Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

África: Cablegate: Os EUA se importam tanto assim com a África?

Blogueiros reagem aos documentos publicados pelo WikiLeaks [en] (Cablegate), que divulgou comunicação sigilosa entre o Departamento de Estado dos Estados Unidos e suas embaixadas pelo mundo. Os documentos fazem referência a países africanos e a seus líderes.

Life is Savage avalia as referências [en] a documentos sul-africanos:

I’ve scanned the interwebs and here’s a quick rundown of how South Africa features in the Wikileaks documents so far:

* Winnie Madikizela-Mandela helped US officials gain access to Madiba
* Nelson Mandela criticised for his opposition to the US led invasion of Iraq
* ANC co-operated with US intelligence services and gave confidential info before 1994 elections
* Planned De Klerk speech that changed South Africa and paved the way for Nelson Mandela to be released from prison
* Nelson Mandela was “furious” when a top adviser stopped him meeting Margaret Thatcher
* SA International Affairs minister called Robert Mugabe a” crazy old man”

That’s all for now , but only a fraction of the 250 000 documents have been released so expect more later. I’ll update you when further South African communications are released. If you have any other SA developments just leave a comment.

Fiz uma busca na internet e aqui está um resumo de como a África do Sul aparece até agora nos documentos do Wikileaks:

* Winnie Madikizela-Mandela ajudou oficiais dos EUA a ter contato com Madiba (Nelson Mandela)
* Nelson Mandela foi criticado por sua oposição à invasão ao Iraque pelos EUA
* O CNA (Congresso Nacional Africano) cooperou com os serviços de inteligência dos EUA e concedeu informações confidenciais antes das eleições 1994
* Foi planejado o discurso de De Klerk que mudou a África do Sul e contribuiu para que Nelson Mandela fosse liberado da prisão
* Nelson Mandela ficou “furioso” quando um alto conselheiro o impediu de se encontrar com Margaret Thatcher
* O ministro sul-africano de Relações Exteriores chamou Robert Mugabe de “um velho doido”.

Por enquanto, isso é tudo, mas apenas uma parte dos 250.000 documentos foram divulgados, então aguardemos por mais. Atualizarei quando outras comunicações sul-africanas forem divulgadas. Se você tiver novidades sobre a África do Sul, deixe um comentário.

Sarah Onyango, uma estudante de Comunicação da Cidade do Cabo, África do Sul, gostaria de saber se George Bush denegriu Nelson Mandela:

As I write governments likely to be impacted by the leaks are busy briefing thier news media about the need to publish the leaks responsibly and in the interests of thier national security. A criticism of Mandela by George Bush does not readly strike me as harmful except of cours to couse some minor diplomatic embarrasement.

It is, therefore, disappointing that the very transparancy and respect for media that is incessantly preached to non-Western governments is being trampled on in this case. Ironically the same reasons or shall we say “excuses” we are familiar with in our not so “democratic” areas of the world are being used. I wonder who is truely learning from whom?

The very reason why new media and that includes the likes of WikiLeaks and the plethora of blogs that populate the internet are increasingly becoming more powerful is that they are less easily nullified and pressured to “toe the line”. Old media reflects the standard Government hypocrisy of lies, denial and deceit.

The plot thickens but the question still stands…..We need to know if George Bush really denigrated Mandela! The truth will set you free!

Enquanto eu escrevo, os governos mencionados pelos vazamentos estão ocupados, instruindo seus meios de comunicação sobre a necessidade de publicar os vazamentos responsavelmente, segundo interesses de segurança nacional. Uma crítica de George Bush a Mandela não me parece imediatamente como nociva, mas, claro, é capaz de causar um pequeno constrangimento diplomático.

Portanto, é desapontador que a transparência e o respeito pela mídia que são incessantemente apregoados para governos não-ocidentais estejam sendo esmagados neste caso. Ironicamente, os mesmos motivos – ou deveríamos dizer as “desculpas” – que são familiares às nossas áreas do mundo não tão “democráticas” estão sendo usados. Pergunto-me quem está realmente aprendendo com quem?

O motivo pelo qual novas mídias, incluindo WikiLeaks e seus afins, e uma pletora de blogs que povoam a internet estão cada vez mais poderosos é que eles são menos facilmente anulados e pressionados a “seguir a linha”. A velha mídia reflete o padrão de hipocrisia de governo, com mentiras, negação e enganação.

A trama se complica, mas a questão permanece… Precisamos saber se George Bush realmente denegriu Mandela! A verdade será libertadora!

Um blogueiro no MyWeku pergunta: “Os EUA se importam tanto assim com a África ?” [en]:

The Wikileaks U.S. diplomatic documents dropped yesterday. The 250,000 WikiLeak cables made references to Africa and its leaders. These are still being mulled over in the hope of piecing together America’s view of Africa. Top issues considered as important to the Amerians included “Darfur/Sudan,” and surprisingly eight West African states including Burkina Faso, Mauritania and Senegal. Does the US really care for Africa this much?

O WikiLeaks revelou documentos diplomáticos dos EUA ontem. Os 250.000 “cabos” do WikiLeaks fazem referências à África e a seus líderes. Esses ainda estão sendo digeridos na esperança de que se monte uma visão estadunidense sobre a África. Os assuntos considerados mais caros aos estadunidenses incluem “Darfur/Sudão” e -surpreendentemente- oito países da África Ocidental, incluindo Burkisa Faso, Mauritânia e Senegal. Os EUA se importam tanto assim com a África?


