que tenta distorcer ou resistir às mudanças necessárias”.

Para Cárdenas:

Una forma de expresión del bloqueo interno ha sido utilizar a menudo la política de los Estados Unidos hacia Cuba como pretexto para justificar nuestras propias insuficiencias, la mala administración no puede achacarse solo a los condicionamientos externos, mucho tenemos de culpa nosotros mismos pero el chivo expiatorio sigue utilizándose. Lo peor de esto resulta en que al convertir el bloqueo norteamericano en fetiche se provoca que la gente lo ignore, lo descarte y lo olvide, bonito favor a los yanquis.

Uma forma de expressão do embargo interno tem frequentemente sido utilizar as políticas dos Estados Unidos relativamente a Cuba como pretexto para justificar as nossas próprias falhas. Uma administração deficiente não pode ser atribuída somente a condições externas, muita da culpa é nossa, mas um bode expiatório continua a ser usado. O pior de tudo é que ao tornar o embargo norte Americano num fetiche, isto leva a que as pessoas o ignorem, o descartem, e o esqueçam, o que é um grande favor para os Yankees.

O seu post, intitulado La isla de los dos bloqueos [A Ilha dos Dois Embargos, es], foi publicado de novo no blog Aló presidenta do Brasil.

No Facebook, o grupo Cuban Americans for Engagement publicou [es] o pedido feito por Kim Ng, Vice Presidente de Operações na Major League Baseball's (MLB), a Juan Francisco Puello, da Confederação Caribenha, no dia 15 de Julho, para invalidar o regresso de Cuba à Série das Caraíbas, da qual têm estado ausentes desde 1960.

Se Cuba regressasse à próxima temporada da Série das Caraíbas, as ligas mexicana e  venezuelanas teriam de participar sem os jogadores que pertencem à Major League Baseball (MLB), a principal fonte de recurso de jogadores de circuito, publicou o jornal diário dominicano Diario Libre [es].

Segundo o Cuban Americans for Engagement,

Resulta que cuando Cuba toma un paso positivo para acceder al profesionalismo y a un sistema más cercano al mercado en el beisbol, del otro lado quieren cerrar la puerta. A propósito, ¿no dicen los partidarios del embargo, que no hay bloqueo, que lo que defienden solo afecta a las relaciones con EE.UU?

É notório que quando Cuba toma um passo positivo no sentido de aceder ao profissionalismo e a um sistema próximo do mercado de basebol, por outro lado querem fechar a porta. E a propósito, não é dito pelos apoiantes do embargo que este não existe, que o que eles defendem apenas diz respeito às relações com os E.U.A.?

As tensões entre os Estados Unidos e Cuba afectam as vidas de milhões de famílias cubanas. Para a autora do blog La mariposa cubana [es], há embargos que destroem famílias, memórias… e vidas, perdidas a apenas 90 milhas de distância.

Traduzido por Alex Alexandre, tradutora em treinamento.