Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Vídeo: Sapateiros de todo o mundo

Imagem de Hugo Esteves CC/By

Os vídeos de hoje mostram o trabalho de artesãos de todo o mundo que ainda fabricam sapatos manualmente. Do México ao Japão, daremos uma olhada no modo de produção de uma variedade de sapatos, sapatilhas e sandálias.

Começamos nossa jornada no México. Dizem que o nome dos índios Rarámuri significa ‘aqueles que correm rápido’ e isso despertou a atenção de corredores que acreditam que as huaraches [en], as sandálias tradicionais do povo, proporciona a quem as calça o contato com as próprias habilidades de velocidade e resistência.

O vídeo acima mostra uma índia Tarahumara calçando as tradicionais huaraches. Já o vídeo a seguir mostra uma nova leva de sandálias huaraches readaptadas por InvisibleShoe, um site para corredores descalços.

Os japoneses também têm suas sandálias tradicionais. Os próximos vídeos mostram os modelos zōri, waraji [en] (1 e 2) e sandálias geta (começa aos 2'28”) respectivamente:

Os tamancos de madeira ou klompen fazem parte da identidade e imagem holandesas há anos. Aqui a gente vê como eles são fabricados tradicionalmente, usando ferramentas manuais:

Esta pequena reportagem apresenta um dos quatro fabricantes das tradicionais Peranakan, sapatilhas de contas de Cingapura:

Não são apenas os modelos tradicionais que são feitos artesanalmente, como vemos no vídeo a seguir. No Sri Lanka, habilidades tradicionais de conserto de sapatos são colocadas em prática na fabricação de sapatos modernos:

E, por fim, um sapato especial que faz parte dos sonhos de muitas meninas ao redor do mundo: a sapatilha de ponta das bailarinas.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.