Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Filipinas: Relembrando o Massacre de Maguindanao

filipina-kiiled-maguindanao-massacre-300x211

"Revolta contra estupros e assassinatos brutais em Maguindanao!"

Mais de um mês se passou desde o massacre de mais de 60 homens e mulheres em 23 de novembro de 2009, por parte do exército privado dos Ampatuans, um clã guerreiro aliado da presidente das Filipinas, Glória Macapagal Arroyo, mas parece que o evento já se tornou uma horrível parte do imaginário coletivo do povo filipino.

O que você faz com os obstáculos e problemas que surgem em seu caminho, uma piada circulando durante as férias perguntou. A resposta é aprender a enterrá-los para que eles fiquem longe, referindo-se, naturalmente, ao uso feito pelos Ampatuans de escavadeiras para enterrar as vítimas do massacre em valas rasas. O massacre é lembrado de muitas outras maneiras.

Fotos são amplamente disponíveis online. Blogs filipinos e redes sociais puseram os holofotes sobre o evento chocante.

Critic After Dark conecta o Massacre de Maguindanao a filmes em uma discussão sobre violações dos direitos humanos e violência política patrocinadas pelo Estado e representadas em filmes clássicos filipinos.

The Village Idiot Savant acredita que as vítimas do massacre não devem apenas ser consideradas vítimas.

The Mangudadatus made the conscious decision to send women and journalists — without any bodyguards and weapons — in order to emphasize their peaceful intent. We know how that turned out. That's why the victims ought not to be considered victims but martyrs.

O Mangudadatus [outro clã regional aliado de Arroyo] tomou a decisão consciente de enviar mulheres e jornalistas – sem qualquer guarda-costas ou armas – com o objetivo de enfatizar suas intenções pacíficas. Nós sabemos no que resultou. É por isso que as vítimas não devem ser consideradas vítimas, mas mártires.

Da mesma forma, o massacre se tornou o tema de protestos e atividades tradicionais. The Vera Files noticia que um carro alegórico retratando o massacre de Maguindanao foi um dos destaques da Parada das Lanternas realizada na Universidade das Filipinas, no campus Diliman, em dezembro passado.

The College of Law and the militant student organization STAND UP both had the Maguindanao massacre as their message. STAND UP had effigies of a backhoe and a wrecked van, both having become symbols of the killing of 57 people, 30 of them journalists by members of the warlord Ampatuan clan in Maguindanao on Nov. 23. The College of Law had a tableau of the massacre victims with a mural of a gun-toting warlord as backdrop.

Tanto a Faculdade de Direito quanto a organização estudantil militante “STAND UP” tinham o massacre Maguindanao como sua mensagem. A “STAND UP” teve efígies de uma retro-escavadeira e uma van destruídos, ambas se tornaram símbolos da morte de 57 pessoas, 30 deles jornalistas, por membros do clã guerreiro Ampatuan em Maguindanao em 23 de novembro. A Faculdade de Direito tinha um quadro das vítimas do massacre com um mural de um senhor da guerra com uma arma em punho como pano de fundo.

Enquanto isso, High Chair, um jornal filipino de poesias, está solicitando submissões de poesias que sejam de “valor para o Massacre Maguindanao” para a sua 12 ª edição.

O governo Arroyo declarou lei marcial na província de Maguindanao durante uma semana no mês passado para supostamente correr atrás dos Ampatuans e seu exército privado. No entanto, ainda se espera ver se os autores serão colocados perante a justiça.

Para Tonyo Cruz, a recente declaração de lei marcial parece ser usada pelo governo Arroyo para permitir aos autores do massacre que contornem toda a força da lei.

If the martial law proclamation goes unchallenged, Filipinos lose several things. One, we lose the chance to prosecute one of the worst warlord families and allies of President Arroyo who implicated themselves in the most brutal mass murder in recent history…

Se a lei marcial proclamada continuar sem ser desafiada, os filipinos irão perder muita coisa. Uma delas é que iremos perder a chance de processar uma das piores famílias guerreiras e aliadas da presidente Arroyo que se envolveram no mais brutal assassinato em massa da história recente…

A esta luz, Marianna Gurtovnik do The Mantle está pedindo comentários sobre o Massacre de Maguindanao:

1) How have the major political parties in the Philippines reacted to the investigation of the Ampatuans’ involvement in the multiple murders committed in Maguindanao last November?

2) In light of the approaching end of her presidency, is President Arroyo believed to be more or less likely to complete the investigation of this case and to sentence the Ampatuans if they are found guilty? Why?

3) What steps are currently being taken by the Philippine government to disarm the Ampatuan-sponsored militia that was allegedly involved in the murder?

4) What implications would the possible conviction of the Ampatuans likely have on the political dynamics in Maguindanao?

1) Como os grandes partidos políticos nas Filipinas reagiram à investigação do envolvimento dos Ampatuan em vários assassinatos cometidos em Maguindanao novembro passado?

2) À luz da proximidade do fim de sua presidência, acredita-se que a presidente Arroyo tem mais ou menos probabilidade de concluir as investigações deste caso e de sentenciar os Ampatuan se forem considerados culpados? Por quê?

3) Que medidas estão sendo tomadas pelo governo filipino para desarmar a milícia patrocinada pelos Ampatuan que foi supostamente envolvida no assassinato?

4) Quais as implicações que a eventual condenação dos Ampatuans provavelmente teriam sobre a dinâmica política em Maguindanao?

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.