Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Colômbia: As FARC Anunciam Fim dos Sequestros e Libertação de Reféns

As FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), o maior e mais antigo grupo guerrilheiro da Colômbia, anunciaram [es] no dia 26 de fevereiro de 2012 que libertariam dez reféns militares que estavam aprisionados sob seus domínios. O grupo tinha suspendido a libertação de 6 reféns no ano passado após denúncias de uma operação militar em andamento.

Através deste anúncio, as FARC reportaram que iriam renunciar ao sequestro como um meio de financiamento, e enfatizaram seu desejo de terminar a guerra que acontece há 48 anos. Estas notícias iniciaram naturalmente reações entre diversos meios de comunicação cidadã nacionais e internacionais.

E apesar de se ter passado algumas semanas desde o anúncio do desejo de terminar a guerra, as FARC continuam sendo notícia [es] por sua violência. Tendo anunciado uma greve armada no departamento de Choco [es], onde sérios problemas [es] derivados do conflito foram expressados no Twitter com a hashtag #EL_CHOCÓ_NECESITA_PAZ (Choco precisa de paz) [es]. Ademais, vários outros confrontos com as forças armadas do governo em Cauca e em outras regiões da Colômbia continuam sendo reportados.

March against FARC, February 4, 2008. Photo by Juan David Medina (CC BY-NC-SA 2.0)

Marcha contra as FARC, 4 de fevereiro de 2008. Foto de Juan David Medina (CC BY-NC-SA 2.0)

Enquanto isso, os preparativos para a libertação dos dez reféns são anunciados [en].

O site Colombia Soy Yo (Colômbia Sou Eu), fundado em 2008 por um grupo de civis cuja missão é “Construir uma Colômbia sem grupos armados fora da lei, impusionando ações coletivas responsáveis com base no desenvolvimento humano” e que tem promovido campanhas como “Hoje é seu dia: segunda maratona de mensagens pela liberdade e reconciliação [es], menciona o comunicado das FARC e reforça sua petição [es] para a libertação de seis reféns, concluindo de forma enfática:

Junto a las Voces del Secuestro y otras organizaciones aliadas, seguiremos insistiendo y estamos dispuestos incluso, a ir hasta lo más profundo de la selva, para traerlos de regreso con sus familias

Junto com as Voces del Secuestro [es] e outras organizações aliadas seguiremos pressionando por isso e estamos dispostos, inclusive, a ir até às profundezas da floresta para trazer os sequestrados de volta para suas famílias.

No blog Atrabilioso [es], o colunista Jorge Monroy acredita que os sequestros passados ainda são crimes que merecem ser julgados:

¿es posible creerles a las FARC? No importa, lo único que hay que hacer es aplicar las leyes y llevarlos ante la justicia

É possível acreditar nas FARC? Não importa. A única coisa que deve ser feita é aplicar as leis e levar os responsáveis para responderem perante a justiça.

No site Silla Vacía (Cadeira Vazia), Juanita León e Dora Carvajal fazem uma análise [es] do estado atual das FARC e concluem com uma visão desanimadora da paz na Colômbia:

En este complejo escenario del conflicto, se abre con el anuncio de las Farc de proscribir el secuestro una pequeña ventana para ir aminorando el sufrimiento de los civiles víctimas de esta guerra. Pero el fin de la guerra aún está lejos.

Neste cenário complexo do conflito, abre-se, com o anúncio das FARC de suspensão do sequestro, uma pequena janela de esperança, reduzindo o sofrimento dos civis vitimados por esta guerra. Mas o fim da guerra ainda está longe.

No blog Quartely Américas, Jenny Manrique inicia com a questão “Voltarão à liberdade todos os reféns?” e termina seu post dizendo [es]:

Mucho se ha hablado acerca de las retenciones de personas, hombres o mujeres de la población civil, que con fines financieros efectuamos las FARC a objeto de sostener nuestra lucha. Con la misma voluntad indicada arriba es un buen momento para mirar la complejidad del secuestro y a las víctimas en su totalidad. Un país que jerarquiza a sus víctimas, también se acostumbra a olvidarlas.

Muito se tem falado sobre a retenção de pessoas, homens ou mulheres civis, como meio de financiar as FARC e a sua luta. Com a mesma vontade expressada acima, é um bom momento para observar a complexidade dos sequestros e suas vítimas em sua totalidade. Um país que hierarquiza suas vítimas também costuma esquecê-las.

O historiador Medófilo Medina (membro fundador do blog Razón Pública [es]) fez uma análise em vídeo no Youtube e indica que é o momento oportuno para que o governo estabeleça uma paz duradoura:

No Twitter há quem se manifeste com esperança, como Cavib77 (@cavib77) [es] e Diana Urrutia H (@DiiuUrrutia) [es]:

De corazón espero q las FARC cumplan su anuncio de no más SECUESTROS y se de la pronta liberación de todos los secuestrados militares o civiles.

De coração, espero que as FARC cumpram seu anúncio de não efetuar mais sequestros e de rápida libertação de todos os sequestrados, civis ou militares.

