Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Gana: Encontro com Agnes Chigabatia – Uma Política Ganesa

[Links em inglês, a não ser quando indicado de outra forma]

Esforços consideráveis foram feitos pelas mulheres para ter espaço na política ganesa. Ghana Decides, um projeto não-partidário que visa a promover um eleitorado mais bem informado para que as eleições de 2012 sejam livres, justas e seguras por meio do uso de ferramentas de mídias sociais. Ghana Decides é uma iniciativa da Blogging Ghana, uma comunidade de blogueiros ganeses.

Nesse trabalho, o projeto lançou um olhar sobre o perfil de Agnes Chigabatia, candidata às eleições parlamentares. Ela foi membro do parlamento pelo distrito eleitoral de Builsa do Norte, na quarta legislatura da Quarta República, de 7 de janeiro de 2005 a 7 de janeiro de 2009. Foi também Vice-Ministra da região Upper East, de janeiro de 2005 a janeiro de 2009.

A política ganesa Agnes Chigabatia. Foto cortesia de ghanadecides.com

No post publicado no Ghana Decides, Chigabatia explica as razões que a levaram a tomar a decisão de participar da vida política:

She says growing up in northern Ghana; she felt the plight of the people, especially the youth and rural women who needed a little push to make a difference in their homes and communities. With the resources at her disposal, she joined the Builsa Ladies Association in Accra and through hardwork, she was elected President of the association in 1995. In 2002, she established a division of the Builsa Ladies Association in Bolgatanga in the Upper East region. She also helped create the Top Ladies Association to bring together women from the Kasena/Nankana areas of northern Ghana.

Ela diz que cresceu no norte de Gana, onde sentiu o sofrimento das pessoas, especialmente dos jovens e das mulheres das zonas rurais, que precisavam de um empurrãozinho para fazer a diferença em seus lares e comunidades. Com os recursos que tinha à sua disposição, juntou-se à Associação das Mulheres de Builsa, em Acra, e pelo seu trabalho foi eleita sua presidente em 1995. Em 2002, ela estabeleceu uma divisão da Associação das Mulheres de Builsa em Bolgatanga, na região de Upper East. Ajudou igualmente a criar a Associação Top Ladies (N. do T.: “Associação das Mulheres de Alto Nível”) para reunir as mulheres das áreas de Kasena/Nankana no norte do Gana.

Ela indica no post que:

In 1997 after floods destroyed a lot of homes in Builsa she organised a dinner party to help raise funds for the flood victims. She says the success of this project encouraged her to get into active party politics to help the people of the Upper West Region. In 2000, she joined the New Patriotic Party (NPP) and in 2004 she contested the Builsa North Constituency parliamentary seat and won. In 2005, she was appointed into the Gender and Children Committee in parliament and made deputy Minister of the Upper East region.

As a member of parliament and the Gender Committee, Agnes Chigabatia played an active role in getting the Domestic Violence Bill passed into law. She secured soft loans from the Ministry of Women and Children’s Affairs for women in her constituency to engage in trading activities to support their households.

Em 1997, depois que inundações destruíram muitas casas em Builsa, ela organizou um jantar para arrecadar fundos para as vítimas. Ela diz que o sucesso deste projeto encorajou-a a entrar na política para ajudar as pessoas da região de Upper West. Em 2000, ela entrou para o Novo Partido Patriótico (NPP) e em 2004 apresentou-se como candidata às eleições parlamentares do distrito eleitoral de Builsa do Norte, que veio a ganhar. Em 2005, foi nomeada para o Comitê para a Igualdade de Gênero e da Infância no parlamento, onde foi nomeada Vice-Ministra da região Upper East.

Como membro do parlamento e do Comitê para a Igualdade de Gênero, Agnes Chigabatia teve um papel ativo ao conseguir a aprovação de projeto de lei contra a Violência Doméstica. Ela conseguiu empréstimos do Ministério dos Assuntos das Mulheres e das Crianças em condições favoráveis para que mulheres de seu distrito iniciassem atividades comerciais para sustentar suas famílias.

Ela descreve os projetos agrícolas que têm por objetivo dar autonomia às mulheres:

After losing her seat in 2009, she has not stopped serving the people in her constituency. She is presently undertaking a project that is putting women in groups to engage in large scale farming in groundnuts, sorghum, millets, cowpea, rice, etc., as well as soap-making and other income generating skills.

Depois de ter perdido as eleições em 2009, ela não parou de servir ao povo de seu distrito eleitoral. Atualmente, está à frente de um projeto para reunir mulheres em grupos que se envolverão na agricultura em larga escala de amendoim, sorgo, milho, feijão, arroz etc, assim como na produção de sabão e outras atividades geradoras de renda.

Agnes Asangalisa Chigabatia concorre uma vez mais às eleições parlamentares de Builsa Norte na legenda do Novo Partido Patriótico. Ela defende amplamente que a produção de karité seja separada da indústria de cacau. Com uma indústria cada vez maior de cosméticos em Gana e no mundo, ela acredita que a criação de um setor de karité separado, que não seja ofuscado pelo do cacau, gerará grandes rendimentos ao país e aos agricultores.

Ela diz que seu primeiro projeto, quando tiver tomado posse, será de utilizar uma parte do Fundo Comum dos deputados para expandir o serviço de pediatria do hospital de seu distrito, que diz ser muito pequeno para atender às necessidades de uma população crescente. Segundo ela, se as mães de todas as casas de seu distrito conquistassem autonomia, toda a família se beneficiaria e um efeito em cascata se veria em toda a sociedade.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.