Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Pastor Malafaia: ciência e homossexualidade

Para aqueles que lutam pelos direitos dos homossexuais no Brasil, o maior inimigo tem nome e sobrenome: Silas Malafaia. Este pastor, formado em psicologia, lidera a Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo e carrega consigo os valores conservadores do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Ao mesmo tempo que enfrenta pesada oposição a suas ideias, o pastor conta com um número de seguidores bastante expressivo.

No dia 3 de fevereiro de 2013, Malafaia concedeu, em rede aberta de televisão, entrevista para a jornalista brasileira Marília Gabriela. Na ocasião, comentou sobre temas polêmicos. Defendeu o pagamento de dízimo por parte dos fiéis das instituições evangélicas e repudiou a criminalização da homofobia – prevista no Projeto de Lei Complementar 122 – e o casamento civil igualitário, invocando o artigo 5º da Constituição Brasileira, que assegura liberdade de expressão a todos os cidadãos.

Em 12 de fevereiro, no Observatório de Imprensa, Danilo Thomaz fez uma análise da questão. O argumento é que, nas redes sociais a briga é o “equivalente virtual a uma briga na calçada em frente ao boteco”.

A discussão sobre as liberdades públicas e a igualdade de direitos – valores sobre os quais se ampara a questão dos homossexuais – é transformada em uma histeria compartilhada na qual os dois lados, munidos com seus 140 caracteres, se diferenciam no que defendem e se assemelham na forma com que argumentam. Acabam, do mesmo modo, por anular o debate e deslegitimar a questão. Populistas e vigaristas, à direita e à esquerda, de quebra, aproveitam para se promoverem.

Para justificar sua oposição aos gays, Malafaia apelou para a genética. Disse que a opção de ser homossexual é unicamente comportamental e que “não existe gene homossexual”. A polêmica foi instalada nas redes sociais e o assunto chegou aos Trending Topics do Twitter. O blog BHAZ disse que o pastor usou estudos desconhecidos para sustentar seu ponto de vista. O texto do dia 6 de fevereiro descrevia:

Desta vez, o pastor, em meio à sua inflamada argumentação contra a criminalização da homofobia e a legalização do casamento civil igualitário, resolveu apelar para o que ele chama de “ciência”. Seu objetivo, ao lançar mão de argumentos ditos “científicos” era, em suma, afirmar que a homossexualidade na verdade não passa de um comportamento “aprendido ou imposto”, que ninguém nasce homossexual e que, consequentemente, os ativistas LGBT não teriam o direito de lutar para legalizar o casamento civil igualitário ou pedir a criminalização das manifestações de ódio e do preconceito motivados pela orientação sexual e identidade de gênero.

No dia seguinte ao programa da jornalista Marília Gabriela (04/02), a resposta de um geneticista brasileiro, doutorando na Universidade de Cambridge, Eli Vieira, foi gravada no seguinte vídeo:

No dia 16 de fevereiro, Silas Malafaia respondeu, em vídeo, para Eli Vieira, a quem chamou de ‘pseudo-doutor’ em genética:

http://www.youtube.com/watch?v=ot9iaTqixI4

As reações negativas continuaram. Em 8 de fevereiro, foi criada no site Avaaz.org uma petição que demanda a cassação do registro de psicólogo de Silas Malafaia. O número de assinaturas foi grande. Contudo, simpatizantes do pastor postavam mensagens de apoio no Twitter, pedindo que o documento não fosse assinado. Assim o fez @CASSIANECANTORA em 15 de fevereiro:

Eu ja assinei… Pessoal vamos votar pela NAO cassação do registro de psicólogo do Pr Silas Malafaia acessa o link ai http://www.avaaz.org/po/petition/Pela_NAO_cassacao_do_registro_de_psicologo_do_Sr_Silas_Lima_Malafaia/?wHEFheb …

Pela mesma rede social, Marcelo Arantes (@dr_marcelo) apoiava o ato (13/02):

Já exerceu seu poder de cidadão hoje? Assine esta petição pela cassação do registro de Psicólogo de Silas Malafaia. http://www.avaaz.org/po/petition/Pela_NAO_cassacao_do_registro_de_psicologo_do_Sr_Silas_Lima_Malafaia/?wHEFheb …

