Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Panorama da Mídia Cidadã dos Países Lusófonos em 2010

Ao longo de 2010 a blogosfera lusófona apresentou novas perspectivas sobre questões importantes que a grande mídia tende a ignorar. O Global Voices amplificou reflexões dos cidadãos dos quatro continentes, em uma vasta região linguística que vai do Timor Leste, no Sudeste Asiático, a Portugal, na Europa, passando por países de língua Portuguesa na África Sub-Sahariana – Moçambique, Angola, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde – e ainda pelo Brasil, na América do Sul. Neste post vamos compartilhar uma seleção das histórias que a equipe dos países de língua portuguesa cobriu este ano.

O Fenômeno da Mídia Cidadã

A mídia cidadã brasileira acionou alguns movimentos sociais e fenômenos interessantes em 2010.

O ano começou com uma demonstração de afeto, como Raphael Tsavkko relatou em um post sobre a preparação para uma noite de “Beijaço” em São Paulo. O ato público, organizado pelos usuários do Twitter que usam ciberativismo como uma ferramenta de mudança social, se tornaria um protesto em defesa da união civil do mesmo sexo, a criminalização da homofobia, a legalização do aborto e da adoção homo-parental.

A ideia é mostrar, com muita alegria, que as pessoas são diferentes umas das outras, nascem, vivem, se beijam, amam, se relacionam com quem bem entendem, e independente de um ou outro grupo que torce o nariz, sua vida vai continuar acontecendo no anonimato de suas casas.

Em junho, Debora Baldelli explicou como uma autêntica estrela pop alcançou a fama tirando proveito da web. Debora contou-nos a história de Stefhany, cantora brasileira de uma região muito pobre do Brasil, e citou o que a blogosfera estava dizendo sobre ela:

O novo sucesso de Stefhany não deve ser tão ridicularizado como fazem em comentários no youtube com a intenção de mostrar-se distante desse universo popular, mas sim visto como um exemplo nítido do uso em comum à internet, feito por todas classes.

The most widespread image of the CALA BOCA GALVAO joke. Unknown author.

A imagem mais popular da piada do CALA BOCA GALVAO. Autor desconhecido.

Talvez o fenômeno de mídia cidadã mais curioso tenha sido desmistificado por Raphael Tsavkko:

Um famoso jornalista e comentarista brasileiro, Galvão Bueno, foi feito vítima de um enorme fenômeno no twitter quando milhões de usuários mandaram ele calar a boca durante o show de abertura da Copa do Mundo de 2010, em junho. O bordão ‘Cala a Boca Galvão’ acabou como uma piada em todo o mundo, já que os internautas que não compreendiam português não conseguiram entender o significado do assunto que ficou nos “trending topics”, e que levou muitos a crer que era sobre qualquer coisa, menos um pedido para alguém ficar calado.

Eleição Presidencial no Brasil

2010 foi o ano de votar para mais de 135 milhões de cidadãos brasileiros.

Em abril, Paula Góes escreveu um post explicando como um projeto de lei que visava impedir políticos que tenham cometido crimes graves pudessem concorrer a cargos nas eleições estava se tornando viral no país.

Poucos dias antes do primeiro turno das eleições para os próximos Presidente, Governadores, Deputados e Senadores, em 3 de outubro, o Global Voices destacou crimes eleitorais que foram denunciados por cidadãos brasileiros usando a internet para pressionar por eleições limpas.

As portas se abriram para o que poderia ser um novo paradigma de cidadania participativa, onde os cidadãos se fazem ouvir sobre a forma pela qual a política acontece no Brasil.

Com Dilma Roussef tornando-se a primeira mulher presidente do Brasil com a vitória no segundo turno das eleições, Paula Góes informou sobre as reações das blogueiras para este momento histórico, considerado por alguns como “um sinal da mudança dos tempos” e que “conta com proporções ainda não completamente avaliadas”.

Desenvolvimento, Governança e Política

O blogosfera de Moçambique e Angola teve o que dizer sobre governança, desenvolvimento e política durante este ano.

Em Moçambique, os países doadores suspenderam brevemente o apoio orçamental ao Governo por conta de preocupações com a corrupção, o que provocou uma análise e debate sobre ajuda, corrupção e governança, como Janet Gunter informou em maio.

Em e 2 de setembro, Maputo acordou com violentos distúrbios por conta da decisão governamental de aumentar os preços dos alimentos, água e eletricidade. Janet escreveu sobre as reflexões dos blogueiros [en] sobre a resposta do governo, abordando os aspectos econômicos, políticos e sociais dos acontecimentos. As críticas da “sociedade civil”, a globalização e o modelo econômico de Moçambique eram inúmeras.

