Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Armênia-Turquia: Resposta à resolução estadunidense sobre o Genocídio

armenia_genocide_memorial

Memorial do Genocídio Tsitsernakaberd, Yerevan, República da Armênia © Onnik Krikorian 2008

Depois da resolução não-vinculativa da semana passada ser aprovada por pouco em uma Comissão de Assuntos Exteriores do Congresso instando o governo dos EUA a reconhecer o massacre e deportação de Armênios em 1915 no Império Otomano como Genocídio, as reações na blogosfera  parecem ter silenciado, incluindo mesmo aqueles sites armênios que cobrem o assunto ha anos.

No entanto, o que existe é basicamente negativo ou neutro – embora não necessariamente reflexo de comentários ou posts, e até mesmo nenhuma reação, em sites de redes fechadas como o Facebook. Como a maioria dos comentários feitos lá, Life in the Armenian Diaspora [Vida na Diáspora Armênia] resume a reação.

Armenians around the world are celebrating again…. […]

[…]

Again, the White House wasn't able to stop this. Turkey wasn't able to stop it with their threats about relations, borders, protocols etc. I said it two years ago and I'll say it again now. EMPTY THREATS – CALL THEIR BLUFF! Turkey can not afford to lose the U.S. as an ally. They recalled their ambassador then and they recalled him now. BIG DEAL!

Armênios em todo o mundo estão celebrando novamente… […][…]Novamente, a Casa Branca não foi capaz de impedir. A Turquia não foi capaz de impedir com suas ameaças sobre as relações, fronteiras, protocolos, etc. Eu disse isto há dois anos, e vou dizê-lo novamente agora. AMEAÇAS VAZIAS – ESTÃO BLEFANDO! A Turquia não pode perder os EUA como aliado. Eles convocaram de volta seu embaixador antes e o chamaram novamente. GRANDE COISA!

turkish flag

Ativista da Federação Revolucionária Armena (ARF) queima bandeira turca, Yerevan, República da Armênia © Onnik Krikorian 2008

No entanto, e em contraste com anos anteriores, quando foram aprovadas resoluções semelhantes, outras vozes alternativas estão fazendo ouvir as suas vozes. Ianyan, por exemplo, não tem certeza do que isto tratá no futuro para ela como uma armênia étnica que vive no exterior.

Right after the vote, Turkey recalled its Ambassador, Namik Tan, back for consultations, Armenian publications swiftly posted the news, status updates and tweets exploded with joy and disappointment on both sides and the Obama administration, who had urged the committee to vote against the resolution, said it will seek to block the bill from coming into fruition.

[…]

As for me, for a moment, I was shocked and surprised, although I probably shouldn’t have been. A similar resolution passed through the same committee in 2007 and was later successfully blocked from ever amounting to anything.

[…]

While we sit in free countries, in our warm houses and flashy cars in our garages, many in Armenia are still suffering from economic turmoil and poverty . There is corruption and discrimination and much more that we, thousands of miles away, have the good fortune to not see. Most diaspora Armenians have never even met a Turk, nor do they want to.

[…]

Do I need the U.S. government to recognize the genocide? Maybe, but I don’t feel any less Armenian, I don’t feel like something is missing if they don’t. My feelings could very well be the result of it not being recognized for so long, who knows.

[…]

The answer still is, for me, “I don’t know.”

Logo após a votação, a Turquia convocou seu embaixador, Namik Tan, de volta para consultas, publicações armênas rapidamente postaram as notícias, atualizações de status e tweets explodiram de alegria e decepção de ambos os lados e o governo Obama, que pediu a comissão para votar contra a resolução, disse que vai tentar bloquear o projeto de entrar em validade.
[…]
Quanto a mim, por um momento, fiquei chocada e surpresa, embora eu provavelmente não devesse ter ficado. Uma resolução semelhante passou pela mesma comissão em 2007 e mais tarde foi, com sucesso, bloqueada e impedida de valer qualquer coisa.
[…]
Enquanto nós estamos em países livres, em nossas casas quentes e [com] carros chamativos em nossas garagens, muitos na Armênia ainda estão sofrendo [os efeitos] da crise econômica e da pobreza. Há corrupção e discriminação e muito mais do que nós, milhares de quilômetros de distância, temos a sorte de não ver. A maioria dos armênios da diáspora nunca encontrou um turco, nem querem.
[…]
Será que eu preciso do governo dos EUA para reconhecer o genocídio? Talvez, mas eu não me sinto menos armênia, eu não sinto que algo está faltando, se eles não [reconhecerem]. Meus sentimentos poderiam muito bem ser o resultado do genocídio não ser reconhecido por tanto tempo, quem sabe.
[…]
A resposta, para mim, ainda é “eu não sei”.

armenian_turkey_border

Fronteira Turco-Armena, Khor Virap, região do Ararat, República da Armênia © Onnik Krikorian 2005

Outro blog armênio, Global Chaos [Caos Global], por outro lado, é mais crítico, especialmente à luz de um assunto mais urgente à Armênia – a ameaça de um novo conflito com o vizinho Azerbaijão sobre o território disputado de Nagorno Karabakh.

