Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Argentina: Aprovado Casamento Entre Pessoas do Mesmo Sexo

O Senado argentino sancionou [en] uma lei que estabelece a igualdade de direitos para o casamento [en], sem discriminar entre casais heterossexuais e homossexuais, e com os mesmos direitos de adoção, entre outras questões. Com esta medida, a Argentina se torna o primeiro país latino-americano [en] a permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A lei foi aprovada com o voto individual dos senadores de diferentes partidos políticos, os partidos deram aos senadores a liberdade para apoiar ou rejeitar a lei.

O tema foi amplamente debatido no Twitter, onde a hashtag #matrimoniogay (casamento gay) se tornou um dos “trending topics” da ferramenta em escala mundial por muitas horas. Pudemos ver um grande número de tweets sobre o assunto. Muitos deles vieram de usuários de outros países latino-americanos, que também compartilharam suas opiniões sobre este tema. Aqui está uma pequena seleção de tweets daqueles aprovaram a novidade:

@DiegoF A los creyentes: ya está, si dios permitió que se apruebe es porque no tiene problemas con el #matrimoniogay así que aflojen con el rezo

Para os crentes: iluminem-se, se Deus permitiu a aprovação desta lei, é porque ele não tem problemas com #matrimoniogay, então pare com a oração.

@Agustiina Haber despertado con la noticia de la aprobación del #matrimoniogay me hace sentir orgullosa de vivir en un país que busca la igualdad

Acordar com a notícia da aprovação do #matrimoniogay me deixa orgulhoso de viver em um país que busca a igualdade.

@politikaetc Que bonito! parabéns, Argentina. Grande exemplo pra América Latina. #matrimoniogay

@rianxeiro ¡Felicidades Argentina! a seguirle el paso a los vecinos… Perdieron el mundial pero la ganaron en igualdad

Parabéns, Argentina! seus vizinhos terão que seguir o seu exemplo. Você pode ter perdido a Copa do Mundo, mas você ganhou na igualdade.

@naty_cali Vivimos en un país mejor que el de ayer.

Hoje vivemos em um país melhor do que ontem.

No Twitter, também podemos ver algumas opiniões que condenam esta igualdade de direitos – alguns argumentos apelam para recursos de discurso religioso -, mas em menor escala em comparação com as declarações de alegria pela aprovação da lei. Aqui estão alguns exemplos:

@GregOrio No tengo nada en contra de la union del mismo sexo, pero les recuerdo que Dios creo al hombre y a la mujer para que formen una familia

Não tenho nada contra a união de casais do mesmo sexo, mas deixe-me lembrá-lo que Deus criou o homem e a mulher por uma razão, para que pudessem formar uma família.

@Pedro493 Argentina se convierte en el Primer Pais Latino y Suramericano en aprobar la Legalidad del Matrimonio Gay en un Codigo Civil… Que asco!

Argentina torna-se o primeiro país sul-americano a aprovar a legalidade do casamento gay no código civil …. Que nojo!

Desde que a lei foi aprovada poucas horas atrás, não há ainda muitos posts em blogs, mas você pode ler algumas reações positivas aqui: Es la gente, estúpido [es]; Artepolítica [es]; 100 Volando [es], e Hernán Haines [es].

Com a sanção inicial da Câmara dos Deputados [en] e da decisão do Senado, um forte debate foi apoiado por membros de organizações como a Igreja Católica, que protestou contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo [en], baseando-se em crenças religiosas específicas, reivindicou a continuidade das leis que implicam a discriminação. Esses grupos reuniram 50-60 mil pessoas em uma manifestação [en] que em 13 de julho. Você pode ler algumas opiniões sobre posição, aqui: Argentavis [es]Baradero Hoy [es].

O thumbnail neste post é “Marcha em favor da Lei do Casamento Gay na Argentina” do usuário do Flickr Globovisión usada sob uma licença Creative Commons.

3 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.