Está vendo todos esses idiomas acima? Nós traduzimos os artigos do Global Voices para tornar a mídia cidadã acessível para várias partes do mundo.

Saiba mais sobre Tradução do projeto Língua  »

De Kivu a Gaza: Como a Mídia Escolhe os Conflitos que Cobre

Si un mort israélien vaut plusieurs morts palestiniens, combien faut-il de cadavres congolais pour un linceul gazaoui?

Se a morte de um único israelita vale tanto quanto a morte de vários palestinos, quantos corpos mortos de congoleses são necessários para uma mortalha funerária em Gaza?

Por que os conflitos na África recebem tão pouca atenção [en] da mídia, e especialmente os horrores que se desenrolam em Kivu, é uma questão antiga (tão persistente quanto a questão do motivo pelo qual a mídia internacional, quando chega a cobrir a África, cobre unicamente os conflitos).

Elia Varela Serra escreveu neste website [en] sobre este mesmo tema, poucos dias atrás, traduzindo parte de um artigo [fr] no Rue89 do jornalista Hughes Serraf. O tratamento dado por Serraf a essas questões gerou polêmica entre muitos leitores de língua francesa, ambos congoleses e muçulmanos.

Alguns leitores do Rue89 concordam com o sentimento de Serraf.

Rafa explica o porquê da mídia na França prestar muito mais atenção à Palestina do que ao Congo:

L’hyper-sensibilité de la société francaise au conflit israelo-palestinien vient du fait de la présence des 2 communautés en france, qui rejoue ici ce qui se passe la bas. D’autre part je pense que Israel étant un pays « occidental » dans le sens ou israel fait partie du « monde libre » (dixit Livni), les francais peuvent s’identifier aux israeliens, et le fait qu’un pays soi disant civilisé, une démocratie comme la notre, avec des gens qui on le meme mode de vie que nous, le meme genre de société, puisse se conduire d’une maniere si barbare, heurte certainement les esprits des gens. En comparaison le conflit au congo fait figure d’énieme drame sur un continent maudit, auquel les gens ne font meme plus attention tant ces drames sont fréquents.

A consciência hiper-sensível que a sociedade francesa demonstra em relação ao conflito entre Israel e a Palestína explica-se pela presença dessas duas comunidades na França, que replicam aqui tudo que ocorre lá. Por outro lado, acredito que Israel, por ser um país “ocidental”, no sentido de fazer parte do “mundo livre” (como disse Livni), faz com que o povo francês venha a se identificar com os israelitas, e o fato de ser um país, assim dito, civilizado, uma democracia como a nossa, com pessoas que têm o mesmo estilo de vida, o mesmo tipo de sociedade, venha a atuar de forma tão bárbara, mexe conosco. Em comparação, o conflito no Congo nos parece somente mais uma tragédia num continente amaldiçoado no qual as pessoas não mais prestam atenção porque esses tipos de tragédias são tão freqüentes.

Um outro leitor do Rue89, Pierre Haski:

Le mois dernier, j’ai même assisté place de la République à une manif de Congolais à propos du conflit dans leur pays. Ils étaient quelques dizaines, coincés entre les cordons de CRS, dans l’indifférence des passants. Samedi, j’ai assisté au démarrage de la manif Palestine, caméras de télé au rendez-vous.

Mês passado assisti a um protesto congolês na [Praça da República, em Paris] sobre o conflito naquele país. Havia umas poucas dúzias de pessoas, amontoadas entre as cordas da [polícia de passeatas], uma total indiferenca por parte dos transeuntes. Sábado, cheguei ao protesto palestino logo no seu inicio; câmeras de televisão já se encontravam lá posicionadas.

Mas houve muitos que deploraram a ignorância do autor em relação ao continente. Serraf, em seu artigo, disse:

Moi, je suis comme vous. Je ne ne sais pas grand chose du Congo et de cette Armée de résistance du Seigneur…Surtout qu’il en y a deux, des Congo! Et puis l’Afrique, c’est extraordinairement compliqué. Entre les catastrophes naturelles, les épidémies, les chefs de guerre en Land Cruiser à tourelle, tout ça… Comment savoir qui sont les méchants et les gentils?

