Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Autores do Global Voices falam contra a Censura

The Internet is the tool most feared today by the elites, the media and by the power. It empowers those who otherwise would remain forgotten, oppressed. It is a weapon that gives ammo to those who are protesting for justice, equality and freedom and that shakes the structures of the state – and of companies – which sees no other choice but to censor.

Brazilian blogger and Global Voices author Raphael Tsavkko Garcia

A internet é a ferramenta mais temida nos dias de hoje pelas elites, pela mídia e pelo poder. Ela empodera àqueles que, de outra forma, permaneceriam esquecidos, oprimidos. É uma verdadeira arma que dá munição infinita aos que protestam por justiça, igualdade e liberdade e isto faz tremer as estruturas do Estado – e empresas – que não vê outra alternativa senão censurar.
Raphael Tsavkko Garcia Blogueiro brasileiro e autor do Global Voices

Hoje marca o Dia Mundial Contra a Cyber Censura, uma iniciativa promovida pela ONG global Repórteres Sem Fronteiras (RSF) em prol de uma única Internet  livre e acessível a todos. O dia, esperamos, vai inspirar os usuários da Internet a aumentarem sua própria consciência sobre censura online, algo que muitos autores do Global Voices conhecem muito bem.

Lina Ben Mhenni, autora do Global Voices, é uma dessas blogueiras. Ela vive na Tunísia, que foi considerara pela RSF um “inimigo da internet” por vários anos seguidos. Em seu blog, ela escreve:

Do you know how does it feel to be censored?

Well, I do !
Indeed, I am experiencing this DISGUSTING feeling since February, 24th 2010. That day, back home from work, I was so disappointed when I discovered the horrible “Error 404″ message- a message that stands for a censored web page in my country- when I tried to log in my Facebook and my blog.

Você sabe como é a sensação de ser censurado? Bem, eu sei!
Na verdade, estou tendo esse sentimento repugnante desde 24 de fevereiro de 2010. Naquele dia, de volta para casa depois do trabalho, fiquei tão decepcionada quando descobri o horrível “Erro 404″ – uma mensagem que representa uma página da web censurada no meu país- quando eu tentei logar no meu Facebook e no meu blog.

Diego Casaes, um autor brasileiro do Global Voices que escreveu este post sobre o assunto linkando blogueiros de todo o mundo e destacando vários projetos do Global Voices, escreveu em seu blog sua própria prescrição de como os governos devem lidar com a internet.

I also think that governments should be encouraged not to regulate, but rather give the proper infra-structure and educate people on how to use the web. This way, citizens will trust the government and be able to freely express themselves on the web: this is of utmost importance! On this matter, I also think companies should become  more aware of their influence in society. Google’s decision not to regulate search results in China after having some Human Rights activists’ accounts hacked (follow this link for more information) is a demonstration of  how companies should position themselves.

Eu também acho que os governos deveriam ser encorajados a não regular, mas sim dar a adequada infra-estrutura e educar as pessoas sobre como usar a internet. Desta forma, os cidadãos irão confiar no governo e serão capazes de expressar-se livremente na internet: Isto é de extrema importância! Sobre este assunto, eu também acho que as empresas devem se tornar mais conscientes de sua influência na sociedade. A decisão da Google de não regular os resultados de buscas na China depois das contas de alguns ativistas de Direitos Humanos terem sido “hackeadas” (siga este link para mais informações) é uma demonstração de como as empresas devem se posicionar.
Hoje é o Dia Mundial Contra a Cyber Censura

Hoje é o Dia Mundial Contra a Cyber Censura

Em seu blog, o autor marroquino do Global Voices Hisham responde à questão, “O que significa anti-censura online?:

In my humble opinion it means protecting what in some countries has become the last frontier of freedom of expression, which is at the core of all other freedoms; the last place where people can still escape restrictions of oppressive regimes. It means using blogs, videos, pictures, social networks, podcasts and the innumerable tools available online to mobilize people around a cause, expose rights abuses, communicate local struggles and causes to the rest of the world, give voices to the disenfranchised and the minority groups, hold governments accountable, investigate and reveal the truth.

