Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Expulsa por inadimplência, universitária filipina comete suicídio

[Todos os links levam a sites em inglês]

Uma caloura do curso de Ciência do Comportamento da Universidade de Filipinas, em Manila, cometeu suicídio na manhã da última sexta-feira. A estudante de 16 anos de idade foi encontrada morta na casa dos pais, em Tondo, dois dias depois de ter sido forçada pela administração da instituição a deixar de frequentar às aulas devido à falta de pagamento das mensalidades.

A estudante era a mais velha de cinco irmãos. O pai trabalha meio período como taxista e a mãe é dona de casa. Ela havia sido admitida pela administração da Universidade através do suporte D do Ensino Socializado e Programa de Assistência Financeira (STFAP, sigla em inglês). A Universidade de Filipinas (UP) implementou uma política de “proibição de pagamento atrasado”, por meio da qual os estudantes que não possuem condições financeiras de pagar as mensalidades em dia são forçados a deixar a Universidade.

Education is a Right | Photo from Pixel Offensive

Educação é um direito | Foto de Pixel Offensive

Tristeza e simpatia pela morte prematura da estudante inundaram as redes sociais e blogs pessoais. Muitos também expressaram indignação pelo encarecimento do ensino e mensalidades escolares, e pelo alto preço do sistema de educação privado nas Filipinas, que levaram a estudante ao suicídio. Seguem algumas reações deixadas no Twitter:

@adrianayalin: Sad, sad, sad news about UP Manila student allegedly committing suicide because of unpaid tuition.

@adrianayalin: Triste, triste, triste notícia sobre a estudante da UP de Manila que supostamente cometeu suícidio por inadiplência.

@teddycasino: Those cold hearted bureaucrats in UP Manila should resign in guilt & shame.

@teddycasino: Esses burocratas de coração frio da UP de Manila deveriam se demitir por culpa e vergonha.

@jcmaningat: The suicide of the UP Manila student is big slap on the face of @PresidentNoy who claims that life is easier under his reign #justice #fb

@jcmaningat: O suicídio da estudante da UP de Manila é uma bofetada na cara do @PresidentNoy que afirma que a vida é mais fácil sob o seu reinado #justiça #fb

O status do Facebook de Cleve Kevin Robert Arguelles, membro do diretório estudantil que representa 50.000 estudantes no Conselho da UP, diz:

The case of Kristel Tejada was not a suicide. There was no choice – either you pay or you stop pursuing your dreams. She was killed by the system- a system that refuse to recognize that education is a right, that life is measured in your capacity to pay. A sad and outrageous day for us Iskolars ng Bayan (scholars of the people). :(

O caso de Kristel Tejada não foi suicídio. Não havia escolha – ou você paga, ou deixa de seguir seus sonhos. Ela foi morta pelo sistema – um sistema que se recusa a reconhecer que a educação é um direito, e que mede a vida pela capacidade das pessoas de pagar. Um dia triste e de indignação para nós, Iskolars ng Bayan (estudiosos do povão) :(

No seu blog, Alyanna Morales, aluna da UP de Manila, espera que o incidente proporcione drásticas mudanças na política de pagamento de mensalidades da Universidade:

I believe that we are an education system that prides itself on honor and excellence. But if we deny someone her rights because of money, are we not worse than the system we claim to fight and abhor? Where is the honor or the excellence in that, my beloved UP?

Eu acredito em o nosso sistema de educação se orgulha por sua honra e excelência. Porém, se negamos os direitos de uma pessoa por dinheiro, não somos piores do que o sistema que afirmamos evitar e abominar? Onde está a honra e a excelência aqui, minha amada UP?

Candle lighting activity at UP Manila | Photo taken by Carl Marc Ramota

Candle lighting activity at UP Manila | Photo taken by Carl Marc Ramota

Jefrey Tupas compara o recente suicídio da estudante com a morte de uma garota de 12 anos de idade, há cinco anos, na cidade de Davao:

Those who come from grassroots families, those who are living below poverty line, are directly hit by the policy of the government on education commercialization. The yellow government–the Aquino government–is pursuing the same formula being forced on us by the previous governments.

Aqueles que vêm de famílias humildes e que estão vivendo abaixo da linha de pobreza são diretamente afetados pelas políticas do governo de comercialização do ensino. O governo amarelo – o governo de Aquino- está seguindo o mesmo modelo imposto a nós por governos anteriores.