Em junho, Clara Onofre escreveu sobre a decisão do governo angolano de fechar as “portas” do Mercado Roque Santeiro e reabri-lo em uma área mais digna e mais moderna chamada Panguila.

Roque Santeiro Market by Menina de Angola

O desenvolvimento experimentado por Luanda mantém um dos espaços mais frequentados comerciais da cidade, que gera milhares de dólares por dia. Foto: Roque Santeiro, por Menina de Angola.

Energia

A produção e exploração de energia, bem como o seus futuros impactos sociais e ambientais, também têm sido tema de discussão entre internautas lusófonos.

Em janeiro, Janet Gunter informou [en] sobre o anúncio da revogação da concessão de um terreno enorme para a empresa Procana biocombustíveis, feito pelo Conselho de Ministros de Moçambique. Estava em jogo a gestão de terras nacionalizadas em uma área na fronteira com o transfronteiriço Parque Nacional do Limpopo, onde vivem 38 mil pessoas. Após denúncias de ONGs, alguns meses depois, em julho, Janet reuniu as reações da blogosfera quanto a um acordo trilateral entre Brasil, Moçambique e a União Europeia fomentando a produção de etanol em Moçambique para o mercado europeu.

Do outro lado do Oceano Índico, a riqueza de recursos naturais de Timor Leste também foi o centro das atenções. Janet escreveu sobre o uso do Fundo Petrolífero do Timor a partir de campos de petróleo – principal fonte de receitas do país – e nos deu uma visão geral sobre a possível criação de uma Companhia Nacional de Petróleo.

Flickr User United Nations Photo, CC

Um artigo diferente revela graves tensões entre os líderes timorenses, a Austrália e a Woodside, a empresa multinacional que espera lucrar com novos recursos petrolíferos no território timorense. Foto: usuário do Flickr United Photo Nações, CC

Blogosferas em Crescimento

A Blogosfera de São Tomé e Príncipe é ainda pequena. No entanto, desde o início de 2010, os blogueiros se uniram para denunciar um desvio das águas do principal hospital do país e para pressionar o governo a agir.

A blogosfera de Guiné-Bissau foi agitada durante todo o ano por António Aly Silva, do blog Ditadura do Consenso. Em uma entrevista para o Global Voices, Aly – considerado por muitos a face mais visível e ativa de arena online do país – deu-nos um vislumbre de como é ser um blogueiro subversivo em Guiné-Bissau.

Povos Indígenas

Indígenas brasileiros também foram destaque no Global Voices em 2010.

Em novembro, Raphael Tsavkko e Sara Moreira escreveram sobre os constantes ataques e o aumento alarmante de suicídios que os Guarani Kaiowá vêm sofrendo. Eles são um dos três grupos descendentes dos Guarani originais que ainda representam um dos mais numerosos grupos indígenas no Brasil, apesar de terem sido profundamente afetados pela perda de quase todas as suas terras no século passado.

Photo by simpindigena, used with permission.

Foto por simpindigena, usada sob permissão.

A tecnologia tem ganhado terreno como um meio eficaz para garantir a vida e a cultura indígenas. Em agosto, Elisa Thiago contou-nos como ferramentas como o Google Earth e o GPS ajudam nos esforços de reflorestamento e no combate ao desmatamento.

Chicoepab Surui, do povo Paiter Suruí da Amazônia, fez a cobertura da primeira reunião de delegados de 16 comunidades indígenas de todo o Brasil para discutir a Internet e como usá-la em favor dos povos indígenas:

Hoje nós indígenas utilizamos esta Tecnologia que não pertence à nossa cultura como uma ferramenta de buscar melhorias para nossas comunidades e lutar por nossos direitos.

Com o objetivo de promover para uma audiência internacional uma nova perspectiva sobre o Brasil exibida por seus povos indígenas, a estreia de Chicoepab no Global Voices marca o pontapé inicial para um projeto-piloto com uma comunidade de Rondônia. Em 2011, o Repórter Surui irá reportar assuntos de interesse indígena e notícias gerais para o Global Voices Português a partir da perspectiva dos povos indígenas.

Continue conosco em 2011 para ouvir mais histórias de jornalistas cidadãos dos países de língua portuguesa. Se você quiser unir-se à nossa equipe multicultural no Global Voices Lusofonia e nos ajudar a quebrar a barreira da língua que separa blogosferas, povos e países, entre em contato conosco.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.