Quanto a mim, sou como vocês. Não sei muito sobre o Congo e esse Lord's Resistance Army [Exército de Resistência do Senhor, em inglês]… Não apenas isso, há dois Congos! E depois, a África é tremendamente complexa. Entre desastres naturais, epidemias, senhores da guerra pra lá e pra cá em seus Land Cruisers, e tudo o mais… Como podemos distinguir os bons dos maus?

O mesmo leitor também escreve que o conflito entre Israel e Palestina pode ser muito mais bem coberto na França pois, pelo menos da perspectiva do público, é muito mais fácil diferenciar entre o “bom” e o “diabólico”.

O blogueiro Alex Engwete [fr], que vem cobrindo o conflito em Kivu com atualizações diárias em seu blogue, levanta-se, num comentário, contra a ignorância auto-assumida de Serraf:

J’avais commencé par me tisser une affinité avec votre indignation sur le silence autour de la catastrophe congolaise avant que je ne découvre dans les trois derniers paragraphes où vous vouliez en venir. J’allais même partager avec vous ce que m’avait confié à Nairobi l’un de mes amis pigiste pour la BBC à qui ce noble réseau de diffusion et de répercussion des nouvelles avait demandé de cesser d’envoyer des dépêches sur le Congo si le nombre de morts se chiffrait au-dessous de 50 ! C’étaient des noirs et le cœur des ténèbres, après tout, où la norme, c’est « l’horreur ! L’horreur ! » — depuis Joseph Conrad… Mais je me rends compte avec désillusion que le Congo n’est qu’une balise (prétexte sensationnel) menant vers la chute de votre rhétorique tordue ! Si vous ne connaissez rien du Congo, laissez ses morts tranquilles !

Comecei com uma certa simpatia por sua indignação com o silêncio que cerca a catástrofe congolesa antes de descobrir, em seus três últimos parágrafos, para onde você se dirigia. Estava até mesmo disposto a partilhar com você aquilo que um de meus amigos jornalistas da BBC me confidenciou em Nairóbi, que aquela nobre rede de difusão pediu a ele… que parasse de enviar despachos do Congo quando o número de mortes fosse inferior a 50! Tratava-se de negros e era o coração da escuridão, afinal das contas, onde a norma é “o horror! O horror!” – de acordo com Joseph Conrad… Mas então percebi, desiludido, que o Congo não é mais do que um sinal (pretexto sensacionalista) que nos guia para o anti-clímax de sua retórica deformada!

family in destroyed building

Famílias se abrigam num prédio destruído depois de serem forçadas a fugir de suas casas devido à intensificação do conflito na província de Kivu do Norte. (Foto de UNHCR/S.Schulman)

Djé, que escreve no case en construction [fr], relata:

La surmédiatisation des horreurs commises actuellement à Gaza ont tendance à détourner le regard des médias (et par extension du grand public) de celles toujours en cours au Kivu. Certains journalistes peu scrupuleux en profitent même pour instrumentaliser, à des fins de propagande pro-israélienne, la faible couverture médiatique de la guerre à l'est du Congo.

O frenesí da mídia sobre os horrores que são cometidos no momento em Gaza tem mostrado um tendência para voltar a atenção da mídia (e, por extensão, do público em geral) para longe daquilo que está ainda ocorrendo em Kivu. Certos jornalistas inescrupulosos têm lucrado ao usar, em prol de uma propaganda a favor de Israel, a pouca atenção por parte da mídia dada à guerra no leste do Congo.

Djé refere-se ao artigo de Serraf como “uma tentativa grosseira de desinformação” e clama para que se considere, ao invés, um artigo escrito sobre o mesmo tema no kongotimes.info [fr] o qual defende que “As duas guerras carregam os mesmos medos, com quase os mesmos riscos de desestabilizar a região.”

