Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Depois de Kony 2012, “O Que Eu Amo na África” Reconquista a Narrativa

Este artigo é parte da cobertura especial Kony 2012 [en].

Quem esteve acompanhando de perto a mídia cidadã online este mês inevitavelmente esbarrou no acalorado debate global sobre a campanha viral da organização Invisible Children para deter o criminoso de guerra e líder de um exército rebelde ugandense Joseph Kony.

Enquanto a campanha Kony 2012 [en] certamente conquistou a atenção que desejava, muitos ugandenses e africanos sentiram que faltava à mensagem as nuances exigidas pelo contexto e que esta estava mais voltada para arrecadar fundos para a própria sobrevivência da organização do que para o empoderamento das pessoas afetadas [en] pelo conflito.

Além disso, muitos cidadãos africanos sentiram que mais uma vez a narrativa de uma história altamente divulgada sobre a África estava centrada em fatos negativos e negligenciava as tendências promissoras que o continente está a testemunhar.

Para se contrapor [en] a isso, muitas pessoas começaram a tuitar sobre “o que elas amam na África” com a hashtag #WhatILoveAboutAfrica.

O Que Eu Amo na África nos Trending Topics mundiais por Semhar Araia – @Semhar

A iniciativa, liderada por Semhar Araia [en], uma blogueira da Rede de Mulheres Africanas na Diáspora (Diaspora African Women Network – DAWNS) [en], atingiu os Trending Topics mundiais no Twitter no dia 13 de março de 2012.

O outro lado da história

Enquanto ninguém discorda do mérito de expor os crimes desprezíveis perpetrados pelo Lord's Resistance Army (Exército de Resistência do Senhor) de Kony, os comentários abaixo, postados na mídia cidadã, explicam por que este debate não se trata de uma mera “guerra de memes“, mas, sim, um esforço para recuperar a percepção internacional e a narrativa sobre o continente inteiro.

Quando um grupo de ugandenses do norte, as principais vítimas dos crimes de Kony, assistiu ao vídeo da Invisible Children em uma exibição pública, eles não ficaram particularmente contentes com o seu conteúdo, como se pode ver no vídeo [en] da Al Jazeera English abaixo.

“Se as pessoas desses países se importam conosco, elas não vão usar camisetas com fotos de Joseph Kony, seja qual for a razão,” diz um homem entrevistado. “Isso seria celebrar o nosso sofrimento.”

Um ugandense em outra exibição pública afirma: “Existem algumas pessoas, de uma tal ONG, que estão tentando mobilizar fundos utilizando as atrocidades cometidas no norte da Uganda.”

A campanha para mostrar os aspectos positivos da África tem conquistou influência razoável também nas mídias sociais. A estudante americana e africanófila [Nota da Tradutora: o termo, não tão difundido na língua portuguesa, designa os admiradores da cultura africana] Karen Kilberg reuniu alguns dos seus posts favoritos [en] sobre o meme e cita um tweet da blogueira africana Tatenda Muranda [en] como justificativa por ter escrito o post:

@IamQueenNzinga: It's about time we ushered in the era of afro-optimism through words and action

@IamQueenNzinga: Já está mais que na hora de adentrarmos a era do afro-otimismo através de palavras e ações

A jornalista queniana Paula Rogo elencou no Storify o “melhor e o pior” [en] da discussão em torno da hashtag “WhatIloveAboutAfrica” (“OQueEuAmoNaÁfrica”). Alguns posts da sua seleção:

@mwanabibi: #WhatILoveAboutAfrica The youth! Hopeful, optimistic and innovative

@mwanabibi: #OQueEuAmoNaÁfrica A juventude! Esperançosa, otimista e inovadora

@Sarenka222: #WhatILoveAboutAfrica resilient, perceptive, courageous, independent press, even in the face of intimidation (cc: @dailymonitor :)

@Sarenka222: #OQueEuAmoNaÁfrica a imprensa resiliente, perspicaz, corajosa e independente, mesmo diante de intimidação (cc: @dailymonitor :)

@RiseAfrica: RT @texasinafrica: Innovations like mobile money, crowdsourced crisis mapping. #WhatILoveAboutAfrica

@RiseAfrica: RT @texasinafrica: Inovações como dinheiro móvel, mapeamento colaborativo de crises. #OQueEuAmoNaÁfrica
Map of Africa tagged by participants of Barcamp Africa in October 2008, from the Maneno Flickr photostream

Mapa da África com etiquetas criadas pelos  participantes do Barcamp Africa em outubro de 2008, da galeria de Maneno no Flickr

A velha disputa em torno da narrativa africana

Reconquistar a narrativa sobre o continente africano através das mídias sociais não é uma empreitada nova. Em 2007, uma campanha similar se formou nas mídias sociais africanas, quando diversos blogueiros prominentes convidaram colegas a colaborar com a página “Por que eu blogo sobre a África” [en].

