Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Costa do Marfim: Vídeo denúncia cenas de tortura na mais populosa prisão

Um vídeo está revoltando os internautas da Costa do Marfim por mostrar policiais militares batendo nos prisioneiros do presídio “Maison d'Arrêt et de Correction” (conhecido pela sigla MACA). Segundo a pessoa que postou o vídeo, os prisioneiros seriam partidários do oposicionista Alassane Ouattara [en]. Desde o início da crise política na Costa do Marfim, dezenas de pessoas foram presas em Abidjan e encarceradas em MACA devido a opiniões políticas divergentes.

Quem assistiu o vídeo ficou chocado. Traore Tidiane comentou no Facebook [Fr]:

“Voila la bassesse du regime moribond de LG !!! qui dit kil veut pas la force?”

“Eis o ponto mais baixo do regime moribundo de Gbagbo! Quem disse que ele não quer o poder?”

No dia 10 de dezembro, Jean-Paul Ney, um jornalista francês acusado por Laurent Gbagbo de tentar um golpe de estado em dezembro de 2007, postou no seu site “Les grandes oreilles” um vídeo gravado em 2008, enquanto estava detido em MACA. Ele mostra um motim dos prisioneiros seguido de atos desumanos de tortura por parte das forças militares.

No dia 17 de dezembro de 2010, um dia depois dos massacres que aconteceram no protesto [en] organizado pelos partidários de Ouattara em Abdijan, o mesmo jornalista fez um chamamento na sua conta no twitter para que as pessoas ajudassem os prisioneiros de MACA:

“#civ2010: pour la MACA qui peut se mobiliser sur place et apporter de la nourriture ? Western Union impossible pour la RCI !

“#civ2010: para MACA, quem em Abidjan pode mobilizar-se para trazer comida para a prisão? Western Union é impossível na República da Costa do Marfim!”

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.