Yes, they made a full circle and we are seeing the whole Armenian Genocide Resolution circus played out all over again. No, I'm not happy with what happened yesterday. I'm very concerned, and I don't think it's going to have ANY positive outcome for Armenia. On the contrary, it might, and I'm afraid, it will only make things worse.

[…]

American-Armenians are all upbeat about it. They learned well how to play this game called “American politics” and they want to stay politically relevant, especially this year, when the mid-term elections might turn out to be unusually interesting. […] But where's Armenia in this equation?

[…]

There is evidently a disconnect between the Diaspora, which, quite understandably, clings to the Genocide problem as a basis for its identity, and the Armenian state, which is striving to survive, attain stability, and establish itself as a significant player on the international arena. […]

[…]

Perhaps it's high time the Armenian government stops relying on the Armenian-American lobby to do both advocacy and public diplomacy in the US on its behalf? […] Yes, it is very commendable. But, it is also detrimental for Armenia, since the foreign policy of one of the most influential countries in the world toward it is being dominated by an issue the significance of which many, on both sides, don't even understand anymore.

Again, I am not saying that the Genocide should be neglected or forgotten. What I'm saying is that the focus should switch, since with the resolution of the Karabakh problem might just open a leeway for more constructive and reconciliatory dialogue on the Genocide as well. If the Diaspora lets Armenia be, that is…

Sim, eles fizeram um círculo completo e estamos vendo todo o circo da resolução sobre o genocídio Armênio [sendo] encenado mais uma vez. Não, eu não estou feliz com o que aconteceu ontem. Estou muito preocupado, e eu acho que não vai haver qualquer resultado positivo para a Armênia. Pelo contrário, ela [a resolução] pode, e eu estou com medo, ela só vai piorar as coisas.
[…]
Armênio-Americanos estão todos muito satisfeitos [com a resolução]. Eles aprenderam bem como jogar esse jogo chamado “política americana”, e querem permanecer politicamente relevantes, especialmente neste ano, quando as eleições intercaladas podem revelar-se extraordinariamente interessantes.
[…]
Mas onde está a Armênia nesta equação?
[…]
Há, evidentemente, uma desconexão entre a diáspora, que, muito compreensivelmente, se apega ao problema genocídio como uma base para a sua identidade, e o estado de Armênio, que está lutando para sobreviver, alcançar a estabilidade, e estabelecer-se como um ator importante na arena internacional. […]
[…]
Talvez seja o tempo do governo armênio parar de contar com o lobby armênio-americano a fazer ambas a advocacia [defesa] e a diplomacia pública nos EUA em seu nome? […] Sim, é muito louvável. Mas, também é prejudicial para a Armênia, uma vez que a política externa de um dos países mais influentes do mundo sobre o assunto [o genocídio] está sendo dominado por uma questão cuja importância muitos, em ambos os lados, nem entendem mais.
Novamente, eu não estou dizendo que o genocídio deve ser negligenciado ou esquecido. O que estou dizendo é que o foco deve mudar, já que com a resolução do problema do Karabakh poderia-se abrir uma margem de manobra para um diálogo mais construtivo e reconciliatório sobre o Genocídio também. Se a diáspora deixar a Armênia ser, isto é…

O blog também levanta a preocupação de que essa resolução irá aumentar o nível de nacionalismo na Turquia, algo que parece ser corroborado por um blog turco, Talk Turkey.

Do the Armenians really think that some soiling-their-pants Congressmen care about the Armenians’ plight? Was this part of a ploy, a plan of pushing Turkey off-track and into radicalism, alienating the ‘model’ integration of secularism and Muslim-ness, and thereby prove to the ‘world’ that a moderate Islam doesn't exist?

[…] I am now definitely not in a reconciliatory mood any longer. In fact, I say ‘let the games begin!’

Será que os armênios realmente acham que alguns congressistas que sujam suas calças se preocupam com a situação dos armênios? Foi isto parte de um estratagema, um plano de empurrar a Turquia para fora da linha [pista] e [na direção do] no radicalismo, alienando a integração “modelo” do secularismo e do sentimento [de ser] muçulmano, e, assim, provar para o “mundo” que um Islã moderado não existe?
[…]
Agora eu não estou mais no ânimo reconciliatório. Na verdade, eu digo “Que os jogos comecem!”

memorial

Memorial do Genocídio Tsitsernakaberd, Yerevan, República da Armênia © Onnik Krikorian 2008

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.