Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Grécia: “Nós demos à luz a Democracia, e nós a matamos”

Abaixo está uma das muitas histórias que você ouve hoje em dia nas ruas de Atenas, que se destaca porque é parte de um artigo intitulado Flirting With Death [Flertando Com a Morte, en], escrito por Giorgos Aygeropoulos, um jornalista grego premiado conhecido por sua cobertura de confrontos, guerras e protestos:

[…] Let’s take things from the beginning. At about 13.30 there are a lot of people gathered in front of the Parliament. They are not hood-wearers. They are not throwing rocks. They are elderly, young, women, men, students, workers, unemployed who are shouting slogans, who are making the familiar hand gesture to the Parliament, and the most hot-blooded are right in front—at the most they launched insults and shook the railings which were set up in front of the monument of the Unknown Soldier. Nothing important in other words which would justify what would follow. All of a sudden, from everywhere, from right, from left, and from the centre, a general attack of the police forces began which pushed the protestors towards the steps of Syntagma Square. Imagine thousands of people running frantically towards a narrow opening of a width of not more than 10 metres. From behind them the riot police throw stun and flash grenades into the crowd and teargas, creating panic. People are burned by the flames, drowned in the tear gas, they can’t see in front of them, and they start to step on one another and to tumble down the steps. People faint, others are stepped on in the blood. Despite all this, the police do not leave. They hit anyone they find in front of them with their clubs, people in other words who are running to save themselves, stepping on one another. […]

[…] Vamos voltar ao princípio. Por volta das 13:30 há um monte de pessoas reunidas em frente ao Parlamento. Elas não são mascarados. Elas não estão atirando pedras. Elas são idosos, jovens, mulheres, homens, estudantes, trabalhadores, desempregados que estão gritando slogans, que estão fazendo um gesto familiar com a mão para o Parlamento, e os com mais sangue quente estão bem na frente — no máximo lançaram insultos e balançaram as grades que foram colocadas em frente ao monumento do Soldado Desconhecido. Nada de importante, em outras palavras, poderia justificaria o que viria a seguir. De repente, de todos os lados, da direita, da esquerda e do centro, um ataque geral das forças policiais começou, empurrando os manifestantes para os degraus da Praça Syntagma. Imagine milhares de pessoas correndo freneticamente em direção a uma abertura estreita de largura não superior a 10 metros. Atrás deles a polícia atirando granadas de efeito moral e gás lacrimogêneo na multidão, criando pânico. As pessoas são queimadas pelas chamas, afogadas no gás lacrimogêneo, elas não podem ver o que acontece a sua frente, e elas começam a pisar umas nas outras e a rolar escada abaixo. Pessoas desmaiam, outras são pisadas e sangram. Apesar de tudo isso, a polícia não recuou. Batem em qualquer pessoa que encontram na frente deles com seus cacetetes, pessoas que estão correndo para salvar a si mesmos, pisando uns nos outros. […]

Após mais de um mês de protestos pacíficos e reuniões na praça Syntagma (Constituição), os manifestantes estavam planejando cercar a Casa do Parlamento na última quarta-feira, 29 de junho, o dia em que o voto para o Programa de Austeridade [en] tinha sido programado. Mas as autoridades gregas estavam determinadas a não deixar acontecer.

De acordo com o artigo 11 da Constituição grega [en], “assembléias públicas podem ser proibidas por uma decisão fundamentada da autoridade policial, em geral, se uma séria ameaça para a segurança pública for iminente, e em uma área específica, se uma perturbação grave da vida social e econômica for ameaçado, conforme especificado por lei “.

Neste caso, não havia nenhuma ameaça grave à segurança pública, porque a maioria dos manifestantes eram pessoas comuns com suas famílias, com raiva de seu governo e decepcionados com a política que os levou à pobreza. E as autoridades precisavam de um Plano B – que foi atacar e incendiar a já tensa atmosfera.

Uma das granadas lançadas em direção aos manifestantes em Atenas, com a data de vencimento de 08-95. Foto no Twitpic por @Gerasimoschatzi (Makis Chatzidamianos), 29 de junho de 2011.

