Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

México: O Inesperado Movimento Cinematográfico de Tijuana

Por muito tempo, Tijuana, uma cidade localizada na fronteira Noroeste do México, foi conhecida internacionalmente por ser, ao mesmo tempo, uma perigosa cidade de fronteira e um destino emocionante e tentador para as férias de primavera. Entretanto, a cidade está agora sob os holofotes internacionais por uma razão completamente diferente: seu movimento cinematográfico local.

Aaron Soto, um diretor de cinema e blogueiro convidado na KPBS de San Diego [emissora de rádio, portal na internet], forneceu algumas informações [en] sobre a atual cena artística nesta “bizarra cidade de fronteira”:

There is a new breed of genre filmmakers, spreading throughout the provincial cities. Industry rejecters, that could either not afford film school or that could not conform to the system.  Most of them, create stories of horror, fantasy and science fiction, and most of them, come from an unexpected place, the city of Tijuana.

Why the unexpected place? Because Tijuana has been  cut-off from the rest of the country's own culture for years. Despite being  the world's most-visited border city, Tijuana was considered by Mexico City's centric culture as that bizarre border town that did not seem to have it's own identity, but boy were they wrong!

Há uma nova geração de cineastas se espalhando pelas cidades do interior. Eles rejeitam a indústria, seja porque não puderam arcar com uma escola de cinema, ou porque não puderam se adaptar ao sistema. A maioria deles cria histórias de terror, fantasia, ficção científica, e muitos vêm de um local inesperado, da cidade de Tijuana.

Por que um lugar inesperado? Porque Tijuana esteve à margem da cultura mexicana por anos. Apesar de ser a cidade de fronteira mais visitada do mundo, Tijuana era considerada pela cultura centrada na Cidade do México como uma bizarra cidade na fronteira que parecia não ter uma identidade própria. Cara, como eles estavam errados!

Mais adiante no texto, Soto destaca que ao contrário da maior parte dos cineastas mexicanos [en] que foram influenciados por seus pares europeus, os cineastas de Tijuana olham para os vizinhos do norte para inspiração:

What were the directors’ intentions? I'm not sure, but if you asked about influences, in Mexico's academic system, filmmakers answer with cliches like Federico Fellini and Jean-Luc Godard. If you ask the border town filmmakers, they will answer with names like David Lynch and Lucio Fulci for sure, but why not? The Tijuana border is 15 minutes from California's cinemas. Dozens of newsstands and libraries, plus the local mom-and-pop video stores insured that Mexican Gen-Xers grew up consuming America's pop culture and it's indie roots, including B-movies, sleaze,  horror, and the macabre from publications like “Famous Monsters of Filmland”  and “Gorezone” magazine, and from writers like Tim Lucas and Pete Tombs. With the injection of their own Mexican culture, how many children grew up watching “El Santo vs Las Vampiras” as well as David Cronenberg's “Videodrome” on the same evening?

Quais foram as intenções dos diretores? Eu não tenho certeza, mas se você perguntasse a respeito de influências, no sistema acadêmico mexicano, os cineastas responderiam com clichês como Federico Fellini e Jean-Luc Godard. Se você perguntar aos produtores da fronteira, eles responderão com nomes como David Lynch e Lucio Fulci com certeza, mas, por que não? A fronteira de Tijuana fica a 15 minutos dos cinemas da Califórnia. Dúzias de bancas de jornais e bibliotecas, além das pequenas locadoras de vídeos, asseguraram que a Geração X mexicana crescesse consumindo a cultura pop dos EUA e suas raízes independentes, incluindo filmes-B, imorais, de terror, e o lado macabro em publicações como “Famous Monsters of Filmland” [Monstros Famosos da Terra do Cinema] e a revista “Gorezone”, além de escritores como Tim Lucas e Pete Tombs. Com a adição de sua própria cultura mexicana, quantas crianças cresceram assistindo a “El Santo vs Las Vampiras” [O Santo contra as Vampiras] e “Videodrome”, de David Cronenberg, na mesma noite?

Soto também escreve sobre o movimento [en] iniciado por alguns diretores da cidade:

Directors like Fran Ilich, Giancarlo Ruiz, Omar Ynigo and myself, started what would become known as the DIY movement from the 00's down in Baja. Editing with two VCR's and creating our own stars, like actor Hector Jimenez (“Nacho Libre”) and our own cult short-films like “Omega Shell,” we started to make films about our everyday life,  the contradictory chaos of the city; sex and religion, the comprehensible and the esoteric, the uncivilized and the technology, pleasure and pain, English and Español and most of all, the culture of violence.

