Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

TEDxSão Tomé: Entrevista com Katya Aragão, idealizadora do evento

O TEDx já passou por países de língua portuguesa como Portugal, Angola e Brasil e chega nesta quinta-feira, dia 20 a São Tomé, ilha de São Tomé e Príncipe, na África. Tecnologia, Entretenimento e Design são as palavras que formam o acrônimo do TED, uma organização privada sem fins lucrativos que criou o formato de palestra chamado TEDx. Com apresentações de 18 minutos que são publicadas na internet, o TEDx reúne pessoas criativas para compartilhar “ideias que merecem ser espalhadas”, como diz o slogan da organização: “ideas worth spreading”, em inglês.

O jornalista, Coordenador das Mídias Sociais para o Global Voices em português e também integrante da equipe TEDxSão Tomé, Mário Lopes, entrevistou a idealizadora do projeto, Katya Aragão.

Global Voices Online (GVO): Como surgiu a ideia de levar o conceito TEDx para São Tomé?

Katya Aragão (KA): Mais do que uma ideia, trazer o formato TEDx para São Tomé e Príncipe era uma necessidade, visto que o país ainda é um segredo muito bem guardado. Por um lado, ainda somos um destino turístico de luxo e estamos protegidos do turismo de massas. Por outro lado, o “desconhecimento” de São Tomé e Príncipe pelo mundo fora é mais um entrave ao desenvolvimento do país, que para além de ter um mercado muito pequeno, sofre de insularidade.

Tendo em conta que o objetivo geral da ONG Galo Cantá, que está a organizar o TEDxSãoTomé, é a promoção de São Tomé e Príncipe, pensamos que a melhor maneira era colocar o país no mapa de uma marca e de um evento global.

GVO: Quais razões estão subjacentes na escolha do tema “Islands Connected : São Tomé + Príncipe = África Connected to the World ” (ilhas conectadas: São Tomé + Príncipe =  África conectada com o mundo ?

KA:  Pelo contexto que se vive atualmente no país: abertura do mercado de telecomunicações, revolução local das tecnologias de informação com a chegada da fibra óptica e Internet 3G. Decidimos apostar na ligação entre as duas ilhas que constituem o Arquipélago, São Tomé e Príncipe, e na ligação entre o país e o continente africano, como também na ligação dos são-tomenses ao mundo.

E é por isso que o nosso tema é “Islands Connected: São Tomé + Príncipe = África connected to the World!” e o nosso slogan “Conecte-se ao Mundo”!

TEDxSão Tomé

Katya Aragão/TEDxSão Tomé/Publicada com permissão

GVO: Qual é o foco central do TEDxSãoTomé  e como o mesmo tem sido interpretado pela população?

KA: O foco central é a aposta nos projetos e ideias com impacto local. O TEDxSãoTomé foi batizado com o nome da capital do país que o acolhe – São Tomé – simbolizando a centralidade, o sentido de partilha alargada e a necessidade de “pensar global e agir localmente”, tendo em vista o desenvolvimento do conceito de amplitude que conecte as ilhas. Portanto, o foco está intrinsecamente ligado ao tema escolhido para este ano: Islands Connected. A ONG Galo Cantá pretende que o TEDxSãoTomé seja uma plataforma de divulgação de ideias e projetos com impacto local, contribuindo para a sua visibilidade, funcionando ainda como ponto de ligação entre empreendedores e idealizadores. Isto é, o encontro entre quem tem uma ideia boa e quem tem meios para a pôr em prática. Para a população são-tomense o TEDxSãoTomé ainda é um conceito novo e desconhecido, mas os são-tomenses perceberam que tem algo a ver com inovação, que é a palavra que mais utilizam para se referirem ao TEDxSãoTomé. Ainda há todo um trabalho de sensibilização a ser feito para que a população perceba de fato a dimensão deste evento. Já temos trabalhado nisso, mas visto que é um programa anual, esperamos gradualmente chegar a todas as mentes de São Tomé e Príncipe.

GVO: Notamos que a equipa é composta por 13 elementos, como se tem desenrolado a comunicação entre os mesmos na concretização deste objectivo comum?

KA: Na verdade somos 12 e a comunicação tem sido incrível. Considero-me uma sortuda por estar a trabalhar com gente que não desiste. Nós estamos unidos por algo, que infelizmente, está em extinção na nossa juventude: esperança! Nós acreditamos em nós mesmos, acreditamos na força da juventude e acreditamos em São Tomé e Príncipe.

GVO: Denotamos que além de oradores nacionais, a existência de oradores oriundos de diversos cantos do mundo, desde Mark  Shuttleworth de Africa de Sul até Bob Drewes dos E.U.A. qual é o elo de ligação entre os oradores convidados?

KA: O grande elo de ligação é São Tomé e Príncipe. Tanto o Mark Shuttleworth como o Bob Drewes têm um grande amor pelo país. O Mark é um dos maiores investidores no país, com um interesse especial pela Ilha do Príncipe. O Bob tem vindo a fazer um trabalho brilhante nas duas ilhas a nível de pesquisa da biodiversidade. Já vem ao país há cerca de 13 anos.

GVO: Que impacto julga que um evento deste porte poderá ter na sociedade santomense a curto ou longo prazo?

KA: Visto que a nossa plateia terá jovens empreendedores e empresários, a curto prazo pode acontecer durante o networking entre convidados e oradores e entre convidados e convidados. Parcerias para desenvolvimento de projetos interessantes, pessoas que tudo o que precisavam era de ouvir uma experiência interessante para se descobrirem, etc. A longo prazo o impacto é ainda maior, pois fica aberta a janela para que se construam grandes ideias e fica o conceito de que se deve espalhá-las através de plataformas, para que possam ser discutidas e assim passem a ser importantes para as pessoas. E claro, outro impacto a longo prazo é o aumento das visitas (de investidores e turistas) a São Tomé e Príncipe e até mesmo aumento da procura de informações sobre o país.