De maneira oficial, a Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo fazia, em sua própria página, um recolhimento de nomes para apoiar a não-cassação do registro. Malafaia ainda manifestou vontade de processar o Avaaz.org. O texto do site relatava:

Após polêmica gerada em torno da entrevista do Pr. Silas Malafaia ao programa “De frente com Gabi”, foi criada uma petição pública on-line na tentativa de cassar seu registro de psicólogo. Entretanto, em nenhuma das entrevistas concedidas à imprensa Silas Malafaia se apresenta como psicólogo, e sim como pastor, o que não justifica uma petição que envolva o Conselho Regional de Psicologia.

Maria Berenice Dias, jurista que atua em favor dos direitos da população LGBT, também se manifestou no YouTube, no dia 7 de fevereiro:

O pastor Silas Malafaia também teria comparado homossexuais a bandidos. “Eu amo os homossexuais como amo os bandidos”, pontuou. O blog Pragmatismo Político denunciou a fala, em 5 de fevereiro:

A correlação valorativa entre “homossexuais” e “bandidos” é odiosa. Ela objetiva reforçar o vínculo entre homossexualidade e desvio, sustentando, sorrateiramente, a ideia de que a homossexualidade assim como o fenômeno da delinquência atenta e prejudica a sociedade. Em outros termos, a analogia diz o seguinte: os bandidos existem, são um fato social, mas precisamos mudá-los, puni-los e “ressocializá-los” para que não lesem a sociedade. Sem afirmar diretamente, Malafaia pensa o mesmo sobre os homossexuais; eles são um fato social, existem, mas precisamos corrigi-los para que não lesem à família, os bons costumes, às leis naturais, à palavra de Deus etc.

O líder religioso foi também condenado por usar o termo homossexualismo, pois o correto seria homossexualidade. Apesar disso, Marlus Ápyus condenou a correção, em post no Facebook, no dia 5 de fevereiro:

Antes de mais nada, eu acho que vocês deveriam largar essa bobagem de condenar o uso do termo “homossexualismo” por já ter sido entendido como uma doença. Alguém muito mal informado no passado o usou neste sentido, a OMS corrigiu o erro em 1990 e, sem explicação evidente, duas décadas depois fomos “obrigados” a falar em “homossexualidade”, apenas reforçando um equívoco já reparado. Eu vou continuar falando homossexualismo. Porque comunismo não é doença, porque romantismo não é doença, porque lesbianismo não é doença. E porque homossexualismo jamais deveria ter sido considerado uma.

  • thaiane

    silas malafaia, vc é o cara! as pessoas tentam te denigrir , mas coitadas..o fazem em vão …pois essas pessoas não tem argumentos fundamentais suficientes …Parabéns Pastor Silas Malafaia

    • Breno Maciel

      como se o sila tive-se argumento quem acredita nesses tais “argumentos” do silas é tão sem noção quanto ele pq é cego em acreditar em argumentos insustentáveis e desprovidos de conhecimento ou fontes

  • Fernandes

    Antes de começar a escrever desculpe pela falta de acentos nas palavras pois o teclado do meu computador é um teclado estrangeiro, ele nao tem os acentos portugueses.
    Esse cara està falando ai que existe uma contribuiçao dos genes no comportamento homosexual ? onde foi que a ciencia provou isso ? eu devo ter perdido algumas informaçoes sobre esse assunto!

    é tao facil se apresentar como mestre em genética para tentar de dar mais credito nas burrices que esses individuos dizem.

    Eu nao sou mestre em genética e nem faço doutorado mas estou em relaçao com muitas pessoas quem estudam nessa area da ciencia e o que eu posso dizer é que ninquem até hoje pode provar por A + B que existe contribuiçao dos genes no comportamento homosexual eles podem somente dar hipoteses. E por quê nao dizer tambem que o comportamento de um Serial Killer, de um estrupador ou de um pedofilo vem dos genes tambem ? E eu pergunto agora, qual é a diferencia entre um homosexual e um pedofilo ? Resposta : Um pedofilo é uma pessoa que se sente atraido sexualmente por crianças, um homosexual é uma pessoa que se sente atraido sexualmente por uma pessoa do mesmo sexo .