O blogueiro Théophile Kouamouo, da Costa do Marfim, perguntou em 2008 [fr]:

Bloguons nous pour la diaspora et le vaste monde, coupé de nos contemporains sur le continent ? Blogue-t-on sur l'Afrique comme on blogue sur l'Europe ou l'Asie ? La blogosphère afro-orientée a-t-elle quelque chose de spécifique à offrir au concert de l'universel version 2.0 ?

Escrevemos para os que estão na diáspora e para o mundo inteiro, excluindo os nossos contemporâneos no continente? Blogar sobre a África é algo que se faz da mesma forma que blogar sobre a Europa ou sobre a Ásia? Terá a blogosfera dirigida aos africanos algo de específico a oferecer ao mundo 2.0?

O meme foi notável não só por despertar muitas reações na região oeste da África, mas também por se espalhar por todo o continente até a blogosfera africana em língua inglesa. Em comentário ao meme, a blogueira Rombo, do blog “O Que Pensa uma Mulher Africana”, contribuiu com uma resposta inspiradora sobre o que ela ama na África [en]:

Africa is under my skin. Africa is the voices in my head. Africa is the itch on my back that I can’t quite reach.
[…] She’s beautiful and she’s strong and she’s got so much to give, she inspires me and I love her truly madly deeply.
She’s battered and bruised and sometimes broken and I love her even more.
She’s always on my mind and in my heart.
It’s not so much, then, that I choose to blog about Africa. It’s that I can’t not.
I really wish the world would see in her all that I see in her.
That’s another reason why I blog about Africa: To make this wish come true.

A África está na minha pele. África são as vozes na minha cabeça. África é a coceira nas minhas costas que eu não consigo alcançar.
[…] Ela é bonita e forte e tem tanto a oferecer, ela me inspira e eu a amo verdadeira, louca e profundamente.
Ela é marcada e ferida e às vezes partida, e eu a amo ainda mais [por isso].
Ela está sempre na minha mente e no meu coração.
Não é tanto uma escolha, então, escrever sobre a África. Eu não consigo não fazê-lo.
Eu desejo realmente que o mundo possa ver nela tudo o que eu vejo.
Esta é outra razão pela qual eu blogo sobre a África: é para tornar esse desejo realidade.

A blogueira Sokari, do Black Looks, acrescentou na época [en]:

… she makes me angry and frustrated, lets me down, goes on walkabouts and is influenced by some pretty horrible characters many from distant lands. But I cant help loving her deeply – she is alive, she is real and wise with so many wonderful meaningful stories of humanity and life. She is rich in stature and spirit. I love the way she moves, her facial expressions, the taste of her food and the smell and colours of the earth

Ela me enraivece e me deixa frustrada, me decepciona, sai por aí e é influenciada por uns sujeitos bem terríveis, muitos de terras distantes. Mas eu não posso deixar de amá-la profundamente – ela é viva, ela é real e sábia, com tantas histórias maravilhosas e significativas sobre a humanidade e sobre a vida. Ela é rica em estatura e em espírito. Eu amo a maneira como ela se move, suas expressões faciais, o sabor da sua comida e os cheiros e cores da terra

A batalha pela narrativa é, de fato, uma história antiga. Binyavanga Wainaina escreveu um ensaio famoso sobre “Como Escrever Sobre a África” [en] em 2005. O ensaio foi transformado em um vídeo, entitulado “Como Não Escrever Sobre a África” [en], narrado pelo ator Djimon Hounsou:

Diante do longo esforço para retratar o lado positivo do continente, alguém pode se perguntar por que é um desafio tão grande mudar a perspectiva global sobre a África, e por que tantas pessoas se importam com isso.

Uma resposta sobre o motivo da importância de se destacar o lado positivo do continente foi dada durante a conferência TED Africa por Euvin Naidoo, presidente da Câmara de Comércio Sul-Africana. Ele argumenta que confiança é um componente essencial para os investimentos na África, e que uma melhor compreensão de todas as nuances do continente é necessária [en]. Ele declara:

George Kimble said, ‘The only thing dark about Africa is our ignorance of it.’ So let's start shedding light on this amazing eclectic continent that has so much to offer [..] The first myth to dispel is that Africa is not a country. It’s made up of 53 different countries. So to say ‘invest in Africa’ is a no-go. It's meaningless.

George Kimble disse: “A única coisa escura sobre a África é a nossa ignorância sobre ela.” Então vamos começar a lançar alguma luz sobre este continente incrivelmente eclético que tanto tem a oferecer [..] O primeiro mito a ser desfeito é o de que a África é um país. Ela é constituída por 53 nações diferentes. Então, é nulo dizer que se “investe na África”. Isso não tem sentido algum.

Este artigo é parte da cobertura especial Kony 2012 [en].

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.