Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Síria: A Luta pela Liberdade e o Fim do Silêncio

Este artigo é parte de nossa cobertura da Revolução na Síria em 2011 [en]

Desde meados de março, quando os protestos – que começaram na Tunísia e Egito – chegaram à Síria, o número de mortes cresceu aos milhares enquanto dezenas de milhares foram presos ou desapareceram. Ativistas sírios enfrentaram violência sem precedentes e uma guerra de informações onde o objetivo é a supressão de qualquer forma de oposição.

Porém, o conteúdo compartilhado pelos cidadãos têm inundado a Internet e conseguiu quebrar a parede da mídia controlada pelo Estado. Este post oferece uma seleção do material enviado pelos internautas, que retrata a luta do povo sírio pela liberdade e dignidade ao fim de quatro décadas de silêncio.

O silêncio contra as vozes do povo
Décadas de controle das notícias e da mídia na Síria ajudaram o regime a reprimir a voz de seus cidadãos, mantendo a legitimidade internacional. O governo sírio detém o mercado de telecomunicações local, o mais controlado na região [en], enquanto jornalistas estrangeiros são impedidos de entrar no país. Esta imagem mostra os manifestantes com fita adesiva na boca para enviar uma forte mensagem da “cidade de Kafar Nabl ocupada”:

Da cidade de Kafar Nabl ocupada, 04 de dezembro. Autor anônimo.

Da cidade de Kafar Nabl ocupada, 04 de dezembro. Autor anônimo.

Do que você tem medo?
Nos últimos meses, sírios lutaram contra o regime de 41 anos de medo. Este vídeo difundido na Internet mostra um jovem conversando com outro, listando as razões que o fazem sentir medo e por que ele não deve temer nada. Termina o vídeo dizendo: “o silêncio é a arma mais poderosa”. [legenda em espanhol]

Para colocar os “pingos nos Is“, Samar Dahmash Jarah escreveu no Twitter:

The thought that I can switch on TV and see Syrians chanting Freedom Freedom by the 10's of thousands seemed illusive but not any more!

O pensamento de que posso ligar a TV e ver milhares de sírios cantando Liberdade Liberdade parecia ilusório, mas não é mais!

Silenciando manifestantes
Milhares de manifestantes foram mortos desde o início da Revolução Síria em março. A criança Hamza Alkhateeb [en], de 13 anos, foi morta durante sua prisão, e provocou raiva por causa da brutalidade do regime. Milhares de manifestantes pacíficos enfrentaram esta brutalidade, como Ghiath Matar, 26 anos, residente de Darya, um subúrbio de Damasco. Ele ficou conhecido por enfrentar o fogo e a violência com garrafas de água e rosas.

Depois de sua morte no dia 10 de setembro, o Comitê Local de Coordenação emitiu uma declaração [en] a dizer que o sonho de Ghiath morrera com ele:

Ghiath was waiting for two births: the birth of his daughter who won’t have the chance to lay on his arms, and the birth of the new free, just and democratic Syria, which he won’t see but will hold his memory and pure soul forever. Ghiath and his friends in Daraya were advocates of non-violent struggle. He believed that a free and civilized Syria can’t be realized but by Syrian men and women by their peaceful struggle against the violence of the regime, with all the love they have facing the speech of hatred, by refusing to be like the butcher or use his tools.

Ghiath estava esperando dois nascimentos: o nascimento de sua filha, que não terá a chance de colocar em seus braços, e o nascimento da Síria livre, justa e democrática, que ele não poderá ver, mas que guardarão sua memória e alma para sempre. Ghiath e seus amigos em Daraya foram defensores da luta não-violenta. Ele acreditava que a Síria livre e civilizada não pode ser realizada sem a luta pacífica dos homens e mulheres sírios contra a violência do regime, com todo o amor que eles têm para enfrentar o discurso de ódio, recusando-se a ser como o açougueiro ou usar suas ferramentas.
À esquerda: Ghiath Matar; à direita: Yahya Sharabajee, detido. Imagem do blog de Razan Ghazzawi razanghazzawi.com.

À esquerda: Ghiath Matar; à direita: Yahya Sharabajee, detido. Imagem do blog de Razan Ghazzawi razanghazzawi.com.

O blogger sírio @Bsyria escreve no Twitter:

RIP Ghiath Matar. Ghiath was a peace activist. He used to hand flowers and water to soldiers in Daraya. He was tortured to death. #Syria

Descanse em paz, Ghiath Matar. Ghiath era um ativista da paz. Ele deu as flores e água para os soldados em Daraya. Ele foi torturado até a morte. #Syria

Matando as músicas
Se há uma musica que se tornou a musica de Revolução síria é certamente a música “Yalla Irhal ya Bashar” (“Sai daqui, Bashar”), que foi famosa com a voz de Ibrahim Qashosh, cantor de Hama. No dia 5 de julho, Qashosh foi encontrado morto sem suas cordas vocais, em retaliação por fazer uma brincadeira do presidente Bashar al-Assad. Mas, apesar de tudo, sua voz não parou e continuou, em clipes e demonstrações em vídeo de Hama, que não era mais possível esconder:

http://youtu.be/3mG3V2fBYbw

Ahmed Al-Omran é um jornalista e blogueiro saudita da Rádio Nacional da América NPR, que passa seus dias documentando notícias e vídeos da Síria. Após um dia de trabalho, ele escreveu no Twitter:

What's my plan for the weekend? After watching all these videos coming from #Syria today, none of my plans seem to matter.

