Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Global: Rachel Corrie “Imortalizada” Com a Missão do Navio

Rachel Corrie era uma jovem ativista da paz americana que foi assassinada em 2003 em Gaza, enquanto trabalhava com o Movimento de Solidariedade Internacional. Quando Corrie estava na frente de uma casa palestina para protegê-la de ser demolida pelas forças israelenses, foi atropelada por uma escavadeira das Forças de Defesa de Israel (IDF) e morreu instantaneamente. Corrie tornou-se, para muitos, um símbolo de paz, com mais de 30 canções, uma cantata, um jogo, e agora um navio, com o seu nome.

O navio, chamado MV Rachel Corrie, partiu da Irlanda levando 11 passageiros e 9 membros da tripulação de 5 países, principalmente Irlanda e Malásia. Incluído entre os passageiros estava a Nobel da Paz Mairead Maguire, a membro do Parlamento malaio pela cidade de Parit, Mohd Nizar Zakaria, e o ex-assistente do Secretário-Geral da ONU, Denis Halliday.

À medida em que o MV Rachel Corrie se aproximava de Gaza, no entanto, ficou claro que Israel estava mais uma vez à caminho de impedir o navio de entregar ajuda e, assim, quebrar o cerco. Aproximadamente às 10:00 UTC +3, desde os EUA, Remroum informou que Israel havia pedido para o navio mudar seu curso:

Israel pediu ao Rachel Corrie para “mudar de curso”. Porque você não muda de direção? Acabem com o Apartheid, ocupação, racismo e permitam aos refugiados retornar

Pouco tempo depois, começaram a surgir relatos que o MV Rachel Corrie tinha sido interceptado pela IDF (Forças de Defesa de Israel) e obrigado a atracar no porto israelense de Ashdod. No Twitter, a ativista malaia JuanaJaafar observou:

Por favor se informem de que o MV Rachel Corrie nunca teve a intenção de atracar em Ashdod. Ela foi levada lá contra sua vontade #RachelCorrie

Gaza Under Siege [Gaza sob Ocupação] tuitou um vídeo da iraniana Press TV, que foi ao ar logo após o MV Rachel Corrie ter sido parado pela IDF. O vídeo, que inclui comentários de jornalistas no local, mostra o navio sendo interceptado:

Efe Moral, que vive na Turquia, tuitou ao vivo muito dos eventos da Flotilha e observou que depois que o navio ter sido interceptado, o auxílio seria levado a Gaza:

A Al Jazeera também relatou que a #IDF irá inspecionar e levará a carga do #RachelCorrie para #Gaza sob a vigilância dos passageiros da #flotilla. #flotilla

Surgiram também relatos em que as forças israelenses recusaram-se a chamar o navio pelo seu nome registrado, MV Rachel Corrie, e ao invés disso se referiram a ele como “Linda”, seu nome anterior. A Fundação Rachel Corrie tuitou isto:

Relatos de que a marinha israelense se recusou a chamar o navio pelo seu nome, “Rachel Corrie”. Chamaram [o navio] de “Linda” (seu nome original), ao invés. #flotilla

Um vídeo colocado no ar pela IDF confirma (00:31):

Há uma raiva considerável quanto ao fato de que o MV Rachel Corrie foi interceptado, mas também uma sensação de alívio [visto que] os passageiros estão a salvo. Por fim, como salienta o jornalista Hossam el-Hamalawy no Twitter, Rachel Corrie foi imortalizada com a missão do MV Rachel Corrie:

O nome #RachelCorrie foi imortalizado. Cada vez que é mencionado nos noticiários, Israel perde um ponto. E Israel vem perdendo muitos

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.