Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Tunísia: Estudante preso por entrevista à mídia

O estudante tunisiano Mohamed Soudani, 24, desapareceu em 22 de outubro de 2009 na Tunísia, depois de dar entrevistas à Rádio Monte Carlo Internacional e Rádio França Internacional.

Soudani ficou desaparecido por 18 dias até que a polícia da Tunísia contatou sua família e os informou que ele estava detido na prisão de Murnaguiya, a cerca de 15 km da capital Tunis.

De acordo com fontes, a polícia também informou à família de Soudani que ele havia sido levado a julgamento e condenado por “conduta desordeira” durante sua detenção sem um advogado, e foi sentenciado a quatro meses de prisão. Eles também souberam que ele já havia apelado de sua sentença.

Durante seu julgamento, em 6 de dezembro, Soudani negou as acusações postas contra ele e denunciou que havia sido agressivamente torturado durante sua detenção extra-judicial. Seus advogados pediram um recesso para estudar o caso e sua soltura sob fiança. O pedido de soltura foi negado enquanto seu julgamento foi suspenso até 14 de dezembro de 2009.

Soudani foi entrevistado a respeito de suas atividades passadas como líder estudantil no Sindicato Geral dos Estudantes da Tunísia. No ano passo, ele se envolveu em uma greve de fome de 56 dias com outros quatro estudantes exigindo seus direitos de voltar à escola. Eles também blogaram sobre a experiência da greve de fome dia a dia em um blog que foi censurado na Tunísia.

Um grupo no Facebook e um blog foram criados para apoiar Mohamed Soudani nas dificuldades que está enfrentando.

Nasser Weddady ajudou neste post.

Inicie uma conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.