Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Uruguai Celebra seu Bicentenário

O Uruguai declarou 2011 como o ano de comemoração do bicentenário de seu “processo emancipatório”, que começou em 1811, embora a independência não tenha sido declarada até 25 de agosto de 1825 [en]. Por meio de um sítio virtual oficial e contas no Twitter, Facebook, e Flickr, organizadores têm divulgado os numerosos eventos programados [en] para o decorrer do ano.

As celebrações do bicentenário começaram oficialmente em Fevereiro, mas na segunda-feira, 10 de Outubro, uruguaios comemoraram a escolha de José Artigas —herói nacional do país— como “Líder dos Orientais“, com uma grande celebração com performances artísticas simultâneas em quatro palcos diferentes no centro de Montevidéu. Segundo El Observador [es], mais de 300,000 pessoas assistiram aos eventos.

Apresentação do quarteto de violão Rica Cosa em 27 de Fevereiro de 2011. Imagem de Pablo Castro (CC BY-NC 2.0)

A hashtag #bi100uy foi amplamente utilizada por uruguaios para reações de elogio [es] e crítica [es] às apresentações ao vivo, à organização do evento e a outras questões que surgiram durante o dia. Enquanto isso, blogueiros refletiram sobre diversos aspectos dos eventos e do bicentenário em geral.

Mauricio Milano, do Montevideo Blogger [es], confessou que gostaria de estar mais animado com o bicentenário e acrescentou:

Y honestamente no creo que el increible esfuerzo no solo económico sino humano que se está realizando para el Bicentenario (hay que reconocerlo, no sería posible sin el talento de muchas personas) se vea reflejado en más nacionalismo o una “reflexión histórica” más profunda en la gente. Al menos en mi caso, un gol de Forlán me hace sentir más uruguayo que el carnaval que se está preparando para esta noche, y lo que pienso sobre la historia de mi país no va a cambiar por ir a un concierto.

E honestamente não creio que o incrível esforço não só econômico, mas também humano que está se fazendo para o bicentenário (há que se reconhecer, não sem seria possível sem o talento de muitas pessoas) esteja se transformando em mais nacionalismo ou numa “reflexão histórica” mais profunda nas pessoas. Para mim, um gol do [jogador] Forlán me faz sentir mais uruguaio que o carnaval que se está preparando para esta noite, e o que penso sobre a história de meu país não vai mudar por ir a um concerto.

Christian Libonatti [es] criou um slideshow agregando as primeiras páginas dos maiores jornais uruguaios no dia 11 de Outubro. Ele percebeu que todas elas dedicavam uma parte para a notícia sobre as celebrações de segunda-feira, mas somente dois jornais dedicaram a página inteira para os eventos.

Esto es apenas un análisis para demostrar que habiendo miles de uruguayos caminando por las calles apenas dos medios le dedicaron su título principal. Un conflicto gremial, la inseguridad o cualquier otra cosa son más importantes que una fiesta popular.

Ni critico ni alabo ésto, sólo está bueno observarlo.

Esta é apenas uma análise para mostrar que, com milhares de uruguaios a caminhar pelas ruas, apenas dois periódicos dedicaram ao evento o título principal. Um conflito de agremiação, a insegurança ou qualquer outra coisa são mais importantes que uma festa popular.

Não critico e nem elogio isso, mas é bom observá-lo.

Considerando o que o Uruguai e os outros países da região comemoram nessas celebrações de bicentenário, a blogueira Anna Donner Rybak [es] retoma os povos indígenas que habitavam o continente antes da chegada de colonizadores europeus. Ela ressalta que a maioria dos uruguaios é de descendência europeia, mas pergunta:

¿Y quién es entonces “bien” uruguayo? me pregunto. Y me respondo que los más cercanos son los descendientes de nuestros indios.

[…] me pregunto porqué se honra la memoria de quienes han venido a exterminar a los verdaderos argentinos, uruguayos, peruanos, bolivianos.

E quem é então uruguaio “de verdade”?, pergunto-me. E respondo que os mais próximos disso são os descendentes de nossos índios.

[…] pergunto-me por que se honra a memória de quem veio exterminar aos verdadeiros argentinos, uruguaios, peruanos e bolivianos?

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.