Qual é o meu plano para o fim de semana? Depois de assistir todos esses vídeos vindos da #Syria hoje, nenhum dos meus planos parece importar.

Silenciando o humor
Cartunista famoso da Síria, Ali Farzat [en], chefe de Associação dos Cartunistas Árabes, publicou uma charge mostrando Bashar al-Assad como cansado com uma mala de viagem pedindo carona para Gaddafi. Farzat foi, então, severamente espancado no dia 26 de agosto, quando teve as duas mãos quebradas por causa do “cinismo aos líderes sírios”.

Charge do cartunista sírio Ali Farzat

Charge do cartunista sírio Ali Farzat

@Freedom_7uriyah escreveu no Twitter:

All i've got to say to Assad is watch #Libya closely, ur next. #AssadLies will get u nowhere

Tudo que eu tenho a dizer pra Assad é olha #Líbya perto, você é o próximo. # AssadLies vai levá-lo a lugar nenhum

Repressão a jornalistas e blogueiros
A lista de jornalistas e bloggers que foram mortos, detidos ou torturados aumenta dramaticamente desde o início das manifestações, em março. O fotógrafo Farzat Gibran foi encontrado morto [en] no dia 20 de novembro, sem seus olhos. Farzat estava filmando manifestações contra o regime na cidade de Al-Qusair, em Homs.

Um cartaz exigindo a liberdade para Razan

Um cartaz exigindo a liberdade para Razan

O governo também perseguiu os bloggers Hussain Ghrair e Razan Ghazawi [en], uma das blogueiras mais proeminentes da Síria e antiga colaboradora do Global Voices [en]. Razan, que foi acusada de “enfraquecer sentimentos nacionalistas e tentar inflamar a luta sectária”, foi libertada em 18 de dezembro, mas muitos ainda estão presos ou desaparecidos.

O blogger sírio Anas Qutaish @anasqtiesh escreve no twitter:

”Weakening the national sentiment, and trying to ignite sectarian strife” should be charges against Assad. #Syria#FreeRazan

“O enfraquecimento do sentimento nacional e tentar inflamar a luta sectária” deveriam ser acusações contra Bashar Al-Assad. #Syria #FreeRazan

Sírios ganham apoio internacional
Enquanto continua a revolução na Síria, apesar das tentativas de silenciar ativistas, a solidariedade com o povo sírio não parou. Uma série de iniciativas na Internet mostrou como ativistas tornaram-se mais inovadores para ganhar a atenção mundial para a situação no país.

A campanha SyriaSitIn no YouTube, liderado pela agência de notícias populares Rede de notícias Cham, pediu que as pessoas enviassem vídeos com sua solidariedade aos manifestantes sírios. Os vídeos, que foram publicados na conta do Youtube do SyrianSitIn [ar], contêm versões de uma declaração:

نجتمع فيه كلنا معاً ومن كل مكان في العالم ومن كل الجنسيات… لنعلن تضامننا مع مطالب الشعب السوري الحر، ولنقول جميعنا وبصوتٍ واحد لا للقتل لا للظلم لا للقمع لا للقهر، ولنقول لبشار الأسد ونظامه وعصابته أننا وبعون الله سنسقطكم ثم سنحاكمك
Reunimo-nos todos juntos do mundo inteiro e de todas as nacionalidades… Para declarar a nossa solidariedade com as demandas do povo sírio e para dizer em uma voz: não à injustiça, não à repressão, não às mortes, e para dizer a Bashar Al-Assad, seu regime e sua gangue que nós estamos com a ajuda de Deus e depois vamos julgá-lo e derrubá-lo.

@honestmenofsyri tuitou:

هذا الاعتصام ليس بديلاً عن الاعتصام والتظاهر السلمي على أرض الواقع بأي شكل من الأشكال، وإنما هو وسيلة إضافية..
Este sit-in virtual não é um substituto para sit-ins e manifestações nas ruas, mas é uma maneira adicional de atingirmos nosso objetivo.

Síria de 2012
Ao final de 2011, observadores e defensores da revolução, usaram a hashtag #Syria2012 para imaginar a Síria de amanhã – a Síria de liberdade, justiça e dignidade. Fadi Alkadi escreveu:

#Syria2012 “At this time next year, Bashar Al-Assad will be a former president”

Neste mesmo momento no ano que vem, Bashar al-Assad será ex-presidente.

E Mohamad Abed Alhameed complementou:

I'll visit my family and get back to my home in Damascus in #Syria2012 after long years of exile.

Vou visitar minha família e voltar para minha casa em Damasco, na Síria, em 2012, após longos anos de exílio.

Nora Bashra tem esperanças:

In Syria2012, “torture” will be a word of the past. #Syria

Na Síria de 2012, “tortura” será uma palavra do passado.

Enquanto Nour al-Ali imaginou:

#Syria2012 ‏ التعليم رح يصير شي أساسي بالبلد.. ورح نبدأ نقضي ع الأمية
Na Síria de 2012 Educação será essencial no país.. e vamos começar a eliminar o analfabetismo

E Ahmad Ibn Rashed Ibn Said concluiu:

Syria2012 will be cleansed of thugs and bugs, free of wolves and dogs, and full of kisses and hugs

A Síria de 2012 será limpa de bandidos e gangues, livre de lobos e cães, e cheia de beijos e abraços

Este artigo é parte de nossa cobertura da Revolução na Síria em 2011 [en]

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.