Os países africanos e os líderes mencionados nos WikiLeaks
[en]:

Main African WikiLeak Headline Events

*
Burundi: 16/04/09- Washington wants diplomats to send DNA and iris scans for African leaders in the great lakes region.

*
Sudan: 16/04/09 – Washington launches intelligence trawl on West Sahara States

*
Egypt: 02/10/08 – Egypt Spy Chief promises pressure on Hamas

Links to Africa Cables

*
Mandela’s release and what he thought of De klerk: Viewing cable 90CAPETOWN97

*
A glimpse into Libyan Leader Qadhafi’s eccentricties: Viewing cable 09TRIPOLI771

*
President Mubarak of Egypt quote “The British were behind this “big fuss” and that the pressure from other African leaders was sufficiently soft that Mugabe can do what he wants.”: Viewing cable 08CAIRO1637

*
Washington wants diplomats to send DNA and iris scans for African leaders in the great lakes region: Viewing cable 09STATE37561

*
Washington launches intelligence trawl on West Sahara States: Viewing cable 09STATE37566

Os Principais Eventos Africanos citados no WikiLeaks

*
Burundi: 16/04/09- Washington quer que diplomatas enviem DNA e escaneamento de íris de líderes africanos da região dos Grandes Lagos.

*
Sudan: 16/04/09 – Washington inaugura sistema de inteligência nos estados do Saara ocidental

*
Egito: 02/10/08 – Chefe de espionagem egípcio promete pressão sobre Hamas

Links aos Cabos Africanos

*
A libertação de Mandela e o que ele pensava de De Klerk: Ver cabo 90CAPETOWN97

*
Um olhar sobre as excentricidades do líder da Líbia, Qadhafi: Ver cabo 09TRIPOLI771

*
Presidente Mubarak do Egito disse “Os Britânicos estavam atrás de uma “grande balbúrdia”, e a pressão de outros líderes africanos era leve o suficente para Mugabe fazer o que bem entendesse.”: Ver cabo 08CAIRO1637

*
Washington quer que diplomatas enviem DNA e escaneamento de íris de líderes africanos da região dos Grandes Lagos: Ver cabo 09STATE37561

*
Washington inaugura sistema de inteligência nos estados do Saara ocidental: Ver cabo 09STATE37566

Apesar de tudo, alguns blogueiros acreditam que os documentos não sejam autênticos. Maishinski chama [en] o fundador do WikiLeaks de “útil idiota”:

1. The latest wiki-“leaks” are not really leaks at all, but mere US propaganda…

The setting is perfect: who wouldn't want to read “classified” / “top secret” documents – especially from an over-secretive source like the US? It is human nature to be inquisitive – more so when faced with a pandora's box…

If I was the US and wanted to influence perceptions/political dynamics, I would simply create fake classified documents whose contents surreptitiously promote my overt/covert agenda and then have somebody (preferably unwittingly) leak them out to the world.

Most people would be inclined to believe the contents without questioning their authenticity/veracity – simply because the source is perceived as anti-establishment. Thus vigilantes like the wikileak founder run the risk of being converted to tools of imperialist propaganda a.k.a useful idiots.

1. Os recentes wiki-“leaks” (do inglês “vazamentos”) não são realmente vazamentos, mas mera propaganda dos EUA…

A situação é perfeita: quem não gostaria de ler documentos “confidenciais” / “sigilosos” – especialmente de uma fonte ultrassecreta como os EUA? É da natureza humana ser curioso – ainda mais frente à caixa de Pandora…

Se eu fosse os Estados Unidos e quisesse influenciar percepções/dinâmicas políticas, eu simplesmente criaria falsos documentos confidenciais cujos conteúdos sorrateiramente promovessem minha agenda explícita/secreta e ter alguém (de preferência inconscientemente) para vazá-los para o mundo.

Maioria das pessoas estaria inclinada a acreditar nos conteúdos sem questionar sua autenticidade/veracidade – simplesmente porque a fonte é percebida como opositora ao sistema. Dessa forma, vigilantes como o fundador do wikileaks correm o risco de se tornarem peças de propaganda imperialista, leia-se também como “idiotas úteis”.

Os documentos compõem um arsenal psicológico dos Estados Unidos? [en]:

3. What we are witnessing is a change in US tactics from direct action to Psychological Warfare.

Just because something is written on paper doesn't mean it's true… Grab your pop corn, kick back, and enjoy the show!

3. O que estamos a testemunhar é uma mudança na tática dos EUA, da ação direta ao arsenal psicológico.

Só porque algo está escrito em papel não quer dizer que seja verdade… Pegue sua pipoca, relaxe e aproveite o show!

Cidadão Kane diz que é difícil separar fato de ficção: [en]

Watch out! I am still monitoring news comments elsewhere but there are already some people that are suggesting that Wikileaks is a false flag operation in order to befuddle the real issues. They write that if Wikileaks really has such national critical information then the Wikileaks owner would have been assassinated long time already.

It is damn difficult to differentiate between fact and fiction – look how long the global warming story had been maintained and still is being maintained.

Atenção! Ainda monitoro os noticiários de outros lugares, mas já há pessoas que sugerem que o WikiLeaks seja uma operação “de bandeira falsa” para tirar o foco das verdadeiras questões. Eles escrevem que, se o WikiLeaks de fato tivesse toda essa informação nacional, o dono do WikiLeaks já teria sido assassinado.

É muito complicado diferenciar entre fato e ficção – como exemplo, veja há quanto tempo a história do aquecimento global tem sido e está sendo mantida.

1 comentário

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.