Buenos días, leyendo el anuncio de las Farc, se incrementa mi esperanza en el fin de la violencia que ha golpeado tanto a Colombia

Bom dia, lendo o anúncio das FARC, aumentam minhas esperanças em relação ao fim da violência que tem golpeado tanto a Colômbia.

Enquanto isso, outros são incrédulos e criticam o anúncio das FARC, como Andrés Gutiérrez (@andresmgs) [es] e Charles Figueroa (@CharlesFiguero) [es]:

Las FARC dicen que “no habrá mas secuestros” y como muestra de sus intenciones de paz bombardean Cauca, peor aun hay payasos que les creen!!

As FARC dizem que “não haverá mais sequestros” e como mostra de suas intenções pacíficas bombardeiam Cauca, pior ainda é que há palhaços que acreditam neles!!

¿Qué estará tramando las FARC con su sorpresivo anuncio de paz y reconciliación?

O que estarão tramando as FARC com seu surpreendente anúncio de paz e reconciliação?

Sergio Rodríguez V. (@Sergi_Rodriguez) [es] fez um chamado e exige compromisso das FARC:

Ya son 14 años secuestrado por las FARC… No mas secuestro… #LiberenlosYA

Já foram 14 anos de sequestros pelas FARC… Não mais sequestros…

Juanito Alimaña (@CuadroAlfonso) [es], por sua vez, critica o que aconteceu em Choco e acusa as FARC de sequestrarem não pessoas, mas regiões do país:

 Las FARC anunciaron que dejarán la práctica del secuestro de personas y dieron paso al secuestro de departamentos enteros.

As FARC anunciaram que deixaram a prática de sequestros de pessoas e deram um passo em direção ao sequestro de departamentos inteiros.

O presidente colombiano Juan Manuel Santos (@JuanManSantos) [es], um dos primeiros a se pronunciar, anunciou no Twitter:

Valoramos el anuncio de las FARC de renunciar al secuestro como un paso importante y necesario pero no suficiente en la dirección correcta

Nós apreciamos o anúncio das FARC de renunciar ao sequestro como um passo importante e necessário, mas não suficiente, na direção correta.

Finalmente, os analistas do blog Razón Pública comecam a ter uma visão positiva para a paz [es]:

Tanto el gobierno como las FARC han dado pasos importantes. El reto es definir la hoja de ruta hacia la paz. Colombia puede inspirarse en sus procesos anteriores, en la experiencia de numerosos países y en el nuevo escenario mundial. La negociación entre gobierno e insurgencia será imprescindible, pero hay tareas básicas más allá de la mesa de los diálogos. De hecho el proceso de paz ya está en marcha

Tanto o governo como as FARC deram passos importantes. O desafio é definir o roteiro para a paz. A Colômbia pode se inspirar em seus processos anteriores, na experiência de numerosos países e no novo cenário mundial. A negociação entre o governo e a insurgência será imprescindível, mas há tarefas básicas para além da mesa de negociação. De fato, o processo de paz já está em marcha.

1 comentário

  • Edgar Rocha

    Algo me faz pensar que esta “bandeira branca” das FARC se insira num contexto, pra mim, ainda não bem solucionado. A gente se força a negar qualquer teoria conspiratória em nome do bom senso, mas chega num ponto que começamos a pensar numa possibilidade real de estarmos diante de um monstro que, de tão grande e tão próximo, o vemos e não conseguimos definir seus contornos, sua forma, sequer sua distância real. A guerra civil instaurada no México, em que o povo já se mostra exaurido e disposto a enfrentar e a entender melhor este sistema, que mantém na inoperância generalizada dos governos e instituições de direito internacional com relação a algo que a todos atinge, inegavelmente, sem nenhuma resposta ou estudo claro. Seriam todos os narcos uma coisa só? Estariam dentro de um sistema mais amplo? Quem comanda tudo? Quem ganha de fato? Quem deve ser denunciado? Onde está a força real que o mantém de pé, apesar de todos os esforços? A reação da sociedade no México, seria um alerta aos narcos do Sul? Estariam eles se articulando numa nova estratégia de cooptação social e de contenção das reações públicas? Acho que estamos todos cada vez mais perto da resposta. Felizmente, pessoas corajosas como o colaborador deste site, João Fernando, parecem estar dispostos a trazer em pauta estas questões. Parabéns! Contudo, você não está só. Outros profissionais da comunicação estão agindo pelo mundo e usando a internet como forma de conscientização do cidadão comum como eu. Gostaria de indicar, pra ajudar minimamente a tecer esta rede, um post no site Metamorfose Digital que, por sua vez, analisa dados de uma pesquisa importantíssima feita por jornalistas do “The Guardian” Britânico. (
    http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=24950#nucleus_cf ) Se já você já leu, seria importante divulgar também. Se não leu, é uma excelente oportunidade pra ajudar a desvendar estes mistérios do mundo branco de pedra e pó. Daria um excelente post também aqui. Muito obrigado pela tua matéria! É mais uma peça neste quebra-cabeças que a gente começa a entender. Quem sabe ainda se consiga combatê-lo efetivamente! O coração é o ponto fraco da fera.

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.