Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

O Papa em Camarões (2): De clérigos, corrupção e política

A visita do chefe da Igreja Católica Romana a Camarões, neste março de 2009, fez com que alguns blogueiros camaroneses colocassem os holofotes sobre os efeitos políticos (se é que há algum) da visita papal a um país como este. Neba Fuh, blogando em Voice of the Oppressed [en], é um deles:

Two times before, Late Pope John Paul II visited The Cameroons and the effect on the already impoverished populace was nothing more than a religious euphoria at the expense of their personal financial contributions and the public treasury. The unanswered questions of the Biya's repressive acts were still unanswered.

Por duas vezes antes desta, o papa João Paulo II visitou Camarões e o efeito sob a população já empobrecida não foi nenhum, exceto uma euforia religiosa às custas de suas contribuições financeiras e ao tesouro público. Os questionamentos sobre os atos repressores de Biya ainda não têm respostas.

Aloysius Agendia, um jornalista e ex-seminarista, disse em uma publicação intitulada Pope Benedict XVI visit to AFRICA : Going beyond spiritual rhetoric [en, A visita do Papa Bento XVI à África: Além da retórica espiritual] parece sugerir que a Igreja deveria denunciar os atos dos estados e políticos que causam danos aos interesses do povo no lugar de vestirem roupas diplomáticas:

We understand the Church and the Vatican as a state, and as a religious body, though with political connotations, sometimes has to be diplomatic in its approach. In my opinion, true religion must not be indifferent to injustices, oppression, exploitation, colonialism in all its forms and other vices. The Catholic Church has done much and is still doing a lot but a lot more still has to be done.However, diplomacy though good in its own ways, must not be of too common usage in the Church because, a spade must be called a spade. In trying to always use “subtle” means to explain burning issues, the message is either lost or the meaning/importance, seriously minimized. Church leaders must not choose to dine only with those in power, the rich, and the powerful. They must not necessarily be with the opposition, but, they should stand beside the weak, the oppressed, the sick etc.

Entendemos que a Igreja e o Vaticano como um estado, e como um corpo religioso, que por conotações políticas, às vezes deve ter uma abordagem diplomática. Na minha opinião, a religião verdadeira não deve ser indiferente a injustiças, opressões, exploração, colonialismos em todas suas formas e a outros vícios. A Igreja Católica fez muito e ainda está fazendo bastante, mas ainda há muito mais por ser feito. Entretanto, diplomacia pelo bem, por seus próprios meios, não deve ser de uso muito comum na Igreja, pois uma pá deve ser chamada de pá. Na tentativa de sempre usar meios “sutis” para explicar assuntos sérios, a mensagem sempre é perdida ou seu significado/sua importância, seriamente minimizada. Líderes de igrejas não devem jantar com aqueles no poder, os ricos, os poderosos. Eles não devem necessariamente estar na oposição, mas eles deveriam estar do lado fraco, dos oprimidos, dos doentes, etc.

Ele é bem claro sobre o que espera do papa:

As a spiritual leader who represents hope, he must not only tell us to just keep waiting and hoping. We expect him to be courageous enough to tell those thwarting the hope of Cameroonians and Africans to at least, have some feelings for human beings and or their fellow citizens.

Como líder espiritual que representa esperança, ele não pode simplesmente nos dizer para continuarmos esperando e a ter esperanças. Nós esperamos dele, pelo menos, coragem suficiente para dizer àqueles obstruindo a esperança dos camaroneses e africanos, que tenha sentimentos pelos seres humanos e ou pelos seus companheiros cidadãos.

Por outro lado, Voice of the Oppressed [en] indaga se a igreja em Camarões tem a moral para solicitar mudanças daqueles que governam o país quando eles mesmos não são bons exemplos:

What lessons can an already morally impoverished society learn from a bishop or priest who fathers children haphazardly in his community?
What lessons can that society learn from a priest who has numerous ‘girlfriends’ in his community, under the excuse that he is only as human as everybody else?
Or sponsored a girlfriend's trip abroad, away from his community, so she can bear him kids, and when he takes his vacation or study leave, he's welcome abroad by ‘his wife’ and ‘children'?
Or a Principal of a school,who is a priest, who embezzles school money through fake bills and accounting?
Or priests that have become predators to vulnerable children put at their disposal?

Quais lições pode uma sociedade já moralmente empobrecida aprender de um bispo ou padre que têm filhos de qualquer jeito em sua comunidade?
Quais lições pode aquela sociedade aprender de um padre que tem inúmeras ‘namoradas’ em sua comunidade, sob a desculpa de que ele é apenas humano como todo mundo?
Ou que patrocina a viagem de uma namorada, para longe de sua comunidade, onde pode dar-lhe filhos, e quando tem suas férias ou estudos, ele é bem-vindo por ‘sua esposa’ e ‘filhos'?
Ou o diretor de uma escola, que é padre, que rouba dinheiro da escola por meio de notas e contas falsas?
Ou padres que se tornaram predadores de crianças vulneráveis, colocadas à sua disposição?

Para Aloysius Agendia o papa Bento XVI deveria perceber os caprichos dos prelados católicos em Camarões:

As the Holy Father visits Cameroon and Africa , he should note this. First and foremost, the Catholic Church and most of its (shepherds) in Cameroon in particular, need serious “redressing” or “overhauling”. The numerous stories about promiscuity, extravagance and gallivanting attitudes of some of our priests including some bishops, some even go as far as bearing children, others fornicating with their students, peoples’ wives, parishioners etc must be addressed…

À medida que o santo padre visitar Camarões e a África, ele deveria perceber isto. Primeiro e mais importante, a Igreja Católica e a maioria de seus pastores em Camarões, particularmente, precisam de uma séria “correção” ou “revisão exaustiva”. As inúmeras histórias sobre promiscuidade, extravagância e atitudes de galanteamento de alguns dos nossos padres, incluindo bispos, alguns vão até terem filhos, outros têm relações com suas/seus estudantes, esposas dos outros, párocos, etc. devem ser contadas.

Este blogueiro acredita que esses assuntos de corrupção com a Igreja Católica Romana em Camarões não são gerenciados pelo papa, portanto a visita não teria sentido para ele:

Mortgaging the Church and its assets for “loans”, as if to sell Jesus Christ again for FCFA 950.000. 000 as Judas did for 30 pieces of silver. Tis follows using a famous Cathedral in Cameroon as a security for a loan taken by one of its bishop. The serious and terrifying cases of embezzlement among others, merit papal attention. These are issues which if the Pope fails to address even in private with his priests, then his mission to Cameroon, I must admit, must have fallen far belowexpectations, and why not, a non-starter.

Hipotecar a igreja e seus bens e direitos para “empréstimos”, como se vender Jesus Cristo outra vez por Francos CFA 950.000.000 assim como Judas fez por 30 moedas de prata. Isto segue por usar uma famosa catedral em Camarões como garantia de um empréstimo feito por um bispo. Os casos sérios e aterrorizantes de apropriação indébita entre outros, merecem a atenção papal. Estes são assuntos que se o papa falha em divulgar a mensagem até mesmo em particular com seus padres, então sua missão a Camarões, devo admitir, deve ter ido abaixo das expectativas e, por que não, nem mesmo começou.

Será que o papa vai se atrever? Esse pode ser o próximo ponto de interesse da blogosfera camaronesa.

Nota: Parte 1 desta publicação aqui.

2 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.