Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Panamá: Twitter Atiça Protestos Contra o Governo

As decisões polêmicas e unilaterais tomadas pelo atual governo panamenho trouxeram o medo de instabilidade política e, para alguns, uma sensação cruel de déjà vu do que foi vivido durante a ditadura no Panamá.

Em seguida à ruptura da aliança [es] dos partidos no poder, o governo insistiu em mudar algumas leis eleitorais; por exemplo, instaurar o segundo turno das eleições de modo que o vencedor só deva assumir o posto com 50% mais um. O CD (partido governista) insistiu que o segundo turno fortalece a democracia, enquanto a oposição, incluindo o tribunal eleitoral panamenho, assinalaram que uma mudança dessa natureza só pode ser feita de forma constitucional (ou seja, por um referendo ou pela aprovação da lei em dois governos seguidos).

A sociedade civil parece ter começado a se levantar e no último sábado, 4 de setembro, e segunda-feira, 5 de setembro, centenas de panamenhos concordaram em fazer soar a buzina dos carros e bater em panelas com colheres. Esse método também foi adotado na década de 1980 para protestar contra a ditadura de Manuel Noriega.

Presidente do Panamá, Ricardo Martinelli. Foto da Presidência da República do Equador no Flickr (CC BY-NC-SA 2.0)

O blogueiro Chris Faw, em seu blog Chris Faw [es] nos relembra daquele tempo:

Para poner un poco en contexto las cosas: el año era 1989. El país, Panamá. Tras más de 2 décadas de dictadura militar, los sucesos estaban colmando a una población civil que no estaba en condiciones de levantarse en armas ante un régimen con más poder que tamaño (aunque esto tambien aplica para describir a quien lo encabezaba.) Su única opción era una insurrección civil organizada, pacífica y desarmada. La premisa era vestirse de blanco, con pitos y pailas en mano, y salir a la calle a protestar contra un gobierno opresor que no dudaba en utilizar la fuerza para contener a la multitud que clamaba su salida.

Para colocar um pouco de contexto nas coisas: o ano era 1989. O país, Panamá. Após mais de duas décadas de ditadura militar, os acontecimentos estavam enchendo uma população civil que não estava em condições de se levantar em armas diante de um regime com mais poder que tamanho (ainda que isso também se aplique para descrever quem o encabeçava). A única opção era uma insurreição civil organizada, calma e desarmada. A premissa era se vestir de branco, com apitos e panelas nas mãos, e sair à rua para protestar contra um governo opressor que não hesitava em utilizar a força para conter a multidão que clamava por sua saída.

Isso foi há 21 anos, voltando à atualidade, La Prensa [es] informa:

El choque de cucharas contra las pailas hizo retumbar anoche áreas de la capital como las del Cangrejo, Vía Argentina y San Francisco durante 30 minutos. La medida se pretende repetir próximamente.

A batida das colheres contra as panelas se fez retumbar ontem à noite em áreas da capital como em Cangrejo, Via Argentina e San Francisco durante 30 minutos. Pretende-se repetir o método em breve.

Alguns políticos promoveram a ideia de se fazer barulho das sacadas com utensílios de cozinha, como forma de lembrar ao presidente Ricardo Martinelli que, no Panamá, o povo não vive uma ditadura, mas, ao contrário, uma democracia. Miguel Antonio Bernal (@MiguelABernalV) escreveu no Twitter:

Panameño prepara paila para protesta por prepotencia presidencial pita para pailear pailea para pitar panama puede prevenir peores pasos

Panamenho, prepare sua panela para protestar contra a prepotência presidencial, apite para acertar a panela, acerte a panela para apitar, o Panamá pode evitar passos piores

Milton Henriquez (@miltonhenriquez), um dos principais opositores do governo, se mostrou satisfeito com a maneira que os panamenhos mostraram descontentamento com o governo atual:

¡Exito rotundo el paileo democràtico! Sonaron como las campanas de la libertad. “Paila Pueblo, Paila…”

Êxito rotundo do panelaço democrático! Soaram como os sinos da liberdade. “Bate panela, povo, bate panela…”

José Blandon (@BlandonJose), um membro do partido do Panamá que acaba de sair do governo com a ruptura, relembrou que esse mesmo método foi usado para lutar contra a ditadura militar:

En la heroica Via Argentina, todavia esta la tocadera de paila. Ya luchamos una vez en dictadura y ahora d nvo x no perder la democracia.

Na heroica Via Argentina, os sons das panelas ainda estão lá. Já lutamos uma vez na ditadura e agora, de novo, não podemos perder a democracia.

Ricardo Zanetti (@ricardozanetti) mostra seu desacordo com o discurso do presidente que disse tomar decisões baseado no que a maioria quer:

En un país de 3 millones, 400 mil no son la mayoría. A las 8PM toca pito y paila! #PanamaUnidaEnDemocracia

Num país com 3 milhões, 400 mil não são a maioria. Às 20h, toque o apito e bata a panela! #PanamaUnidaEnDemocracia (#PanamáUnidonaDemocracia)

A hashtag #tweetpaila (#tweetpanela) também foi criada, onde pessoas convidavam umas às outras para bater panela ou o que for contanto que fizesse barulho e chegasse aos ouvidos do mandatário.

O usuário do Twitter que chama a si próprio de “Agente da mudança” (@despierta507) contribuiu com o seguinte:

#tweetpaila la sociedad no solo esta peleando contra las mentiras d @rmartinelli sino contra las mentiras d sus obsecuentes

#tweetpaila a sociedade não está só lutando contra as mentiras de @rmartinelli, mas contra as mentiras de seus submissos

Outros, como Karla Acedo (@karla_acedo), protestaram escrevendo no Twitter o som onomatopeico das panelas:

#tweetpaila clin clin clin clin clin clin clin clin clin clin

#tweetpaila clin clin clin clin clin clin clin clin clin clin

Ricardo Martinelli (@rmartinelli), de sua parte, anunciou no Twitter que pediria que a proposta do segundo turno fosse um referendo:

Quienes se oponen a la 2 vuelta ponen sus intereses personales y del partido sobre la voluntad popular. Que el pueblo decida rn referendun

Aqueles que se opõem ao segundo turno põem interesses particulares e do partido sobre a vontade popular. Que o povo decida em referendo.

As declarações do presidente imediatamente contaram com a aprovações de alguns panamenhos que viram no referendo a melhor solução. Por exemplo, Fary Levy (@Fary71) concluiu que isso era uma mostra do quão democrático é o atual governo:

@rmartinelli: para lo q dicen q no tenemos un presidente DEMOCRATICO! Aqui esta! Ahora a ver inventan ☺ va x referendum la 2da vuelta

@rmartinelli para os que dizem que não temos um presidente DEMOCRÁTICO! Aqui está! Agora vamos ver o que inventam ☺ para o referendo do segundo turno

Ana Maria Miranda (@Annie2813) destacou que era mais uma mostra de que esse governo sempre coloca o povo primeiro:

@rmartinelli: Excelente el Pueblo Primero! Como siempre ha sido el interés de este Gobierno.

@rmartinelli: Excelente, o Povo Primeiro! Como sempre foi o interesse desse Governo.

O método de bater em panelas parece ir ganhando força e, por enquanto, os manifestantes decidiram fazer isso todas as noites, às oito. Quem sabe o barulho chega nos ouvidos do presidente.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.