Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Paquistão: Ou Seria Pornistão?

No mês passado, a Fox News publicou uma reportagem [en] intitulada “Nação Número 1 pesquisa por sexo na web? Chame de Pornistão”, alegando que o Paquistão está em primeiro lugar de pesquisas na web de pornografia, de acordo com o Google. A reportagem veio em meio a discussões acaloradas sobre a censura na internet no Paquistão. O Supremo Tribunal de Lahore, em uma tentativa de banir conteúdos blasfemos, acabou passando ordens para bloquear sites de redes sociais como Facebook, Twitter e até mesmo serviços de Blackberry. Isto fez com que a a blogosfera começasse a se movimentar sobre a questão dos sites pornôs, acessíveis a qualquer um, enquanto sites de redes sociais permaneciam bloqueados.

No meu próprio blog [en], enquanto comentando sobre censura à internet e a questão dos conteúdos blasfemos, levantei a questão dos sites pornôs permanecendo acessíveis, apesar da censura em ação.

For all those bent on moral-policing the internet in the name of religion, please pay some heed to the thousands of child porn websites that are still accessible in Pakistan, none of which have been mentioned in 10,428 sites to be banned. When will we learn to prioritize?

Para todos aqueles inclinados ao policiamento moral da internet em nome da religião, por favor prestem atenção a alguns dos milhares de sites de pornografia infantil que ainda estão acessíveis no Paquistão, nenhum dos quais mencionados em [na lista de] 10.428 sites a serem banidos. Quando vamos aprender a priorizar?

Apesar de todas as discussões, a reportagem da Fox News chocou a muitos, principalmente porque o Paquistão tem uma porcentagem baixa de usuários de internet em comparação ao resto do mundo. A reportagem não só afirmou que o Paquistão aparece como a nação líder de buscas por pornografia, mas também forneceu palavras-chave sugerindo um interesse considerável por bestialidade e pornografia infantil. O relatório tem sido visto como uma acusação grave e tem sido amplamente discutido por blogueiros e pela mídia.

Kalsoom Lakhani do blog CHUP – Changing Up Pakistan [en] está chocada e aborrecida com os resultados da reportagem:

Although I’m frankly disgusted (and horrified) that we are prominent on yet another negative list, I’m not that surprised. Because despite Fox and TIME claims that Pakistan is “a Muslim nation, notorious for conservative [and] religious orthodoxy,” we have perverts, just like every other country in the world, (cue: Pakistanis, they’re just like us!). There’s a reason why internet cafes in Pakistan are filled to the brim with seedy characters, and it’s not because they’re just checking e-mail. I am not denying the hypocrisy behind banning social media and other websites but giving a green light to the above – but hypocrisy extends to much wider issues and to all societies. The framing of the issue by Fox and other news agencies, in my opinion, is also cause for discussion.

Ainda que eu esteja francamente aborrecida (e horrorizada) que nós sejamos proeminentes em mais uma lista negativa, eu não estou tão surpresa. Porque apesar da Fox e da TIME [en] afirarem que o Paquistão é “uma nação muçulmana notória pela ortodoxia conservadora [e] religiosa,” nós temos pervertidos, assim como todos os outros países do mundo, (dica: paquistaneses, elas são como nós!) . Há uma razão pela qual os cibercafés no Paquistão estão cheios até a borda com personagens decadentes, e não é porque eles estão apenas checando o e-mail. Não estou negando a hipocrisia por trás da proibição de mídia social e de outros sites, mas dando um sinal verde para o descrito acima -, mas a hipocrisia se estende às questões muito mais amplas e para todas as sociedades. A definição do problema trazido pela Fox e outras agências de notícias, na minha opinião, também é motivo de discussão.

Um post no Kool Muzone apresenta uma extensa análise da reportagem da Fox:

Today Fox News published a report on Pakistan and refereed to it as Pornistan claiming that it is “No. 1 Nation in Sexy Web Searches”. Whatever keywords Fox News has mentioned are factual and not made-up. I don’t deny the fact that Pakistan ranks 1st on these keywords. I also don’t deny the fact that porn is popular in Pakistan. However, I deny that Pakistan is “No. 1 Nation in Sexy Web Searches” as claimed by Fox News.

Hoje a Fox News publicou uma reportagem sobre o Paquistão e se referiu a ele como Pornistão alegando que [o país] é a “Nação número 1 em pesquisas por sexo na web”. Quaisquer palavras-chave mencionadass pela Fox News são factuais e não inventadas. Eu não nego o fato de que o Paquistão ocupa o primeiro lugar entre estas palavras-chave. Eu também não nego o fato de que a pornografia é popular no Paquistão. No entanto, eu nego que o Paquistão seja a “Nação número 1 em pesquisas por sexo na web”, como alegado pela Fox News.

O post inclui uma detalhada análise das diferentes palavras-chave e traz imagens captadas do rank do Google e conclui:

I don’t see Pakistan occurring even in the top 10 regions here. It’s a shame how Fox news has refereed to a country as Pornistan just to sell their papers off. We all exactly know the status of Fox news in international media. The stunt they played is exactly like referring to Pakistan as “Number 1 nation in music searches” since it ranks number 1 on keyword “Sufi Music”!

Não vejo o Paquistão ocorrendo nem mesmo entre as top 10 regiões aqui. É uma vergonha como a Fox News se referiu a um país como Pornistão apenas para vender sua matéria. Todos nós sabemos exatamente o status da  Fox News na mídia internacional. O façanha que conseguiram é exatamente como se referir ao Paquistão como “Nação número um em busca de música”, já que ocupa o primeiro lugar a palavra-chave “música Sufi”!

Enquanto isso o Google oficialmente negou [en] a precisão das suas tendências de pesquisa utilizadas no relatório da Fox News, dizendo que o tamanho da amostra é demasiado pequena para que os resultados sejam estatisticamente sólidos.

Ammar Yasir criticou a reportagem enquanto notava alguns pontos válidos sobre a censura da internet no Paquistão:

Frankly speaking the standard of journalism Fox News is infamous for, its special love for Pakistan and the Muslim world over the years and Google’s disassociation with the fox story takes away our special internet achievement. But I am sure folks around the world might have a good laugh on the story and our sexy (pervert is the correct word) nature. But does it take away the fact; that some of us actually make these searches or watch porn of similar genre (scary thought)? I think not, it actually signifies another attribute of our hypocritical nature. Like banning Facebook, YouTube and even Wikipedia but no such order against porn sites, I wonder why?

Falando francamente, o padrão do jornalismo da Fox News é infame por seu especial amor pelo Paquistão e pelo mundo Muçulmano ao longo dos anos, e o distanciamento do Google com a matéria da Fox tira nossa especial conquista na internet. Mas eu estou certo de que as pessoas ao redor do mundo devem ter dado uma boa risada com a matéria e nossa natureza sexy (pervertida é a palavra correta). Mas será que isto apaga o fato de que alguns de nós efetivamente fazemos estas pesquisas ou assistimos pornô de gênero similar (pensamento assustador)? Eu acho que não, na verdade significa outro atributo de nossa natureza hipócrita. Como proibir o Facebook, Youtube e até a Wikipedia mas não haver tal ordem contra sites pornô (?), eu me pergunto o porque.

Independentemente das reivindicações feitas pela reportagem, uma coisa parece ser clara, a campanha em curso de censura da Internet contra conteúdo blasfemo pelos tribunais paquistaneses parece ser dirigida às ferramentas de redes sociais em vez de [contra] “conteúdo questionável”, tais como sites de pornografia infantil.

1 comentário

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.