Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

Angola: Novos aeroportos trazem contradições e polêmica

Angola prepara-se para receber em 2010 o CAN Africano das Nações (futebol), evento que enche de orgulho os angolanos e que motiva a construção de infra-estruturas adequadas para receber jogadores e visitantes estrangeiros. A ampliação do novo aeroporto Internacional de Luanda 4 de Fevereiro – tem este nome porque marca o início da luta de libertação nacional – faz parte da lista de construções.

Setenta e quatro milhões de dólares foi o valor disponibilizado pelo estado angolano para a reabilitação e ampliação do aeroporto, cuja duração está prevista para um ano. As obras já estão em andamento e o aeroporto irá contar com uma área do terminal de passageiros que por sua vez será composta por duas salas de embarque modernas e devidamente apetrechadas e terá 28 balcões de check-in com capacidade para acolher mais de 3 milhões de passageiros por ano.

As obras estão divididas em duas fases. A primeira visa o desembarque, o parque de estacionamento (com lugares para cerca de dez autocarros, 24 táxis e 650 viaturas diversas) e a pista principal. A segunda abrange o embarque e o segundo piso.

Luanda Airport

O projecto tem recebido boas críticas. Maria Liberdade do blog Meninos à volta da fogueira publica a imagem acima e expressa o seu contentamento:

“Boas notícias. Hoje foi-nos apresentado o projecto para o novo aeroporto de Luanda e pudemos saber mais detalhes sobre este projecto colossal que é uma das obras que mais impacto terá na nova imagem da cidade de Luanda, com capacidade para albergar até ao ultimo Airbus A380*. O novo aeroporto é a cúspide da modernidade. Esperamos que além das estruturas projectadas, os projectistas tenham em conta espaço para futuras ampliações, pois o país continua a crescer. Espero aterrar no novo aerporto em 2010, como o previsto”.

*Nota da autora: o Airbus A380 é o maior avião de passageiros do mundo.

Convém referir que estava prevista a construção de um novo aeroporto de raíz financiado pela China, mas entretanto as obras pararam para dar lugar à reabilitação e ampliação do 4 de Fevereiro. Mas sobre este assunto, existe polémica e afirmações contraditórias vindas de alguns governantes e opiniões desfavoráveis sobre a localização do mesmo. O autor do blog Desabafos angolanos cita um desses exemplos:

“Vai ser construído um novo Aeroporto Internacional, que ninguém sabe em quanto está orçado, sabe-se apenas que vai ser financiado com crédito concedido pela China. O novo aeroporto vai-se situar na província do Bengo no Bom Jesus e não foi aprovado em Conselho de Ministros e segundo o Jornal Angonotícias, a mão de obra é maioritariamente chinesa, quando há milhões de angolanos desempregados. Que vergonha! Descrédito total pela democracia, pela assembleia e pelos angolanos). Gostava de saber se o governo ou as pessoas que autorizaram esta construção, esperam o crescimento do tráfego aéreo e o crescimento de turistas em Angola; se há estudos que provem que Luanda precisa mesmo de mais um aeroporto e quantas vão ser as companhias aéreas que vão operar a rota Luanda?!

Temos as passagens mais caras do mercado! Turismo no nosso país, não existe! Como pensam ligar o Bengo a Luanda? Os turistas aterram no aeroporto (a intenção é construir um grande aeroporto moderno e luxuoso) e assim que saem, só vêem bairros de lata até chegar a Luanda, em estradas esburacas e cheias de trânsito desordeiro, sem transportes públicos ou seja, chegam a uma cidade cheia de caos, suja e sem beleza!

Acredito que se este projecto for adiante e isto é a minha opinião, os angolanos vão pagar uma factura cara sem necessidade. Estou de acordo que o nosso actual aerporto não nos serve e mete dó…mas isso só porque está sub-aproveitado e mal gerido.”

Outros aeroportos como os das províncias do Huambo, Benguela, Cabinda, Luena, Kuíto, Saurimo e Dundo vão ser igualmente alvo de obras de reabilitação.

2 comentários

  • junior

    é uma vergonha o que esta a fazer o MPLA sabemos bem que luanda e nao so, presisam de novos aeroportos, queremos ter certeza se esses projectos bonitos e que seriam avantajosos para imagem de angola no extranjeiro sao reais ou simples illusoes que se fazem os Angolanos.
    Acredito na capacidade do gouverno em poder levar este projecto em frente e espero aterrar no novo aeroporto de luanda em 2010, se ele nao for uma illusao!

  • O MPLA COMO MARCA

    O MPLA como Marca representa um poder permanente em função de mais do que a sua história e multiplicidade de histórias e perpetuações das suas tradições.
    Um dos factores qualitativos de recriação da sua força consiste na lealdade da corrente regeneradora dos seus aliados.
    Os seus atributos, qualidade e expectativas criadas e uma amálgama de resultados e sua funcionalidade reforçam uma narrativa que impulsiona a sua existência.
    Não há dúvida de que as crenças sagradas, criações, metas e seu prestígio, sua visão e missão, capacidade de inovação reforçam o seu posicionamento.
    A sua suposta notoriedade e fidelização em constante construção criando boas ligações emocionais melhorarão consideravelmente essa marca.
    Sendo assim será que a marca MPLA é um sistema propulsor e fonte de criação de valor?
    Será que a notoriedade do MPLA continua a ser evocada de forma espontânea?
    Para que a marca MPLA se perpetue será necessário que as atitudes das pessoas correspondam a avaliações globais favoráveis.
    Não há dúvida que a força da marca MPLA quase se confundirá a um culto descentralizado e de interacções e laços fortes e experiências partilhadas que criam várias identidades verbais e simbólicas.
    Para falar da antiguidade da Marca MPLA teremos que falar forçosamente do seu núcleo fundador de Conacry dos anos 60.
    A marca MPLA se perpetua pelo seu prestígio devido as associações intangíveis, pelo seu simbolismo popularizado incontornável e grandes compromissos com o passado.
    O MPLA como marca, alem de possuir narrativas de sobrevivência, inclui testemunhos que dão a história, significados mais profundos e grande carácter de emocionalidade.
    A história do nacionalismo e luta de libertação pelos actores de renome a partir da fundação do MPLA em Conacry pelos seis fundadores bem personalizados, como Viriato da Cruz, Mário Pinto de Andrade, Hugo José Azancot de Menezes, Lúcio Lara, Eduardo Macedo dos Santos e Matias Migueis perpetuarão essa marca de forma reflectida.
    Poderemos então afirmar que os fundadores de Conacry foram os agentes prioritários e fundamentais da verdadeira autenticidade da marca MPLA.
    A dinâmica da história e a construção de identidades pressupõem estados liminares, pelo afastamento constante de identidades anteriores.
    Desenvolver a cultura da marca MPLA exigirá um constante planeamento e estratégias que permitirão reunir e sentir esta marca global.
    Para terminar apelaria que nas verdadeiras reflexões que a lenda da marca não obscurecesse a lenda dos fundadores verdadeiros artífices.
    Escrito Por:
    AYRES GUERRA AZANCOT DE MENEZES

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.