Usuários do forum islamie.com [fr] ficaram, da mesma forma, desencorajados com a comparação feita por Serraf e a sensacionalização, pela mídia, em geral, dos ataques à Gaza. Abdullah indaga, sarcasticamente, “Quantos corpos afgãos para uma mortalha de funeral em Gaza?”: [fr]

Face à l'engouement actuel pour Gaza, je suis très mal à l'aise depuis que j'ai lu une phrase d'Abou Ghazi disant que des massacres il y en a tout le temps notamment en Afghanistan et que personne ou presque ne s'en émeut. Non que je me sente plus concerné qu'un autre ni même moins. Mais une telle phrase, ça révèle (au sens premier du terme) beaucoup de choses.

Quelle misère dans laquelle nous sommes ! Nous nous laissons bercer, berner, balader par les médias.

J'ai sincèrement la nausée.

Frente a atual paixão por Gaza tenho me sentido desconfortável desde que li uma citação de Abou Ghazi que diz que há massacres o tempo todo no Afeganistão com os quais ninguém, ou quase ninguém, se importa. Não é que me sinta mais – ou menos – preocupado com um do que com outro. Mas uma citação como aquela revela (no sentido básico da palavra) muitas coisas.
Em que situação miserável nos encontramos! Permitimos que a mídia alimente, engane e guie nossas vidas! Isto realmente me enoja!

Jounaïda:

La phrase d’Abou Ghazi renvoie simplement à notre médiocrité. Elle révèle aussi une chose : celle que nous sommes vraiment les pantins des médias, assoiffés toujours de sensationnel.

Des actions concrètes pour nos frères et sœurs opprimés, il en faut et en faudra toujours, du moins tant que ce n'est pas la parole de Dieu qui règnera sur terre.

A citação de Abou Ghazi simplesmente reflete nossa mediocridade. Também revela uma coisa: que somos, realmente, os marionetes da mídia, sempre sedenta pelo sensacional.

Precisamos, e sempre precisaremos, de ações concretas para nossos irmãos e irmãs oprimidos, pelo menos até que as palavras de Deus governem a terra.

burial of a little girl

Homens palestinos enterram o corpo de Lama Hamdan, de 4 anos de idade, no cemitério em Beit Hanoun, na região norte da Faixa de Gaza, 30 de dezembro de 2008. Lama e sua irmã estavam, de acordo com relatos, passeando numa charrete puxada por um burro na terça-feira perto de um local de lançamento de mísseis que era alvo de Israel (Foto de Amir Farshad Ebrahimi) [en].

Souleymene:

…cette reflexion je me la suis posée plusieurs fois depuis ces derniers jours.Mais j'dirais plus, la mobilisation que l'on est en train de vivre n'est qu'un épiphénomene.Quand toute cette affaire va se tasser ( wal 3ilmou liLeh pour son issue) car un moment donné ca va rentrer dans “l‘ordre “, vu les houkams que l'ont a, y'a aucun risque d'embrasement.Les candidats au djihad que l'on a vu dans les télés au Yemen et en Jordanie entres autres n'iront nul part qu’ ALLAH les retribue pour leur intentions.Les musulmans retourneront à leur préoccupations mondaines, la Palestine sera oubliée et le sang versé à Gaza avec.

…Tenho me feito este tipo de pergunta muitas vezes nos últimos dias. Mas diria mais, a mobilização que estamos vivendo é só um epifenômeno. Quando este negócio todo rescindir (e Alá sabe melhor…) pois num determinado momento tudo irá voltar à “ordem”, e levando em conta os governantes que temos, não há risco de agitação. Os que seriam jidahis que vemos na televisão, no Iêmen e na Jordânia, dentre outros lugares, não irão a lugar algum, possa ALÁ recompensá-los por suas intenções. Os muçulmanos retornarão às suas preocupações mundanas, a Palestina será esquecida, junto ao sangue derramado em Gaza.

2 comentários

Junte-se à conversa

Colaboradores, favor realizar Entrar »

Por uma boa conversa...

  • Por favor, trate as outras pessoas com respeito. Trate como deseja ser tratado. Comentários que contenham mensagens de ódio, linguagem inadequada ou ataques pessoais não serão aprovados. Seja razoável.