Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

México: Fontes de Sangue

Este post é parte de nossa cobertura especial da Guerra Contra as Drogas no México [en].

“Paremos las balas, pintemos las fuentes” (em português: “paremos as balas, pintemos as fontes”) é um movimento social que clama por justiça e que relembra as atitudes do governo mexicano para com vários crimes que ainda não tiveram tratamento judicial apropriado. Para a surpresa dos pedestres que circulavam pela capital durante o último fim de semana de maio, ativistas tingiram – de vermelho – a água da famosa estátua de “Diana la Cazadora” (Diana, a Caçadora) no Paseo de la Reforma, uma das avenidas mais importantes da Cidade do México.

Imagem do blog "Paremos las balas, pintemos las fuentes" (CC BY-NC-ND 2.5)

Os ativistas caminharam ao redor do monumento gritando frases como “Nenhuma morte mais!” e “Fora Calderón!”. A polícia tentou impedir o protesto, mas, graças à sua natureza pacífica, os participantes puderam continuar sua manifestação.

Iroel Sánchez Espinosa, autor do blog La pupila insomne, descreve a situação [es]:

En la protesta, con lemas como “No más sangre” y “¡Ni un muerto más!” un grupo de manifestantes demandaron el regreso del ejército a sus cuarteles y denunciaron la estraegia gubernamental de enfrentamiento al narcotráfico que a juicio de muchos no hace sino multiplicar la violencia.

No protesto, com lemas como “Chega de sangue” e “Nenhum morto mais!”, um grupo de manifestantes demandou o regresso do exército a seus quarteis e denunciaram a estratégia governamental de combate ao narcotráfico, que, na opinião de muitos, não faz mais que multiplicar a violência.

Sánchez também diz que os slogans usados no protesto do México [es] poderiam ser implementados em muitos outros conflitos em diferentes partes do mundo, como na Espanha e os Estados Unidos:

Las enarboladas ayer en México, son consignas que podrían aplicarse también al comportamiento de la OTAN y Estados Unidos en Libia, Iraq y Afganistán, o a la intervención de las autoridades en Barcelona este viernes contra los manifestantes que piden “Democracia real Ya”

As frases de ontem no México poderiam ser aplicadas também ao comportamento da OTAN e dos Estados Unidos na Líbia, Iraque e Afeganistão, ou na intervenção das autoridades em Barcelona na sexta-feira contra os manifestantes que pediam a “Democracia Real Já”

No blog do movimento, Paremos las balas pintemos las fuentes [es], as exigências dos ativistas parecem ser uma proposta para um novo pacto nacional, pedindo respostas a diferentes demandas civis:

Proponemos a la sociedad y planteamos la exigencia y mandato a las autoridades acciones de corto y mediano plazo que inicien un nuevo camino de paz con justicia y dignidad

1. Exigimos verdad y justicia:

a) Se deben esclarecer y resolver los asesinatos, las desapariciones, los secuestros, las fosas clandestinas, la trata de personas, y el conjunto de delitos que han agraviado a la sociedad, mediante procesos transparentes y efectivos de investigación, procuración y administración de justicia en que se procese a los autores materiales e intelectuales incluyendo a las redes de complicidad y omisión de las autoridades responsables. Determinar la identidad de todas las víctimas de homicidio es un ejercicio indispensable para generar confianza.

Propomos à sociedade e salientamos a necessidade e demandamos às autoridades ações de curto e médio prazos que iniciem um novo caminho de paz com justiça e dignidade

1. Exigimos verdade e justiça:

a) Devem-se esclarecer assassinatos, desaparecimentos, sequestros, covas clandestinas, o tráfico de pessoas e todo o conjunto de delitos que têm acometido a sociedade, mediante processos transparentes e efetivos de investigação, procuração e administração de justiça em que sejam processados os autores materiais e intelectuais, incluindo as redes de cumplicidade e omissão das autoridades responsáveis. Determinar a identidade de todas as vítimas de homicídio é um exercício indispensável para se gerar confiança.

Imagem do blog "Paremos las balas, pintemos las fuentes" (CC BY-NC-ND 2.5)

Tuiteiros mexicanos também expressaram suas opiniões.

Carlos A. Santoscoy (@CarloSantoscoy) convidou cidadãos a irem ver as fontes com seus próprios olhos:

#notelopierdas en la #dianacazadora hay una marcha y el agua de la imponente fuente es roja como sangre “NO MAS SANGRE”

#NãoPerca na #DianaCazadora há um protesto e a água da imponente fonte está vermelha como sangue “CHEGA DE SANGUE”

Katia Nilo Fernandez (@KatiaNilo) mencionou uma foto da fonte que fala por si só:

La Diana cazadora tambien dice #nomassangre http://t.co/BGtvfYU la imagen me puso la piel chinita!

A Diana Caçadora também diz #ChegaDeSangue http://t.co/BGtvfYU essa imagem me dá arrepios!

Aideé Stephanie também (@lajimenezmx) falou do dano que o protesto poderia causar:

@andrea_arzaba waaait! libertad de expresión NO implica que se puedan dañar obras públicas con colorantes.

@andrea_arzaba esperem! liberdade de expressão NÃO implica em poder danificar o patrimônio público com corantes.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.