A Anistia Internacional lançou um press release [en] sobre o uso de [armamentos] químicos nas ruas de Atenas em 29 de junho. A Associação Médica Grega pela Proteção do Meio-Ambiente e Contra Ameaças Nucleares e Biológicas declarou em seu press realease [gr]que o gás lacrimogêneo usado pela polícia anti-protesto era uma arma química e de uso proibido contra inimigos durante uma guerra.

Apesar das dificuldades, usuários do Twitter que participavam dos protestos conseguiram enviar suas mensagens ao mundo usando as hashtags #Syntagma e #29jgr.

Abaixo, alguns exemplos do trabalho impressionante que foi feito via Twitter:

@TheLiveProject (ThePressProject.net):

Chemical war in Syntagma, day 2.Tons of tear gas.Protesters were a bit closer to the barrier than police felt comfortable with.

Guerra química em Syntagma, dia 2. Toneladas de gás lacrimogêneo. Manifestantes estavam um pouco mais perto da barreira do que a polícia se sentia confortável.

@northaura (spyros gkelis):

urgent, desperate call for doctors to immediately go #syntagma please RT there are injured people there and rescue team doesn't cope #29jgr

urgente, pedido desesperado para médicos irem imediatamente a #syntagma. por favor RT. há pessoas feridas lá e o resgate não ajuda #29jgr

@thesspirit (Sofia Thesspirit):

thesspirit Sofia Thesspirit
Police just hit directly to us. We were running, I saw a man spitting blood, 3 more fainted 3 steps away from me. Its really bad.#Syntagma

A polícia acabou de vir em nossa direção. Estávamos correndo, eu vi um homem cuspindo sangue, 3 outros desmaiaram a 3 passos de mim. A situação é mesmo ruim. #Syntagma

@thesspirit:

Earlier today I heard the police radio orders and it was clear “evacuate the streets” and mins later police wiped off people with chemicals.

Mais cedo eu ouvi as ordens [vindas da] rádio policial e eram claras “evacuar as ruas” e minutos depois a polícia varrei as pessoas com químicos.

@thesspirit:

#syntagma sqr has been gas/flash bombed for 12 whole hours now #greekdemo #greekrevolution Plz RT so that the world knows what is happening.

A praça #syntagma tem sido bombardeada com granadas de gás e de efeito moral ha 12 horas agora #greekdemo [manifestação grega]#greekrevolution [revolução grega]. Por favor, RT para que o mundo saiba o que está acontecendo.

O vídeo do Youtube a seguir foi postado pelo usuário RealDemocracyGr [Verdadeira Democracia Grega] mostra, entre outras coisas, um manifestante em Atenas pedindo a um polícial para deixar a praça e para não bater nele – e o policial o batendo com um cacetete.:

O que resta depois disto tudo para os gregos é se perguntar que tipo de sistema político em o seu país, com o promotor público ainda sem reagir à extrema violência da polícia durante estes dois dias de protestos, na terça dia 28 de junho e na quarta, 29 de junho. Isto é claramente expresso nos tuítes a seguir:

@frantzisp (Panagiotis Frantzis):

What is happening in the centre of Athens has a name: proclamation of martial law by banning right of gathering and freedom. #Syntagma

O que está acontecendo no centro de Atenas tem um nome: proclamação de lei marcial por banir o direito de reunião e liberdade. #Syntagma

@KostasVaxevanis:

Το μόνο Συνταγματικό αυτή τη στιγμή στην Αθηνα είναι η πλατεία Συντάγματος. Τα υπόλοιπα έχουν καταληθει. Να παρέμβει τώρα ο Πρωθυπουργος

A única coisa constitucional em Atenas neste momento é a Praça da Constituição. O resto foi anulado. PM intervirá agora.

@spdd (Stavros Papadakis):

εμείς γεννήσαμε τη δημοκρατία, εμείς τη σκοτώσαμε! Τουλάχιστον έχουμε το know-how!”

Nós demos à luz a Democracia, e nós a matamos! Pelo menos nós temos o konw-how!

@Cyberela:

A state that is elected by the ppl & throw tones of tear-gass @ those ppl, is simply not a democratic state. It's a regime!#j29gr #syntagma

Um Estado que é eleito pelo povo e joga toneladas de gás lacrimogêneo neste povo simplesmente não é um Estado democrático. É um regime! #j29gr #syntagma

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.