Diretores como Fran Ilich, Giancarlo Ruiz, Omar Ynigo e eu, começaram o que viria a ser conhecido como o Movimento Faça-Você-Mesmo a partir de 2000, em Baja. Editando com dois videocassetes, e criando nossas próprias estrelas como o ator Hector Jimenez (“Nacho Libre”) e nossos próprios curtas-metragens cult como “Omega Shell,” começamos a produzir filmes sobre a nossa vida cotidiana, sobre o caos contraditório da cidade; sexo e religião, o compreensível [racional] e o esotérico, o bárbaro e o tecnológico, prazer e dor, inglês e espanhol, e, acima de tudo, a cultura da violência.

Seguindo a linha dos filmes recentes que são baseados em uma cidade, como ‘Paris, Eu te amo’ ou ‘Nova Iorque, Eu te amo’, há uma proposta [es] para fazer uma versão Tijuanesa chamada ´Tijuana, te amo’. O blog Tijuana Innovadora, Tech and Culture [es, Tijuana inovadora, tecnologia e cultura] explica:

Apresentação do filme Tijuana, Te amo. Foto por Gabriel Flores Romero (CC BY 2.0)

Apresentação do filme Tijuana, Te amo. Foto por Gabriel Flores Romero (CC BY 2.0)

Tijuana Te Amo es un largometraje colectivo que trata de mostrar la parte positiva de Tijuana. Los panelistas transmitieron un video del detrás de cámaras y cómo los directores se pusieron de acuerdo para filmar cada escena. El largometraje sigue el formato de las producciones Paris Je t’aime y New York I love You. La película va más allá de los esterotipos,de la delincuencia, se intentó plasmar el contraste entre las realidades universales y la belleza dijeron los directores.

Tijuana, Te amo é um longametragem coletivo que tenta mostrar o lado positivo da cidade. Os painelistas transmitiram um vídeo dos bastidores e de como os diretores concordaram em filmar cada cena. O filme segue o formato das produções Paris, Eu te amo e Nova Iorque, Eu te amo. O filme vai além dos esterótipos e do crime, e tenta captar o contraste entre realidades universais e a beleza disso, afirmaram os diretores.

No blog FimBuffalo Produccciones, Rodrigo Alvarez afirma [es] que não há nenhum lugar como Tijuana quando se fala em fazer cinema:

En lo personal, en ninguna parte de las que he estado, o de la gente con la que he convivido he notado el fenómeno “cinematográfico” que ocurre en tijuana, la pasión y ganas que existe en la gente de realizar proyectos es bastante sorprendente (puede ser que influya mucho el que estemos en frontera con uno de los paises de mayor producción cinematográfica.)

Pessoalmente, em nenhum dos lugares que visitei, ou das pessoas com quem convivi, eu notei o fenômeno “cinematográfico” que ocorre em Tijuana, a paixão e o desejo que existem nas pessoas para realizar projetos é bastante surpreendente (pode ser que influencie muito o fato de estarmos na fronteira com um dos países de maior produção cinematográfica.)

Por fim, Jose Paredes, outro blogueiro de Tijuana, escreve sobre o dia em que decidiu [es] assistir a 15 horas de filmes feitos em Tijuana, sem pausas:

El jueves pasado me levante a las 8am y me dormi a las 11pm, y durante esas 15 horas que estuve despierto las dedique a una cosa y una cosa solamente: El Cine local. Comenzando en la Lazaro, siguiendole en la Cerveceria Tijuana, y terminando nuevamente en casa de mi hermano Marco. Acabe exhausto debo admitir, pero valio la pena y me senti sumamente completo.

Na última quinta-feira, eu acordei às 8 da manhã e fui para a cama às 11 da noite, e as 15 horas em que eu estive acordado foram dedicadas a uma coisa, uma única coisa: cinema local. Começando na [escola] Lazaro, depois na Tijuana Brewery, e terminando na casa do meu irmão Marco. Eu estava exausto ao final, mas tenho que admitir que valeu a pena e que me senti extremamente satisfeito.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.