Em minha humilde opinião, isso significa proteger o que em alguns países se tornou a última fronteira da liberdade de expressão, que está no cerne de todas as outras liberdades, o último lugar onde as pessoas ainda podem escapar das restrições de regimes opressivos. Significa usar blogs, vídeos, fotos, redes sociais, podcasts e as inúmeras ferramentas disponíveis online para mobilizar as pessoas em torno de uma causa, expor abusos dos direitos humanos, comunicar as lutas locais e as causas para o resto do mundo, dar voz aos marginalizados e aos grupos minoritários, manter os governos responsáveis, investigar e revelar a verdade.

O Paquistão não é considerado um “inimigo da internet”, mas sua censura online costumeiramente afeta pesadamente os blogueiros. Deste país, o autor do Global Voices Advocacy Awab Alvi escreve:

It is my position that the internet should be free and open to the People of Pakistan allowing the people to harness this boundless platform for creating new spaces for exchanging ideas and information, the Internet should be considered as a force for freedom and looked upon as a tool for progressing the growth of a struggling nation.

É a minha posição que a Internet deve ser gratuita e aberta ao povo do Paquistão, permitindo-lhes aproveitar esta plataforma sem limites para a criação de novos espaços para a troca de idéias e informações, a Internet deve ser considerada como uma força pela liberdade e encarado como um ferramenta para avançar o crescimento de uma nação em luta.

O Líbano não está engajado em filtrar a internet, mas isto não faz com que Layal Al Khatib pare de falar sobre o assunto em seu blog.  É isto que anti-censura significa para ela:

Freedom! Our most basic right as human beings! We need to be free to express our feelings, thoughts and opinions with no fear of anyone! Censorship by other parties usually ends up with self-censorship, you’ll end up imprisoning yourself if they don’t do it themselves! Which is more dangerous to me..

Liberdade! Nosso direito mais básico enquanto seres humanos! Precisamos ser livres para expressar nossos sentimentos, pensamentos e opiniões sem medo de ninguém! A censura por outras partes geralmente acaba em auto-censura, pois você acabará por se aprisionar caso outros não já façam isso por conta própria! Para mim, isto [a auto-censura] é mais perigoso…

Tomavana, tradutor Malgasy Lingua [tradutor do Global Voices em língua Malgaxe] nota que em Madagascar, o problema não é necessariamente a filtragem, mas acesso, nos lembrando [FR] que a censura não é a única barreira para a liberdade de expressão:

Quant à évoquer cette liberté d’expression à Madagascar, c’est invariablement buter à la réalité des manques de moyens communs aux pays en développement….De plus, avec un taux d'utilisation d'internet de moins de 5% de la population, il s'agit plus d'un avantage supplémentaire que monnaie une minorité de privilégié plutôt que de véritable droit. Je formule cependant le vœu que ces dérives ne puissent servir de prétexte à un musèlement ni une censure d'Internet à Madagascar mais qu'au contraire son accès soit facilité pour le plus grand nombre notamment par une amélioration de l'offre internet accompagnée à une baisse des coûts de connexions.

Quanto a falar de liberdade de expressão em Madagascar, é, invariavelmente, [falar] contra a realidade da falta de recursos comuns aos países em desenvolvimento …. Além disso, com uma taxa de penetração de Internet de menos de 5% da população, é mais uma vantagem à uma privilegiada minoria endinheirada e não uma questão de direito real. Mas espero que estes desvios não serão utilizados como pretexto para amordaçar ou censurar a Internet em Madagascar, mas para proporcionar acesso fácil para muitos, a melhoria, bem como da Internet, acompanhada de diminuição dos custos de conexão.

3 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.