Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Paquistão: Baluchistão – Uma bomba-relógio

Bela imagem do Baluchistão. Imagem do usuário do Flickr NotMicroButSoft. Sob CC

Baluchistão, a maior província do Paquistão (43%  da área do país), tem sido um viveiro de anarquia. Moign Khawaja citou um Balochi [en] em seu diário de viagem Neo Martian's Notes [Notas de um Neo Marciano] para destacar a situação no Baluchistão:

“Guess a land that is blessed with natural wealth yet suffers from chronic poverty. A civilisation that is rich of culture and traditions yet suffers from degradation. A nation that takes pride in its values and traditions yet suffers from suppression of identity. A labourer that works hard with patience and diligence yet gets exploitation and oppression as wages. And ironically, a cow that is forced to give milk yet starves for fodder to survive.”

“Imagine uma terra que é abençoada com a riqueza natural e ainda sofre com a pobreza crônica. Uma civilização que é rica em cultura e tradições ainda sofre com a degradação. Uma nação que se orgulha de seus valores e tradições ainda sofre com a supressão da identidade. Um operário que trabalha duro, com paciência e diligência ainda recebe exploração e opressão como salários. E, ironicamente, uma vaca que é forçado a dar leite ainda passa fome para as forragens sobreviverem. “

Os fatores que levam a tal estado remontam ao dia da independência do Paquistão. Apesar do fato de que o governo central tem perseguidos os Balochis há muito tempo por causa de seus sentimentos nacionalistas, eles ainda ressoam em sua convicção. Ale Natiq, um ex-aluno da FAST University, levou uma expedição para o Baluchistão para reunir narrativas em primeira mão. Ele escreve em seu blog:

“We had many meetings the next day with people from diverse backgrounds and ideologies – students, teachers, doctors, politicians, social workers, aam-shehri(common citizens), activists and an intellectual. An ex-member of the BSO-Azad (Baloch Students Organization- Azad) briefed us in detail about the historical facts. It was surprising to learn that Balochistan was independent for many years before the emergence of Pakistan and that they never wanted to be part of Pakistan. He told that Jinnah himself had been the lawyer for the Khan of Kalat, the then ruler of the independent Balochistan, for a case against the British regarding the sovereignty of Balochistan. After the creation of Pakistan, when Jinnah offered them to be a part of Pakistan, both the houses of then parliament of Balochistan (house of lords and house of common) refused to be merged with Pakistan, thus later in 1948 the area was captured by the Pakistan Army and included in Pakistan by force and since then they are being deprived of their rights.”

Tivemos muitas reuniões no dia seguinte com pessoas de diversas origens e ideologias – alunos, professores, médicos, políticos, assistentes sociais, aam-shehri (cidadãos comuns), ativistas e um intelectual. Um ex-membro do BSO-Azad (Organização dos Estudantes Baluchis-Azad) informou-nos em pormenor sobre os fatos históricos. Foi surpreendente saber que o Baluchistão foi independente durante muitos anos antes do surgimento do Paquistão e que nunca quis fazer parte do Paquistão. Ele disse que o próprio  Jinnah [pai da independência do Paquistão] tinha sido o advogado do Khan [Cã] de Kalat, o então governador do Baluchistão independente, para um processo contra os britânicos sobre a soberania do Baluchistão. Após a criação do Paquistão, quando Jinnah lhes ofereceu para ser uma parte do Paquistão, ambas as casas do parlamento do Baluchistão (câmara dos lordes e dos comuns)  se recusaram a se fundir com o Paquistão, assim, mais tarde, em 1948, a área foi capturada por Exército do Paquistão e incluída no Paquistão pela força e, desde então, [eles] estão sendo privados de seus direitos

O “Instrumento de Adesão” de Kalat com o Paquistão, quando assinado contra a vontade da maioria do povo Baluche, afirmou claramente que, entre outras coisas, a estrutura constitucional do Paquistão não seria implementada no Baluchistão sem o consentimento de Khan e de seu povo”, observa Urooj Zia em um post convidado no blog Bazm-E-Rindaan.

O fato triste, porém, é que hoje o Baluchistão não tem concedido nem autonomia provincial, nem um retorno justo para os seus vastos recursos que o “Centro” vem explorando há décadas. O gás natural, descoberto no Baluchistão por volta de 1953 e exportado hoje para os mais remotos distritos de Punjab e Sindh é fornecido para apenas 4 dos 24 distritos do Baluchistão em si. Urooj cita:

“Balochistan’s growth indicators have also been far worse than those of the rest of the country, despite the province’s rich mineral and maritime resources. Natural gas, for instance, is taken from Balochistan and piped to the rest of the country, leaving the Baloch to burn wood trucked in from Sindh.”

“Os Indicadores de Crescimento do Baluchistão também têm sido muito piores do que as do resto do país, apesar da riqueza mineral e de recursos marítimos da província. O Gás natural, por exemplo, é retirado do Baluchistão e canalizado para o resto do país, deixando os Baluchis queimarem a madeira transportada do Sindh.

That's not it, however. Such repressive policies have led to frequent uprisings in the past which the Army has brutally crushed each time. Today, Army is synonymous with extra-judicial killings, abduction and missing persons in this region.

Não é isso, porém. Tais políticas repressivas provocaram levantes freqüentes no passado em que o Exército  brutalmente esmagou cada vez. Hoje, o Exército é sinônimo de assassinatos extrajudiciais, raptos e pessoas desaparecidas na região.

Sheheryar Ali destaca o terror em seu blog:

“What is happening in Balochistan is unbelievable. People have been “burnt alive” in molten coal-tar by Pakistan army. Thousands of Baloch students, intellectuals and political activists have been “disappeared”. Pakistani secret agencies are largely considered responsible for these disappearances.”

“O que está acontecendo no Baluchistão é inacreditável. As pessoas tem sido “queimadas vivas” no alcatrão derretido pelo exército do Paquistão. Milhares de estudantes baluchis, intelectuais e ativistas políticos foram “desaparecidos “. As agências secretas paquistanesas são largamente consideradas responsáveis por esses desaparecimentos”.

Estas alegações são apoiadas por relatórios de organizações independentes de direitos humanos, que falam sobre o desaparecimento de cerca de 8000 pessoas desde 2005.

A incapacidade histórica dos governos provinciais e do controle expresso do Centro sobre os assuntos da província causou enorme desencanto entre os Baluchis das formas constitucionais. E a juventude cada vez mais se envolve na luta armada. Se o Paquistão, hoje, não deseja outra separação face como a de 1971 [Nota GV- Separação de Bangladesh], o governo federal precisa ser mais humano em suas políticas em relação ao Baluchistão.

Urooj conclui sua nota com estas linhass:

“The Pakistani intelligentsia needs to get its priorities straight: support for an oppressed people is more important than perceived concepts of patriotism and love for artificial lines on maps. Silence or neutrality in the face of oppression is also part of the support for oppression; and in the era of the internet and new media resources, ‘I didn’t know’ cannot be the answer to the question of Balochistan.”

A intelligentsia do Paquistão precisa ter claras as suas prioridades: o apoio para um povo oprimido é mais importante do que conceitos percebidos de patriotismo e amor por linhas artificial em mapas. Silêncio ou neutralidade em face da opressão é também parte do apoio para a opressão; e na era da internet e de novos recursos de mídia, “eu não sabia” não pode ser a resposta para a questão do Baluchistão.

1 comentário

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.