Dean Lozarie responde àqueles que procuram despolitizar o problema, insistindo que a morte foi meramente pessoal e não política:

But it certainly was, if by political we mean that it aptly describes the state of things on a wider scale and reflects the narrative of society at large. We can argue about facts, and we can argue about what was really going through her mind in her final moments. But on this we can certainly agree: barely one year into her stay at the nation's premiere university, long-standing university and government policies prevented her from continuing her studies. Repeated and reasonable pleas from her and her family to reassign her to a lower bracket in UP's financial assistance program and to consider her financial situation were rejected. This deeply affected her emotionally. These facets of society, of the contemporary history of our nation, are manifest in the biography of the UP freshman from Tondo who just wanted to go to school.

Porém, certamente foi, se a gente quer dizer que o termo político descreve apropriadamente o estado das coisas em larga escala e reflete a narrativa da sociedade mais ampla. Podemos argumentar sobre os fatos e o que realmente se passava na mente dela no momento final. Porém, podemos certamente concordar com uma coisa: com quase um ano da presença da estudante na mais tradicional universidade da nação, as políticas antiquadas do governo e da universidade a impediram de continuar os estudos. Os apelos repetidos e razoáveis da estudante e sua família para reconsiderar a situação econômica e atribuir a ela uma categoria inferior no Programa de Assistência Financeira da UP foram rejeitados. Isso afetou profundamente o seu estado emocional. Essas facetas da sociedade, da história contemporânea do nosso país, se manifestam na biografia de uma caloura da UP, da cidade de Tondo, que somente queria ir à escola.

No Money, No Entry | Image from Pixel Offensive

A verdade sobre o sistema educacional: Sem dinheiro, sem acesso | Image from Pixel Offensive

Ex-estudante regente da UP, Krissy Conti explica o porquê da STFAP da Universidade ser uma cortina de fumaça para o aumento das mensalidades, e como proporciona um cenário sinistro para suicídios:

The final tuition collection from all enrolees is right there, tallied in the government accounting. No one has dared deny that income from student fees has grown through the years. In fact it has become a reliable and liquid money source that more or less half of maintenance expenses are programmatically taken from the tuition fund

A coleta final das mensalidades de todos os matriculados já está ali, computada na contabilidade do governo. Ninguém ousa negar que a receita proveniente das mensalidades aumentou no decorrer dos anos. Na verdade, se tornou um recurso confiável e fonte de dinheiro líquido de forma que praticamente metade das despesas de manutenção é programaticamente tirada dos recursos das mensalidades.

Priscilla Pamintuan comenta que o suicídio é um claro exemplo do sistema de educação injusto que agora prevalece no país:

Ano mang paghuhugas-kamay ang gawin sa publiko ng Commission on Higher Education – na kesyo may sariling kapasyahan ang bawat state university na magtakda ng mga polisiya kaugnay ng matrikula – hindi maitatanggi na may pananagutan sila sa sinapit ng estudyanteng ito.

Seja como for a lavagem de mãos que a Comissão de Educação Superior venha a fazer em público – porque cada Universidade tem autonomia para determinar suas próprias políticas relacionadas a mensalidades – ela não pode negar que é responsável pelo que acontece aos seus estudantes. Não é isso o que a CHED e a administração do Benigno Aquino III vem fazendo há muito tempo com cortes anuais no orçamento de faculdades e universidades para transformá-las em “auto-suficientes”? [NdT: CHED é a sigla em inglês de Commission on Higher Education que significa Comissao do Ensino Superior.]

Em uma nota do facebook , Lisa Ito faz uma convocação para agir em honra à memória da estudante morta:

Some have implored: suicide is not the solution, don’t give up, there is hope. I agree. The solution is to fight for one’s rights, and to see the struggle through to the end. I will never say that she failed in valor, because—whatever the reason for arriving at the point she did—her sacrifice and her family’s loss has compelled us all to finally confront the painful truth: that there is no other recourse but to act on the situation now.

Alguns imploram: o suicídio não é a solução, não desita, há esperança. Eu concordo. A solução é lutar por direitos, e lutar até o fim. Eu nunca direi que ela falhou em valores, porque – independente do motivo que a levou a chegar a esse ponto – o sacrifício dela e a perda da sua família forçam a todos nós a finalmente a confrontar a verdade dolorosa: que não há outro recurso senão agir agora na situação.

A causa número um de suicídio é depressão. A depressão é tratável e o suicídio é evitável. Você pode conseguir ajuda de linhas de apoio confidenciais para o suicida e pessoas passando por crise emocionais. Viste o website Befrienders.org para encontrar o disque prevenção de suicídio no seu país.