Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

China: Dando “Adeus” ao Google

Após o recente cancelamento da ferramenta de buscas Google.cn do Google, na China continental, que agora é redirecionada para a página correspondente em Hong Kong, apoiadores da empresa compareceram novamente à sede da Google em Pequim para as últimas homenagens.

Enquanto o Google se prepara para sair (parcialmente), algumas sérias perguntas permanecem sem resposta, tanto do governo chinês e, como lembrou Bill Bishop no DigiCha, também do Google.

Com fãs do Google (e agentes secretos à paisana) reunidos junto à logo do Google, o internauta Gao Ming aproveitou a oportunidade para entrevistar esses fãs sobre quais serviços localizados do Google eles sentirão falta.

[atualização: o vídeo de Gao Ming foi removido do Youku (acima), mas uma cópia de backup (abaixo) foi salva no dotSUB]

[atualização2: alguém enviou um vídeo de apoiadores do Google Pequim sendo dispersados pela polícia, a que se seguiu a cantoria da música Grass Mud Horse.]

Mais tarde na mesma noite, estima-se [zh] que uma multidão de centenas de apoiadores começaram a cantar a música Grass Mud Horse, até que a polícia apareceu para dispersá-los. O blogueiro C.A. Yeung, do Under the Jacaranda Tree, twittou do local na hora dos acontecimentos [en] que “mais de 10 ativistas de direitos humanos chineses e muitos mais internautas se reuniram na sede do Google China.”

Depois das 22h, um dos que estavam no local, o advogado Teng Biao [en], twittou [en] que o grupo havia diminuído; uma foto de Jason Ng mostra que as flores e os “cups” [en] deixados no letreiro do Google haviam sido removidos.

Como se nada tivesse acontecido em frente ao Google

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.