Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Lesoto: Eleições Pacíficas de que Você não Ouviu Falar

Lesoto realizou suas eleições parlamentares pacificamente [en] no domingo. O Congresso Democrático do Primeiro Ministro Pakalitha Mosisili, que está no poder, ganhou a maioria dos votos, mas não conseguiu conquistar a requerida maioria das cadeiras. Os partidos de oposição de Lesoto formaram uma coalizão [en] para formar um governo.

Por que a mídia tradicional ocidental não está falando sobre as eleições pacíficas no Lesoto? JohnsonJJ diz que não deveria haver surpresa. Ele explica [en] como os especialistas ocidentais decidem o que vale a pena virar notícia na África:

It’s unsurprising that this has garnered little attention. In fact, the country receives very little international media attention except in the form of poverty porn that stresses how horrible, destitute and AIDS-ridden Lesotho is.

Não é de surpreender que isso tenha chamado pouca atenção. Na verdade, o país recebe pouca atenção da mídia internacional exceto na forma de pobreza pornográfica que enfatiza quão terrível, incapaz e enfestado de SIDA Lesoto é.

Uma eleitora em Lesoto apoiando o Primeiro Ministro Phakalitha Mosisili. Foto cortesia de Simon Allison&dailymaverick.co.za

Lesoto, segundo ele [en], é muito insignificante para fazer algum sucesso nos EUA:

The media establishment knows us pretty well. It knows that simplistic – sensationalized – stories sell in America. We’re not so great with nuance. This is why we were so sold on the idea, for example, that the Rwandan genocide was the result of “ancient ethnic hatreds” rather than geopolitical context. It’s also how we learned that failed state Somalia failed mainly because of its hordes of angry terrorists obsessed with killing Americans. And it’s how we came to learn that all African children have distended bellies and flies on their faces all day. It’s also how we learned from (the ever-obtuse) Nicholas Kristof that most African women suffer from “female genital mutilation” and that FGM poses the greatest threat to women on the entire continent.

It’s that Lesotho is too small and insignificant to warrant our attention, and in any case, a tiny country with a burgeoning civil society? That’s never going to sell in the United States. If our uncritical engagement with media is any indication, we’re not even particularly engaged with our own.

A mídia instaurada nos conhece bem. Ela sabe que histórias simplistas e sensacionalistas vendem nos EUA. Nós não somos tão bons com nuanças. É por isso que estamos tão convencidos, por exemplo, da ideia de que o genocídio em Ruanda fora resultado de “antiquíssimas rusgas étnicas”, ao invés ser resultado de um contexto geopolítico. É assim também que aprendemos que o Estado da Somália tem estado falido principalmente por conta de suas hordas de terroristas raivosos obcecados com o assassinato de americanos. E é também como aprendemos que todas as crianças africanas têm barrigas inchadas e moscas voando em suas caras o dia todo. Também é como aprendemos de Nicholas Kristof (sempre obtuso) que a maioria das mulheres africanas sofrem com “mutilações genitais” e que essas mutilações são uma grande ameaça às mulheres em todo o continente.

É que Lesoto é muito pequeno e insignificante para chamar nossa atenção? Um país pequeno com uma sociedade civil nascente? Isso nunca vai vender nos EUA. Se nosso engajamento não-crítico com a mídia é indicação de alguma coisa, é indicação de que não somos nem mesmo engajados com a nossa própria mídia.

Zachary Rosen nota [en] que, mesmo quando Lesoto recebe atenção da mídia, os artigos geralmente são relacionados a SIDA e a pobreza:

The little coverage it does garner often assumes readers are completely ignorant and takes great pains to emphasize dismal statistics about rates of HIV/AIDS and poverty.

Overall, few articles have attempted to move beyond superficialities and actually delve into the complexities of the local political atmosphere and the implications of the election outcome.

A pequena cobertura que [Lesoto] vem a receber geralmente assume que os leitores são completamente ignorantes e gasta muita energia enfatizando estatísticas impressionantes sobre HIV/SIDA e pobreza. No geral, poucos artigos tentam ir além do superficial e realmente adentrar as complexidades da atmosfera política local e as implicações do resultado das eleições.

Até mesmo a mídia sulafricana ignorou as eleições no país, mesmo Lesoto sendo completamente cercada pela África do Sul.

@fanamokoena: It's embarrassing that SA media gives us daily updates on French elections but fail to do the same for sister country Lesotho. Irresponsible

É constrangedor que a África do Sul nos dê atualizações nas eleições francesas, mas falhem em fazer o mesmo com seu país irmão, o Lesoto. Irresponsável

@BelindaaPheto: Saddening to see SA's media houses showing little or no interest on the Lesotho elections.

Entristece ver as companhias de mídia sulafricanas mostrando pouco ou nenhum interesse nas eleições no Lesoto.

@simonallison: Strange but true: I was the only journalist from any SA print or online pub. covering Lesotho elections. All other content from wires. Crazy

Estranho mais é verdade: eu fui o único jornalista de todas as mídias impressas e digitais da África do Sul a cobrir as eleições no Lesoto. Todo o restante do conteúdo vindo de fora. Loucura

@sheofnations: @simonallison Makes sense for Int'l content,but it's highly problematic that news about the continent is filtered through Int'l media houses

Faz sentido para conteúdo internacional, mas é muito problemático que notícias sobre o continente sejam filtradas pelas empresas de mídia internacional

@simonallison: @sheofnations yep, almost everything we read about Africa in SA is handpicked by European and American editors for their audiences…

Sim, quase tudo o que lemos sobre a África na África do Sul é escolhido à mão por editores europeus e americanos para suas audiências…

O Lesoto é um enclave completamente cercado pela África do Sul. É uma monarquia constitucional. O Primeiro Ministro é o chefe do governo enquanto o rei possui uma função mais cerimonial. O nome Lesoto pode ser traduzido aproximadamente para “a terra onde se fala Sesoto”.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.