Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Mundo Árabe: Novas Mídias e Manifestações no Egito

Este post é parte de nossa cobertura especial Protestos no Egito em 2011.

O mundo árabe está olhando com admiração para a evolução dos eventos no Egito. Hoje, a mídia social triunfa, enquanto a grande mídia apenas tenta acompanhar.

Enquanto as novas mídias desempenham um papel importante na formação da opinião das pessoas, novos meios de comunicação desempenham um importante papel no local, onde eles também ajudam a organizar as massas em protestos e manifestações. Blogueiros árabes estão discutindo o papel de todos estes meios  nos protestos em curso no Egito, onde milhares de pessoas estão tomando as ruas para exigir reformas políticas e econômicas.

O blogueiro marroquino Hisham escreveu sobre o papel da mídia nas manifestações no Egito [en]. Ele se concentrou em como as novas ferramentas de mídia social tem sido usadas no Egito, assim como foram usadas na Tunísia, no início deste mês.

Today, Egyptians responded to calls for a march against the 30-year rule of Husni Mubarak. People took to (and are still in) the streets of Cairo and main Egyptian cities, peacefully venting their anger against three decades of corruption and repression. Most of the protesters are young and have spent all their lives under Mubarak’s police state and emergency rules. Facebook and Twitter again have been instrumental in coordinating protesters’ efforts as small groups in their hundreds congregated in the streets and public squares of Cairo and Alexandria, to gradually form huge masses of tens of thousands calling for change.

Hoje, os egípcios responderam a apelos por uma marcha contra o regime de 30 anos de Husni Mubarak. As pessoas tomaram as ruas do Cairo (e ainda estão por lá) e nas principais cidades egípcias, pacificamente extravasando sua ira contra três décadas de corrupção e repressão. A maioria dos manifestantes é jovem e têm passado todas as suas vidas sob as regras da polícia de estado e regras de emergência de Mubarak. O Facebook e o Twitter, mais uma vez, têm sido fundamentais na coordenação dos esforços dos manifestantes, enquanto pequenos grupos em suas centenas se reuniram nas ruas e praças do Cairo e Alexandria para, gradualmente, formarem enormes massas de dezenas de milhares de pessoas clamando por mudanças.

Hisham fez uma referência ao levante da Tunísia que precedeu o  [levante] egípcio, e lançou mais luz sobre o papel do Twitter e do Facebook lá.

The role of the internet and social media in emboldening the Tunisian uprising that led to the first ever popular Arab revolution to topple an Arab dictator, was pivotal. I’m not saying it was a Twitter Revolution, I’m saying Twitter and social media were an effective weapon of mass dissemination. They were the catalyst that helped the movement reach the critical mass that swept through the country, from Sidi Bouzid all the way to the capital Tunis, and in no time.

O papel da Internet e da mídia social em destacar a revolta da Tunísia, que levou à primeira revolução popular árabe para derrubar um ditador árabe, foi fundamental. Eu não estou dizendo que foi uma Revolução do Twitter, eu estou dizendo que o Twitter e as mídias sociais foram uma arma eficaz de disseminação em massa. Elas [as mídias sociais] foram o catalisador que ajudou o movimento a atingir a massa crítica que varreu o país, de Sidi Bouzid até a capital Tunis, e de forma muito rápida.

Na verdade, as ferramentas de mídia social não são apenas utilizadas como uma forma de comunicação entre os manifestantes. Mas muitos meios de comunicação tradicionais na região, bem como fora da região, estão ou ignorando os protestos ou dando-lhes cobertura mínima e inadequada.

O blogueiro jordaniano, Osama Romoh, que odiou a forma pela qual a mídia tradicional cobriu os eventos no Egito, decidiu ajudar a espalhar as notícias, compartilhando links de quaisquer notícias relacionadas [com o Egito] que pudesse pôr as mãos, em seu blog pessoal [ar]:

ما يحدث في مصر من مظاهرات تندد بالنظام الحاكم وتنتفض لسوء أحوال معيشة المصريين هو أكبر من أن يتم تلخيصه في بضع سطور لمقال أو وجهة نظر، ولأن الجهات الإعلامية ووسائلها تقلّل من شأن أحداث مصر في أخبارها ولا تغطي فعلاً ما يحدث هناك، قررت أنه من واجبي أن أفعل شيئاً ولم أجد في يدي إلا أن أساهم في نشر الكلمة وأن أنشر في هذه الصفحة روابطاً لأخبار من هنا وهناك تتعلق بمظاهرات مصر
As manifestações que estão ocorrendo no Egito contra o regime são grandes demais para serem resumidas em poucas linhas, em um artigo ou editorial. E visto que a mídia tradicional está ignorando os acontecimentos no Egito, e não está cobrindo o que está acontecendo lá corretamente, me senti obrigado a reagir e ajudar publicando aqui links para notícias relacionadas com os manifestantes egípcios de todas as partes.

O governo egípcio também recorreu à censura da internet para impedir o povo de usar tais ferramentas de mídia social. No entanto, a blogueira jordaniana Roba Al-Assi, ainda era capaz de receber notícias do Egito. Ela escreveu sobre  como as novas mídias tem mudado a maneira como ela, e muitos de sua geração, consomem  notícias agora [en].

For the second time this month, I sit on my bed with my tablet in the dark and refresh a hashtag consistently for hours.
Our habits of consuming media and news have changed. Of course, the fact that traditional media is shooting itself in the foot by not covering one of the biggest events to affect Arabs in the past 10 years seriously does not help.

Pela segunda vez este mês, eu me sento na minha cama com meu tablet no escuro e atualizo uma hashtag constantemente durante horas.
Nossos hábitos de consumo de mídia e notícias mudaram. É claro que o fato de a mídia tradicional estar atirando no próprio pé, ao não cobrir um dos maiores eventos a afetar os árabes nos últimos 10 anos a sério, não ajuda.

E ela continua.

It’s the end of the world as we know it. Not politically, that is too early to tell. In terms of content consumption though, and I know I am not telling you anything new, it’s just fricking amazing.

É o fim do mundo como o conhecemos. Não politicamente, ainda é muito cedo para afirmar. Em termos de consumo de conteúdo, porém, e eu sei que não estou dizendo nada de novo, é apenas surpreendente.
Jan25: The Demonstrator
Muitos tuiteiros chamaram esta imagem de “a foto do dia“.

Foto tirada do perfil de @abanidrees no yfrog

E finalmente, Youssef escreveu sobre sua expectativa para a mudança em toda a região num futuro próximo.

ورغم أنني من أكثر الناس تشاؤماً
من ألأوضاع العامة في المنطقة
وكنتُ دوما أقلهم تفاؤلاً
إلا أنني أكاد أُجزم
أنني أشتمُ رائحة تسونامي التغيّير
تهبُ على المنطقة بأكملها
أما ماهيّة التغيّير فمن الصعب التكهن به
وإن كنتُ أُخمنُ أنها تغيّيرات جذريّة
Ainda que eu seja uma das pessoas mais pessimistas.
Eu sou o mais pessimista quando se trata da situação da região.
No entanto, eu devo admitir que eu posso sentir ventos de mudança.
Eu o sinto soprar por toda a região.
Eu talvez não consiga identificar essa mudança, mas penso que será grande.

Este post é parte de nossa cobertura especial Protestos no Egito em 2011.

2 comentários

  • […] This post was mentioned on Twitter by Raphael Tsavkko, GV Lusofonia. GV Lusofonia said: Mundo Árabe: Novas Mídias e Manifestações no Egito: O mundo árabe está olhando com admiração para a evolu… http://bit.ly/gTIdOb #gvopt […]

  • O papel das redes sociais na atualidade é inegável e a mídia burguesa vem perdendo espaço, pois as pessoas cansaram de assistir as montagens manipuladoras que sempre tentam nos fazer crer nas suas verdades. A internet vem incomodando muito e transformar este espaço em um canal de divulgação de fatos importantes, com textos sérios e imagens reais é uma missão a favor da democracia.
    O que não vejo sobre o Egito na TV, consigo na internet e sinto a obrigação de divulgar. Vou colocar um link no meu site direcionando a esta página e gostaria de colaborar. Tratamos de vidas humas, da liberdade e do direito à cidadania. A população egípcia precisa do nosso apoio neste momento de mudanças históricas. Precisam continuar fortes e acreditando no seu poder e determinação.

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.